Banco é como agiota, porém, só atende com hora marcada ou mediante senha.

~~Outra diferença é que o banco compra de você, o seu próprio dinheiro. Se tiver dificuldades com o pagamento dos juros, o banco financia o (seu) dinheiro que já lhe foi emprestado uma vez. Contudo, se ainda não der, o banco refinancia o seu dinheiro de novo. Neste caso, você já terá pago a metade das parcelas – com juros escorchantes – e ele, o banco, cobrará as mesmas parcelas pagas, com mais juros, e isto implica que você pagará juros sobre juros, sobre o seu próprio dinheiro. Ou seja, o banco financia e refinancia indefinidamente para você, o que por direito já lhe pertence – o seu dinheiro. A usura é pecado capital, mas os bancos já demoliram as tradições, as religiões ou qualquer sentido moral que um dia habitou a cultura humana.
 Experimente você antecipar uma parcela do seu 13º. Em poucos meses terá devolvido ao banco o dinheiro que era seu, e mais 4% ou 5% de juros ao mês. Coloque esse dinheiro na poupança, e só ganhará 0,5% ao mês. Então, o banco pega a grana poupada a 0,5% ao mês e aplica em fundos que você nem imagina, porque pequenos investidores não podem participar, e ganha – somando o seu, o meu e outros tantos pequenos dinheiros – mais de cinco por cento no mesmo mês em que ele te pagou aquela miséria. Se tiver emergência, o banco emprestará o seu dinheiro poupado, e lhe cobrará juros de 20/30% ao ano – se você tiver muita sorte. Os juros do cartão de crédito são a ponta do iceberg, ainda que sejam a mais deslavada expropriação.
 O dinheiro do trabalhador, chamado de FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço), é guardado todo mês, ou deveria, por seu empregador. Aí, desesperado pelo sonho da casa própria, você vai lá e financia uma parte do imóvel. Feliz da vida, se receber a moradia em dia e em boas condições, você correrá ao banco para ver o valor das parcelas que ainda pagará. Aí ficará triste. Ficaria muito mais triste se soubesse que você está usando seu próprio dinheiro, depositado por você e pelo seu empregador, e sobre ele pagará juros, taxas e multas, por atraso. Você usa seu dinheiro, paga juros por isso, tem descontos operacionais e administrativos do banco, e depois paga multa. Acha que é tudo? Poderá descobrir, depois de muitos anos, que ainda tem resíduo. O que é resíduo? Não sei, contudo, certamente é outra grana preta que você vai desembolsar para quitar o imóvel já pago com seu dinheiro. Se verificar os juros – no caso de financiamento – terá a certeza de ter pago duas vezes seu imóvel, e sem contar o tal resíduo. Esse só vem no final da sua vida.
No mundo todo é assim, o sistema financeiro mundial funciona como um imenso monopólio do dinheiro, do capital gerado por bilhões de trabalhadores, produtores e empresários. Gere nosso dinheiro, todo santo dia, ainda que o sistema financeiro não produza nada – além de ilusão. Não existem capitalistas mais improdutivos, como os agiotas comuns; apenas especulam com a riqueza produzida pelos outros. Exemplo retumbante vem de empréstimo dos bancos suíços, bem antes da Segunda Guerra Mundial. Ocorre que, desde 1939, tais bancos aceitaram – pelo Princípio da Imparcialidade – que os nazistas depositassem toda a riqueza roubada dos judeus e de todos os que não serviram ao Reich. As contas ainda estão lá, muitas jamais serão acessadas pelos descendentes alemães e, então, o sistema financeiro suíço deverá se apoderar do que não pode ser reclamado – uma vez que, na origem, esse capital decorre de crime de guerra.
 O assunto é batido – é quase bíblico. Os fenícios seriam os precursores: povo que se estabeleceu onde é o Líbano. No Renascimento, no tempo do que se chamava de Acumulação Primitiva, os Estados intervinham na economia de outra forma. Praticamente limitados à cobrança de tributos e fixando monopólios, como no caso das corporações de ofício, além de isentar a Igreja do Alto Clero. O Estado reservava o mercado a uns poucos empreendedores. Para aumentar a segurança na transferência do dinheiro, inventaram as Cartas de Crédito. O sujeito punha ali seu nome e o valor que aquele papel representava. O papel era fundamental, e é disso que derivou o Princípio da Cartularidade: uma espécie de preto no branco.
No Brasil, o sistema financeiro é descontrolado. Ou é controlado do jeito que lhe interessa. Por isso, cada vez mais os banqueiros e suas agências de representação ganham espaço na política. Os gestores do sistema financeiro não apenas regulam o mercado, definindo as taxas de juros, como também ocupam cargos da maior relevância no Estado. Estão lá para decidir/definir que taxas devem ser impostas a trabalhadores, consumidores, produtores e ao Estado. Por exemplo, quanto o Estado brasileiro deve pagar pelo dinheiro recolhido do povo, em poupanças, e que foi emprestado ao Poder Público por esses mesmos bancos? Nada se parece com o que temos hoje em dia: o banco falido no Brasil deixa a conta para os correntistas.
  Vinício Carrilho Martinez
Professor Adjunto III da Universidade Federal de Rondônia
Marcos Del Roio
Professor Titular de Ciências Políticas da UNESP – FFC
 


Autores


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria