Reza a Lenda, ou assim muitos “condôminos” acreditam, que o conhecido “HORÁRIO DE SILÊNCIO” há de ser respeitado no período compreendido entre 22 e 6 horas.

Não é bem assim que funciona.

O horário estabelecido na maioria das  CONVENÇÕES DE CONDOMÍNIO que estabelecem este horário, o fazem no intuito de “regular” barulhos tidos como “rotineiros”, ou seja, um liquidificador, uma máquina de lavar, uma tampa de panela que cai, uma faxina com uso de aspirador e arrastando móveis mas que, de maneira nenhuma, venha a ferir o artigo 42 da Lei de Contravenções Penais que AINDA está em VIGOR.

Há de se reconhecer que MUITAS pessoas:

  • a) Trabalham à noite e dormem durante o dia;
  • b) Padecem de enfermidades do tipo “síndrome do pânico” e outras “fobias”;
  • c) Têm o direito de ter “gosto musical” distinto do vizinho;

Então reza o artigo 42 da LEI DE CONTRAVENÇÕES PENAIS (Decreto Lei nº 3.688 de 03 de Outubro de 1941):

Art. 42. Perturbar alguém o trabalho ou o sossego alheio:

- com gritaria ou algazarra;

II - exercendo profissão incômoda ou ruidosa, em desacordo com as prescrições legais;

III - abusando de instrumentos sonoros ou sinais acústicos;

IV - provocando ou não procurando impedir barulho produzido por animal de que tem a guarda:

Pena - prisão simples, de quinze dias a três meses, ou multa, de duzentos mil réis a dois contos de réis.

Isso INDEPENDENTEMENTE DE HORÁRIO FIXADO. Em NENHUM MOMENTO se diz “ENTRE 22 E 6 HORAS”, ou seja, INDEPENDENTEMENTE do horário, não se pode: GRITAR, EXERCER PROFISSÃO INCÔMODA EM DESACORDO COM A LEI, ABUSAR DE INSTRUMENTOS SONOROS OU SINAIS ACÚSTICOS ou PERMITIR RUÍDOS DE ANIMAIS!

Não se trata de uma “CONVENÇÃO” do condomínio! Trata-se de REGRA GERAL, ainda que se habite uma CASA!

É a GARANTIA DE UM DIREITO DE “BOA  VIZINHANÇA” onde, CADA UM, deveria ZELAR pelo BEM ESTAR do PRÓXIMO!

Ou seja, “PERTURBAR O SOSSEGO” de seu vizinho com alguma das situações elencadas pode, não só acarretar multas advindas do condomínio como, além, e muito pior, levar o condômino à Delegacia e aos Tribunais... 



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria