Ao contrário do Brasil, Israel não renunciou à lógica perversa que levou o mundo à II Guerra Mundial.

A moderada reação brasileira contra o desproporcional e ilegal ataque militar de Israel contra a população civil de Gaza, que já acarretou a morte e mutilação de centenas de crianças, levou Israel a chamar o Brasil de “anão diplomático”. A expressão parece ofensiva, mas não é.

Antes da II Guerra Mundial os países competiam entre si e seus diplomatas tinham a ambição de ver suas respectivas nações reconhecidas como “potências internacionais”. A capacidade de impor a vontade a outro país com o uso de força militar conferia valor e força às palavras dos diplomatas, que não raro faziam ameaças e as faziam cumprir (invasão do Norte da África pela Itália, da Manchúria pelo Japão e anexação da Áustria e Sudetos pela Alemanha). A paz armada foi rapidamente substituída pelo conflito armado mundial quando Inglaterra e França resistiram à anexação da Polônia por Hitler. Ao fim de 5 anos quase todos os países europeus haviam sido devastados.

Apesar da tensão entre URSS e EUA ao fim da II Guerra Mundial, a ONU foi criada com dois grandes propósitos: o reconhecimento dos direitos humanos para limitar a ação dos Estados dentro e fora de suas fronteiras e a proibição de guerras de conquista territorial que havia dado causa às duas guerras mundiais precedentes. Pouco depois da criação da ONU, o Estado de Israel foi criado numa reunião da ONU presidida pelo brasileiro Oswaldo Aranha. O Brasil havia mandado tropas para ajudar a libertar a Europa dos nazistas e não era considerado um “anão diplomático”.

Antes e durante a II Guerra Mundial, os “anões diplomáticos” mantiveram a neutralidade e foram poupados dos horrores do conflito. O Uruguai, por exemplo, poderia ter sido devastado pelas embarcações alemãs às quais negou porto e, mesmo assim, não teve sua capital bombardeada. A Suíça foi poupada dos tapetes de bombas que deixaram imensos rastros de destruição e de sangue nos seus vizinhos. Os “gigantes violentos” (Alemanha, Itália e Japão) tiveram seus territórios devastados. Os “gigantes vitoriosos” (EUA, França, China e URSS) também tiveram sua cota de destruição e sofrimento. De todos os envolvidos na II Guerra Mundial o que sofreu menos e mais lucrou com a II Guerra Mundial foi os EUA. E é justamente os EUA que há décadas apóia abertamente a belicosidade desmedida e criminosa de Israel contra os palestinos.

O grande legado da II Guerra Mundial foi a constituição de uma ordem internacional que privilegia a Diplomacia e o respeito às Leis Internacionais. Os Estados membros da ONU renunciaram à lógica que fomentou o conflito planetário, aceitaram voluntariamente usar a força apenas em casos excepcionais e nunca contra civis desarmados. Israel é uma trágica exceção. Ao contrário de alguns de seus vizinhos, Israel tem ambições territoriais e usa constantemente a força para satisfazê-las. Nos últimos dias, sem qualquer respeito pelos direitos humanos dos habitantes de Gaza, o regime de Tel Aviv trava uma guerra à moda antiga, como se fosse um verdadeiro “gigante violento”.

O Brasil está em paz e permanecerá em paz. A lógica que move Israel não é e não será a nossa. Nosso país ajudou a criar Israel, mas não ajudará Israel a destruir Gaza. Temos o direito de protestar contra as ilegalidades cometidas por Israel e não devemos renunciar a adoção de outras medidas pacíficas para obrigar aquele país a cessar fogo. A expulsão do embaixador de Israel do Brasil é uma destas medidas, a cessação de comércio com o “gigante violento” é outra. Como brasileiro devo dizer que não me senti ofendido ao ver meu país ser chamado de “anão diplomático”. Ofensa seria ser chamado de “gigante assassino de crianças” como Israel.

  



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria