ESTE ARTIGO ABORDA O TEMA DA PROTEÇÃO DO DIREITO ADQUIRIDO NO BRASIL

A proteção do direito adquirido é clara, sobretudo, constitucionalmente. O art. 5º, XXXVI, da Constituição Federal afirma que a lei não prejudicará o direito adquirido. A concepção dada a direito adquirido pelo legislador ordinário aproxima-se da idéia de situação jurídica definitivamente consolidada.

A Lei de Introdução ao Código Civil, em seu art. 6º, § 2º, determina que “consideram-se adquiridos assim os direitos que o seu titular, ou alguém por ele, possa exercer, como aqueles cujo começo do exercício tenha termo pré-fixo, ou condição preestabelecida inalterável, a arbítrio de outrem”.

Os doutrinadores não fixaram com clareza o conceito de direito adquirido, porém caracterizam-no como o produzido por um fato idôneo e que tenha se incorporado definitivamente ao patrimônio do titular.

Para o nobre jurista Celso Bastos, o direito adquirido “constitui-se num dos recursos de que se vale a Constituição para limitar a retroatividade da lei. Com efeito, esta está em constante mutação. O Estado cumpre o seu papel exatamente na medida em que atualiza as suas leis. No entanto, a utilização da lei em caráter retroativo em muitos casos repugna porque fere situações jurídicas que já tinham por consolidadas no tempo, e esta é uma das fontes principais da segurança do homem na terra”.

Para se compreender um pouco melhor o que seja o instituto do direito adquirido, cumpre lembrarmos o que venha a ser direito subjetivo: é um direito exercitável segundo a vontade do titular e exigível na via jurisdicional quando seu exercício é obstado pelo sujeito obrigado à prestação correspondente. Se tal direito é exercido, foi devidamente prestado, tornou-se situação jurídica consumada (direito consumado, direito satisfeito).

Se o direito subjetivo não foi exercido, vindo uma lei nova, transforma-se em direito adquirido, porque era direito exercitável e exigível à vontade de seu titular. Incorporou-se ao seu patrimônio, para ser exercido quando melhor lhe convier. Essa possibilidade de exercício do direito subjetivo foi adquirida no regime da lei velha e persiste garantido em face da lei superveniente.  

A proteção ao direito adquirido no Brasil sempre foi matéria tratada com relevância pelos legisladores ao longo da história. A Constituição de 1946 já estabelecia essa proteção em seu art. 144, § 3º; a de 1967, em seu art. 150, § 3º; a de 1969, em seu art. 153, § 3º; e a constituição vigente consagra tal proteção (direitos subjetivos) no art. 5º, XXXVI, sob o enunciado de que “a lei não prejudicará o direito adquirido, o ato jurídico prefeito e a coisa julgada”.

A proteção desses direitos representa um mecanismo imprescindível de garantia contra os arbítrios que, constantemente, tolhem esses direitos, fazendo-nos exercitar o mais elementar dos direitos, o direito de nos indignarmos.

Felizes foram os legisladores quando na elaboração do texto da atual constituição, consolidaram a imutabilidade dos direitos e garantias individuais, art. 60, § 4º, IV. Ressalte-se também o parágrafo 1º do art. 5º, ao afirmar que as normas definidoras dos direitos e garantias têm aplicação imediata.

O tema em pauta, ou seja, A Proteção do Direito Adquirido no Brasil, liga-se visceralmente à sucessão de leis no tempo e à necessidade de assegurar o valor da segurança jurídica, especialmente no que tange à estabilidade dos direitos subjetivos. A segurança jurídica consiste no conjunto de condições que torna possível às pessoas o conhecimento antecipado e reflexivo das conseqüências diretas de seus atos e de seus fatos à luz da liberdade reconhecida. Uma importante condição da segurança jurídica está na relativa certeza de que os indivíduos têm de que as relações realizadas sob o império de uma norma devem perdurar, ainda quando tal norma seja substituída.

Recentemente, a Reforma da Previdência teria ferido o direito adquirido ao estabelecer contribuição previdenciária dos inativos e pensionistas e ao mudar as regras de transição de aposentadoria dos ocupantes de cargos efetivos que entraram no serviço público até 16 de dezembro de 1998, porém, o STF considerou constitucional a cobrança de inativos e pensionistas, mas desde que incida somente sobre a parcela dos proventos e pensões que exceder o teto estabelecido no art. 5º da EC nº 41/2003.

Se antes de uma lei nova não existia direito subjetivo, mas interesse jurídico simples, mera expectativa de direito ou mesmo interesse legítimo, não se transforma em direito adquirido sob o regime da lei nova, porque sobre elas a lei nova tem aplicabilidade imediata. Não se trata de retroatividade da lei, mas apenas de limite de sua aplicação.

Vale lembrar, a nossa atual Carta Magna não veda a retroatividade da lei, salvo aquela que não beneficie o réu, porém estas leis só podem surtir efeitos retroativos quando elas próprias o estabeleçam, resguardados os direitos adquiridos e as situações consumadas evidentemente.

Não se pode deixar de fazer uma observação final a respeito da relação entre direito adquirido e direito público. Não há direito adquirido em face da lei de ordem pública ou de direito público, ou seja, não corre direito adquirido contra o interesse coletivo, porque aquele é manifestação de interesse particular que não pode prevalecer sobre o interesse geral.

O ilustre doutrinador Celso Antônio Bandeira de Mello fala, de maneira interessante, em ciclos de formação, conforme se segue: “a questão pertinente ao reconhecimento ou não da consolidação de situações jurídicas definitivas há de ser examinada em face dos ciclos de formação a que esteja eventualmente sujeito o processo de aquisição de determinado direito. Isso significa que a superveniência de ato legislativo, em tempo oportuno – vale dizer, enquanto ainda não concluído o ciclo de formação e constituição de direito vindicado, constitui fator capaz de impedir que se complete, legitimamente, o próprio processo de aquisição do direito, inviabilizando, desse modo, ante a existência de ‘spes juris’, a possibilidade de útil invocação da cláusula pertinente ao direito adquirido”.

A discussão em torno do assunto direito adquirido considerado ou não como cláusula pétrea, portanto, imodificável através de emenda constitucional é polêmico, haja vista a quantidade de opiniões divergentes entre os doutrinadores e principalmente entre os membros da Suprema Corte (STF).

A verdade é que diante da dinamicidade das relações sociais e das transformações instantâneas, a segurança jurídica e todos os seus conceitos essenciais, como o direito adquirido, sofre o sobressalto da velocidade de imediatismo e de interpretações pragmáticas, um direcionamento do paradigma jurídico da lei para o caso concreto, para, em tese alcançar a melhor solução dos conflitos a serem resolvidos.   

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

Lenza, Pedro. Direito constitucional esquematizado / Pedro Lenza. – 10. ed. – rev., atual. e ampl. – São Paulo: Método, mar/2006.

Vade Mecum acadêmico de direito / organização Anne Joyce Angher. – 3. ed. – São Paulo: Rideel, 2006. (Coleção de leis Rideel).

Moraes, Alexandre de. Direito constitucional / Alexandre de Moraes. – 18. ed. . – São Paulo: Atlas, 2005.

Silva, José Afonso da. Curso de direito constitucional positivo / José Afonso da Silva. – 24. ed. – São Paulo: Malheiros, 2005.

Tepedino, Gustavo. O STF e a noção de direito adquirido. Disponível no site http: // www. Idcivil.com.br/rtdc4.html. 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria