Analisar comportamentos independente de gerações.

Sabe aquelas pessoas cheias de mimimi, não é?

Pessoas que mais se preocupam com os outros do que com a solução, pessoas que querem resultado, mas não querem o trabalho que isto envolve.

Buscam o melhor para si e o resto é o resto.

Querem os louros da vitória, mas esquecem que o caminho é árduo para a sua chegada.

Noutra área, mas totalmente adequada a área jurídica, cito trecho do livro “Cozinha confidencial” do Anthony Bourdain:

mimimi

(vale destacar que CIA no texto é Culinary Institute of America)

(se a imagem não abrir, acesse: http://goo.gl/1n6oXe)

Como este tipo de pessoa mimimi estão minando empresas e escritórios.

Pessoas que em muitos casos tem histórias de vida menos complexas que a maioria, com excelentes escolas, professores, várias línguas e experiências no estrangeiro e com toda esta bagagem não aprenderam o mais elementar do conhecimento: O que sabemos é uma gota e o que ignoramos é um oceano.

Pensam que como já estudaram e viajaram os outros é que devem trabalhar, pois elas merecem o resultado de algo que nunca produziram ou souberam fazer. As vezes é pior, pensam que sabem fazer tudo e melhor que todos porque possuem boas ideias – ninguém nega que são boas, mas… – e ignoram a experiência advinda com a idade, maturidade e erros.

Ignoram que erros são necessários, e tratam o erro como algo impossível de ser aceito e altamente frustrante.

Pessoas como a imagem abaixo:

choro

Cheias de mimimi, cheias de vontade, cheias de afagos no ego e pouca lição de vida existencial.

E não venham dizer que isto é problema da geração X, Y, Z, J, K, L, M ou caramba… Isto é questão de educação, maturidade, personalidade, ego, alterego e por aí a fora.

Mesmo nascido em um determinado ano, dia, mês ou astro regente, temos o livre arbítrio de nossas escolhas, sofrimentos e aprendizados.

Devemos recordar que na escola não é o local de aprendizado sobre a vida, isto é educação dos pais, e delega-la a escola, colegas ou terceiros não irá levar o cidadão ao lugar mais adequado.

Dar tudo, desde presentes até mesmo em evitar de forma ultra/mega/plus/ao quadrado protetora igualmente não ajuda ninguém, pois somente através dos próprios erros, decisões equivocadas e sofrimento (lógico que não o físico) é que podemos evoluir.

Vamos parar de reclamar de tudo e buscar soluções.

Vamos viver com foco no que realmente importa – contexto – e não apenas em nossa importância – umbigo.

Vamos ser mais coletivos e de desenvolvimento pessoal e menos individuais com benefícios supostamente coletivos.

Vamos deixar o beicinho da infância na infância e evoluirmos para uma maturidade sadia, alegre e verdadeira em princípios e objetivos.

#Podeser?

*Post baseado no texto e imagens deste site.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria