Vivemos sobejamente as condições políticas/policiais do Estado de Exceção Permanente e Global.

~~ Como relata o professor Jair Pinheiro, do Departamento de Ciências Políticas e Econômicas da UNESP/Marília, em texto intitulado “O Estado de Exceção Está Entre Nós”, de fato, vivemos sobejamente as condições políticas/policiais do Estado de Exceção Permanente e Global, como total mitigação das garantias do Estado Democrático de Direito, impondo-se crescente onda de Terrorismo de Estado e de criminalização das relações sociais. Diz no texto:
“Em 14/03/14 houve uma manifestação no terminal urbano em Marília, como muitas manifestações Brasil afora, esta também reivindicava direitos e criticava a violência policial. Muitos jovens moradores da periferia relatam “visitas” da polícia e ameaças veladas e abertas. Ontem, 14/06/14, André Bonacini, estudante de filosofia da UNESP/Marília e professor da rede estadual de educação sofreu uma dessas abordagens, quando os policiais lhe exibiram uma foto sua em telefone celular, acusando-o de criticar a polícia e exigindo seu endereço, como forma de intimidá-lo. Desnecessário dizer que o episódio põe em evidência um modus operandi ilegal, de extrema gravidade para a segurança deste jovem e de todos aqueles que assumem uma posição crítica em relação aos problemas sociais. Como a polícia é uma instituição militar (há bons argumentos para desmilitarizá-la) que atua sob o comando operacional de um oficial de alta patente segundo as diretrizes políticas do governo do Estado, cabe ao comando e ao governador medidas claras e urgentes de combate ao Estado de exceção. Mais ameaças veladas ou abertas apenas confirmarão a institucionalização do Estado de exceção, desta vez, uma ditadura velada, mas nada envergonhada”.
O que dizer da política criminal do Estado para os pobres e trabalhadores? São muitas ações que tornam fogoso o Estado Penal e de Exceção e que minimizam o Estado Democrático de Direito (EDD), mas destaquemos algumas:
• A Constituição Programática – especialmente na garantia dos direitos fundamentais sociais – relega-se aos limites do pragmatismo e/ou oportunismo político, balizado pela cláusula/barreira jurídica da “reserva do possível” – o que torna impossível a Justiça Social.
• O Princípio da Oportunidade administrativa é substituído pelo oportunismo político.
• A política volta a se tornar caso de polícia.
• A miséria que alimenta a guerra civil traveste-se de “combates assimétricos de rua” (numa linguagem técnica de quem combate a guerrilha urbana).
• Os adversários políticos são convertidos em inimigos de Estado.
• Há crescente criminalização das relações sociais (a cada dia há uma nova lei penal), endurecimento das penas e prisionização em massa – ao invés de se observar o Direito Penal Mínimo (prisão para os casos reais de sociopatia) .
• O aprisionamento social seletivo não é capaz de recuperar/ressocializar  - o que eleva a reincidência criminal.
• A “vitimização das vítimas do poder” (pobres de todo gênero) alimenta a indústria da privatização dos recintos penitenciários.
• Vê-se a completa negligência estatal diante do Princípio da Coculpabilidade (quando o Poder Público, por ação ou omissão, é responsável pelo incremento da criminalidade social).
• Sistematiza-se a desconsideração judicial pelo Princípio da Insignificância penal.
• Confunde-se, propositalmente, segurança nacional com segurança pública.
• Imiscui-se Estado e governo.
• Diante da guerra civil patrocinada pela miséria e pelo caos social, resguarda-se no Palácio do Poder um pacote jurídico, anti-ético, apelidado de Leis Antiterror.
• Manifestantes políticos de oposição são presos com base na lei do crime de Associação Criminosa. A oposição política, para o Poder dominante, não faz política, posto que comete crime de natureza política.
• Ao invés de se desmilitarizar o espaço público, cresce a ideologia fascista na base do “um cidadão, uma arma”.
• Instaura-se/revigora-se uma nova era jurídica – talvez sem precedentes – em que se fortalecem e se refinam as chamadas Ditaduras Civis.

O ocorrido em Marília/SP se multiplica pelo país afora, no estado em que a própria democracia é apenas um relato, uma exceção.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria