Vida como ela é

Este texto vai para os românticos empresariais de plantão…

Sabe, aqueles que contratam pela roupa, rosto, bun… quer dizer, corpo da candidata e por aí a fora.

Sabe, aqueles que acham que a pessoa foi sempre boazinha, então nunca irá mudar…

Sabe, aqueles que pensam que a pessoa deve trabalhar por amor e não por salário.

Vamos refletir a respeito, afinal há séculos atrás Dostoiveski já tinha razão:

“Ora veja… é o que sempre acontece às pessoas românticas: enfeitam uma criatura, até o último momento, com penas de pavão, e não querem ver, nela, senão o que é bom, muito embora sentindo tudo ao contrário. Jamais querem, antecipadamente, dar às coisas o seu devido nome. Essa simples idéia lhes parece insuportável. A verdade, repelem-na com todas as forças até o momento em que aquela pessoa, engalamada por elas próprias, lhes mete um murro na cara”

Fiodor Dostoievski

Por que colocamos na organização alguém que não tem perfil com a mesma?

Só pra enfeitar/embelezar o ambiente?

E porque nos preocupamos tanto em saber detalhes da vida da pessoa se não vamos usar esta informação no contexto da empresa?

Tipo, queremos saber se os pais são separados e se tem irmãos, para deduzirmos suas possibilidades de ter problemas de trabalho com os colegas e se sabe dividir o material da empresa ou trabalhar em equipe… Contudo, ninguém se preocupa em integrar esta pessoa dentro da empresa com os valores da empresa, com a realidade da empresa, com os problemas da empresa.

Até porque muitos nem sabe que valores ou realidades são estas que estou dizendo…

E mais, ainda mais românticos são aqueles que defendem funcionários porque algum dia já trabalharam bem ou porque estão há muito tempo dentro da empresa.

Isto é romantismo puro, tipo salvar casamento porque ele já tem 30 anos… Pode ter 30 anos e ter passado muitas coisas juntos e quem sabe vão passar mais ainda, mas pode ter 30 anos e já ter passado tudo que precisava passar e está na hora de viver a vida de forma plena com a sua consciência.

Temos que aprender que devemos trabalhar pelos valores, com orgulho da marca que representamos e pelo digno salário que recebemos, mas esta história de dedicação existe enquanto ambas as partes cumprirem a sua parte, ou seja, contrato bilateral, ambas partes tem cumprir o que se comprometeram, quer dizer, de um lado, pagar em dia, ter plano de carreira, estimular, ofertar possibilidades de crescimento, etc, e de outro, trabalhar dentro do previsto no mínimo, pensar – talvez o mais difícil hoje em dia, propor algo diferente, trazer clientes e possibilidades de negócio, etc.

Ninguém é pago somente para fazer uma tarefa e ir embora no final do dia. Aliás, quem assim pensa, rapidinho será substituído por uma máquina.

O filósofo está certo: Se não vemos o que estamos contratando, como querermos depois não levar um murro na cara?

E adianta dizer que a pessoa foi mal agradecida? Obvio que não, ela não é paga para fazer favores, ela é paga para trabalhar e se trabalhou e não houve reclamações ou foi dispensada, então tudo foi conforme o combinado, pois a parte que deveria fiscalizar nada falou, se absteve de dizer a sua parte da relação.

Abaixo o romantismo empresarial!

Viva o romantismo entre as pessoas!

Abaixo contratações superficiais!

Viva contratações de caráter e perfil!

E a vida segue, as pessoas seguem e a empresa segue… Até quando?

O romantismo ou a realidade dirão.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria