Aborda o fenômeno do superendividamento e as atitudes fundamentais para mudança do comportamento do consumidor.

Atualmente, nós vivemos em uma sociedade de consumo, considerando que o verbo consumir significa dizer: adquirir ou utilizar, mesmo que de forma gratuita, eu lhe pergunto: você já consumiu algo hoje? Bem, se você respondeu que não “reflita mais um pouco”, se você respondeu que sim, lhe faço outra pergunta: quantas vezes?

Eu sinceramente acredito que consumir traz uma felicidade momentânea, entretanto, uma coisa é certa, tudo em excesso nem sempre é bom, por isso, é preciso ter cautela. Um dos reflexos do ter em excesso no mercado de consumo é o fenômeno do superendividamento, a palavra é sugestiva só de ler ou ouvir já nós remetem a um grande problema.

O superendividamento é um fenômeno de cunho social, jurídico e econômico capaz de gerar a impossibilidade do consumidor de boa-fé, em pagar com seu rendimento mensal o conjunto de suas dívidas de consumo, vencidas ou a vencer, passíveis de prejudicar até o mínimo existencial, quantia capaz de assegurar a vida digna do individuo e de seu núcleo familiar, como as despesas mensais de sobrevivência, tais como: água, luz, alimentação, saúde, educação, transporte, etc.

Existem três tipos de superendividado: o ativo consciente, o ativo inconsciente é o passivo. O primeiro, infelizmente, não tem voz ativa na tentativa de regularizar seu estado de superendividado, pois o superendividado ativo consciente é aquele que age com intenção deliberada de não pagar, ou seja, com o objetivo de fraudar, o chamado consumidor de má-fé.

Os dois tipos de superendividados considerados consumidores de boa-fé, estes aqui possuem voz: o ativo inconsciente e o passivo. Um que agiu impulsivamente ou que deixou de formular o cálculo correto no momento em que contraíra as dívidas “superendividado inconsciente” e o outro “superendividado passivo”, aquele que por motivos exteriores ou imprevistos, sofreu uma redução brutal dos recursos, devido a acidentes da vida no curso do contrato, a exemplo de divórcio, separação, desemprego, redução de salário, morte ou doença de familiares, bem como os bons “acidentes”: gravidez, nascimento de filho ou neto, volta para casa de filho maior, enfim eventos não esperados.

É sabido por todos, que os problemas, por mais difícil que sejam possuem caráter transitório, em algum momento acaba, para que isso não se torne um mal constante, precisamos encara-los de frente, sem medo, pois assim, estaremos cada dia mais fortes, a mudança é um bem necessário. No caso do superendividamento duas atitudes são fundamentais, a psicológica e a iniciativa de resolução.

A psicológica é a atitude de reflexão mental, determinante da ação e do comportamento humano, para o superendividado é a realidade de seu estado atual, com o alinhamento de sua renda, suas vontades e influências, sejam elas internas ou externas. A segunda atitude que é fundamental é a iniciativa de resolução, que nada mais é que sair do plano das ideias e lamentações, encarando o problema de frente até a sua dissolução, listando todas as dívidas e despesas, excluindo aquelas despesas que você pode se abster no momento e negociando suas dívidas, de preferência, se possível, com ajuda de um profissional da advocacia de sua confiança, para controle deste passivo sob o aspecto legal, de forma menos onerosa e segura, sem que prejudique o mínimo para sua existência digna.

Porquanto, estas duas atitudes psicológica e de iniciativa de resolução, além de demonstrar a boa-fé do consumidor, acaba por eliminar toda aquela carga negativa e de depressão que vivemos em nosso cotidiano em função do consumo em excesso.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria