Políticos profissionais e autoridades não distinguem corretamente conceitos elementares.

~~ Reportagem da TV paga Globo News revelou que políticos profissionais e autoridades não distinguem corretamente dois conceitos complementares, mas singulares: O que é Governo? O que é Estado? Esta lição elementar – que deveriam saber de coração e salteada – é do primeiro ano de qualquer curso de Direito.
 O (e)leitor sabe, em todo caso, vamos lá. O Estado Moderno é a instituição por excelência – é uma criação do Renascimento europeu, a partir de um adensamento cultural e da centralização do poder na figura do Estado-Nação. Dessa organização da força centrípeta (para dentro) vieram, por exemplo, as expedições ultramarinas e o Brasil. Assim, o Estado é a forma privilegiada do Poder Político; por isso, são confundidos entre si, em decorrência de sua atual significação. Contudo, um conselho de anciãos indígenas também aglutina o Poder Político daquela aldeia.
 O Estado é permanente, reúne para si a tarefa de sustentar a Razão de Estado, qual seja, a própria razão desse Poder Político existir é representar/defender o povo (sujeito político primário), a soberania e a integridade territorial (conforme o jurista francês Hauriou). Há longa discussão ideológica quanto aos fins do Estado (teleologia). Por exemplo, fala-se da soberania profunda do Estado Democrático de Direito Internacional, pois a Razão de Estado deve ser/estar de acordo com a prevalência do direito internacional público; consorte o conjunto complexo dos direitos humanos. Também estaria suplementada a soberania do clássico francês Jean Bodin.
 De outro modo, o governo é transitório, dependente dos chamados sujeitos políticos secundários: partidos políticos, sindicatos, lobbies e demais organizações sociais. Desde a Carta do Rei João sem Terra, de 1215, na Inglaterra, o governo revela origem na aceitação/obrigação jurídica de que houvesse oposição política, seguida da ideia da representação partidária: Câmara dos Lordes e Câmara dos Comuns. Essa experiência resultou no Parlamentarismo e no fortalecimento do direito consuetudinário (costumeiro), baseado na cultura, nas tradições e nas reiterações judiciais.
 No Brasil, por força da Constituição Federal de 1988, o governo é obrigatoriamente partidário, uma vez que, todo candidato precisa se filiar a um partido político. Também sabemos que Presidencialismo e Parlamentarismo são formas de governo. Portanto, o governo, trata da gestão do Estado. O Estado, por sua vez, cuida da domesticação do poder; auxilia-se da divisão e da interdependência desse mesmo poder institucional em três poderes/funções auxiliares: Legislativo, Executivo, Judiciário. O governo pode até alterar a estrutura dos três poderes, nunca aboli-los.
 Veja-se no bom dicionário:  ROJAS, A. S. Diccionario de Ciencia Política. México D.F.: Fondo de Cultura Económica; Facultad de Derecho/UNAM, 2001. Estado é o “poder monopolizado territorialmente, a existência de uma ordem jurídica e administrativa organizada como sistema, que descansa sobre disposições fundamentais, e a existência do corpo administrativo consagrado a seu cumprimento” (p. 437-8). Governo coletivo: “Instituição em que o chefe do Estado está composto por várias pessoas eleitas por um período determinado. Nos países em que existe, como na Suíça, este corpo está sujeito à Assembleia Federal (Parlamento) que é a que exerce o poder supremo. O Conselho Federal (governo coletivo) tem funções somente executivas” (p. 541).
 Todavia, há definição ainda mais fácil para nossos gestores públicos: “Uma sociedade organizada com um governo autônomo e que representa o papel de uma pessoa moral distinta em relação às outras sociedades análogas com as quais está relacionada [...] Neste sentido, o Estado opõe-se ao departamento, à província, à comunidade” (LALANDE, André. Vocabulário Técnico e Crítico da Filosofia. São Paulo : Martins Fontes, 1999, p. 341).
 A dificuldade em se compreender os vocábulos está na incapacidade das autoridades em se ajustar à figura político-jurídica descrita como “pessoa moral”. Pois, sem moral, não há pessoa jurídica ou governo e muito menos Estado. Já pensou quando, no Brasil, o Estado for um conjunto de instituições a serviço da República?
 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria