O eixo do Mal, no Brasil atual, mas que herdamos da colonização portuguesa, atende pela alcunha de corrupção pública.

O eixo do Mal, no Brasil atual, mas que herdamos da colonização portuguesa, atende pela alcunha de corrupção pública – fomentada pela iniciativa privada. Nunca soubemos o que é público, porque há histórica promiscuidade do Estado e intensa privatização do espaço público. Isso não é retórica, pois sete das dez maiores empresas doadoras de campanha nas eleições de 2010 foram ou estão sob investigação criminal. São elas: Camargo Correa; Andrade Gutierrez; Queiroz Galvão; Construtora OAS; Galvão Engenharia; JBS; Banco BMG. Portanto, são cinco empreiteiras, um frigorífico e um banco. A fonte é o próprio Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Note-se que são apenas os doadores legalizados – não se trata de outros tantos que têm a fonte dos recursos para lá de obscura, cheirando ao crime organizado.
Corrupção significa deturpar, aniquilar, subtrair o sentido proposto. Seria a própria corrupção do direito, se entendermos que direito vem do latim “directus”, o que não se desvia dos preceitos estabelecidos. Direito é “aquilo que é reto” e do que deriva o sentido explícito de ser correto: o que segue pelo “caminho correto”. E o que é correto? Pela lógica jurídica que herdamos da Roma antiga, “o caminho correto do direito é a Justiça”. Pela epistemologia proposta, portanto, o direito deve se afastar de tudo que corrompa o caminho da honestidade. Todos os que lidam com o direito e não se comprometem com o honesto, por suposto, voltam-se contra a lógica criada pela Humanidade para o sentido lato do direito. Este é um dos sentidos da corrupção, quando se corrompe o sentido lógico. Corromper é tornar desonesto. É falsear com a lógica.
Esses financiamentos de campanha promovem a desonestidade da origem. Pois bem, logicamente, oneram o Estado com o peso de sua corrupção sistemática/sistêmica. Oneram o povo com a desonestidade do capital privado e, assim, indicam a que se destina o Poder Político brasileiro: encontrar refúgio aos desonestos que são aliciados pelo capital. No mundo em geral não se dá desse modo, uma vez que a corrupção – se existente – é residual e não a regra. E a segunda questão é saber o porquê de estarem soltos os tais corruptores do poder público. Será que aos grandes corruptos aplicam-se as mesmas leis – ou suas entonações –, comparativamente aos pobres e sem representantes políticos e legais dentro do Estado de Direito?
Seguindo-se pela conclusão lógica, ainda podemos entender que esses doadores – investigados criminalmente – irão cobrar a cota parte do dinheiro investido? E também seria mais ou menos coerente supor que elegerão representantes não tão honestos assim e que atuaram para “desviar o caminho reto do poder público”? É claro. Então, é ou não evidente que temos um Estado criado, gerido, regulado juridicamente pelo capital privado – notadamente aquele que não se bate bem com o direito penal?
Mas, por fim, dirá o leitor: temos um Estado de Direito formado por campanhas privadas e criminalmente suspeitas? Se sim, cabe fechar esta nota dizendo que o Estado de Direito brasileiro não segue o caminho do que é reto? E se não é reto, não cabe Justiça? Ou seja, como será que esses senhores irão votar nos projetos de matéria penal? O Estado de Direito nacional não é fake; pois, é corrupto/corruptível desde a origem, simplesmente porque segue a lógica do capital, que é a de sempre corromper. Não há desvio ou corrupção do Estado de Direito no Brasil, porque, sistematicamente, é recriado para ser o que é – desde a origem em que foram chocados os primeiros ovos podres.
  Vinício Carrilho Martinez
Professor Adjunto III da Universidade Federal de Rondônia
Marcos Del Roio
Professor Titular de Ciências Políticas da UNESP – FFC


Autores


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0