Vivemos numa época em que a "história do passado" é contada à exaustão e em que a "história do futuro" precisa começar a ser recontada.

Quase todas as guerras do século XX e início do século XXI, grandes e pequenas, externas e civis, tem o mesmo motivo: controle de regiões ricas em petróleo e gás natural. O ataque israelense em curso aos palestinos não é diferente. No fundo Israel pretende submeter a população da Faixa de Gaza para poder explorar tranquilamente as jazidas de petróleo e gás que existem no subsolo do litoral da mesma.

Tanques e aviões são movidos a gasolina. Barcos de guerra e submarinos são movidos a óleo diesel. Caminhões que transportam tropas e munição também são movidos a óleo diesel. As indústrias que fabricam apetrechos militares são movidas à energia elétrica, que é total ou parcialmente produzida por motores à combustão. O combustível que fomenta a guerra também movimenta as máquinas e as economias de guerra.

Em algum momento futuro o petróleo e o gás natural acabarão. Mas o resultado não será o fim da guerra, pois este fenômeno terrível acompanha a humanidade desde as primeiras civilizações. Antes de usarem as modernas máquinas de matar movidas à combustível fóssil, os homens faziam suas guerras com tacapes e pedras, com lanças de madeira e espadas de bronze e ferro, com arcos curtos e longos, com fundas, balistas e catapultas, etc…

Durante a Guerra Fria e se referindo ao uso de bombas atômicas num conflito entre EUA e URSS o físico Albert Einsten disse que não sabia como seria a III Guerra Mundial, mas tinha certeza de que a IV Guerra Mundial seria feita com paus e pedras. Ele estava enganado. Mesmo que a hecatombe nuclear não ocorra, com o fim das reservas de petróleo e gás natural será praticamente impossível transportar exércitos e máquinas de guerra de um continente para outro.

O fim dos combustíveis fósseis acarretará a extinção da era de guerras mundiais. E o renascimento dos conflitos locais em que as hostilidades serão conduzidas com armamentos consideradas ultrapassadas nos dias de hoje. No futuro da guerra, o predomínio não será da tecnologia moderna e sim do número de soldados. Conclusão inevitável: a superioridade de Israel sobre seus inimigos é temporária e precária. Quando o petróleo acabar, os tanques e aviões de guerra israelenses serão apenas sucata e os inimigos de Israel continuarão a ser numerosos e a ter pedras à sua disposição.

A curto prazo os generais israelenses podem tripudiar a fraqueza dos seus inimigos. A longo prazo Israel está cometendo um suicídio premeditado. A história seguirá inexoravelmente seu curso e quem hoje comete crimes de guerra com a certeza de impunidade está condenando seus descendentes a sofrerem consequencias desagradáveis num futuro nada promissor à guerra mecanizada.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria