Trata-se de algumas considerações sobre o benefício previdenciário do auxílio acidente.

Diz o art. 86, da Lei 8.213/91: “O auxílio-acidente será concedido, como indenização, ao segurado quando, após consolidação das lesões decorrentes de acidente de qualquer natureza, resultarem sequelas que impliquem redução da capacidade para o trabalho que habitualmente exercia.

§1º. O auxílio-acidente mensal corresponderá a cinquenta por cento do salário de benefício e será devido, observado o disposto no §5º, até a véspera do início de qualquer aposentadoria ou até a data do óbito do segurado.

§2º. O auxílio-acidente será devido a partir do dia seguinte ao da cessação do auxílio-doença, independentemente de qualquer remuneração ou rendimento auferido pelo acidentado, vedada sua acumulação com qualquer aposentadoria.

§3º. O recebimento de salário ou concessão de outro benefício, exceto aposentadoria, observado o disposto no §5º, não prejudicará a continuidade do recebimento do auxílio-acidente.

§4º. A perda da audição, em qualquer grau, somente proporcionará a concessão do auxílio-acidente, quando, além do reconhecimento de causalidade entre o trabalho e a doença, resultar, comprovadamente, na redução ou perda da capacidade para o trabalho que habitualmente exercia.”

A finalidade da concessão do benefício do auxílio acidente é indenizar o segurado, pela redução de sua capacidade de trabalho, lembrando que sempre será avaliada a função que o acidentado habitualmente exercia.

Hoje, a previsão de acidente de qualquer natureza.

O conceito de acidente de qualquer natureza pode ser extraído do art. 30, do Decreto nº 3.048/99 que diz: “Independe de carência a concessão das seguintes prestações:

III – auxílio doença e aposentadoria por invalidez nos casos de acidente de qualquer natureza ou causa, bem como nos casos de segurado que, após filiar-se ao Regime Geral de Previdência Social, for acometido de alguma das doenças ou afecções especificadas em lista elaborada pelos Ministérios da Saúde e da Previdência e Assistência Social a cada três anos, de acordo com os critérios de estigma, deformação, mutilação, deficiência ou outro fator que lhe confira especificidade e gravidade que mereçam tratamento particularizado;

Parágrafo único. Entende-se como acidente de qualquer natureza ou causa aquele de origem traumática e por exposição a agentes exógenos (físicos, químicos e biológicos), que acarrete lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte, a perda, ou a redução permanente ou temporária da capacidade laborativa.”

Dessa forma, o auxílio acidente será concedido em razão de acidente de trabalho, ou fora deste independentemente de sua origem.

Esse benefício não visa substituir a renda mensal do segurado, mas sim de indenizá-lo em função da redução da capacidade de trabalho deste segurado.

Deve-se ressaltar que o fato gerador do auxílio acidente é a existência de sequelas que reduzam a capacidade de trabalho que habitualmente exercia.

No caso de perda da audição, o auxílio acidente será concedido, desde que seja comprovado o nexo de causalidade entre o trabalho e a doença, além do grau de diminuição ou perda da audição, nos termos do parágrafo 4 do art. 86 da Lei 8.213/91.

Para o recebimento do auxílio acidente é desnecessário o cumprimento de carência, nos termos do art. 26, I, da Lei 8.213/91 que diz: “Independe de carência a concessão das seguintes prestações:

I – pensão por morte, auxílio-reclusão, salário família e auxílio-acidente.”

Mas para a percepção do auxílio acidente, será necessário o recebimento do benefício previdenciário do auxílio doença primeiro, e depois que o segurado tiver alta do benefício, começará imediatamente o auxílio acidente.

Portanto, quando ocorrer acidente de qualquer natureza deverá ser concedido o benefício do auxílio doença, e depois, se resultar sequelas que diminuam a sua capacidade de trabalho, ainda poderá receber o segurado o benefício de auxílio acidente.

Somente farão jus ao auxílio acidente o empregado o trabalhador avulso e o segurado especial, nos termos do parágrafo primeiro do art. 18 da Lei 8.213/91 que diz: “Somente poderão beneficiar-se do auxílio acidente os segurados incluídos nos incisos I, VI e VII do art. 11 desta Lei.”

Quanto a renda mensal inicial do auxílio acidente será de 50% do salário de benefício.

Antes da vigência da Lei 9.032/95, o benefício era de caráter vitalício, podendo ser acumulado com qualquer outro benefício previdenciário. Entretanto, na atual redação será concedido até a véspera da concessão de qualquer aposentadoria, ou ao óbito, se esta ocorrer antes do segurado se aposentar.

A cumulação do auxílio acidente com a aposentadoria por tempo de contribuição é plenamente possível em nosso ordenamento jurídico, desde que o fato gerador deste primeiro tenha ocorrido antes da vigência da Lei nº 9.528/97.

Entretanto se a moléstia for posterior a vigência da Lei nº 9.528/97, então o segurado não fará jus a concessão desta cumulação de benefícios.

Se o benefício do auxílio acidente tiver sido concedido quando ainda este auxílio era de caráter vitalício, ou seja, até a vigência da Lei 9.032/95, será possível ao aposentado por idade acumular o recebimento dos dois benefícios.

Quanto a competência para o processamento e julgamento das ações de concessão de auxílio acidente dependerá da origem do acidente que gerará a concessão do respectivo benefício previdenciário.

Se a origem do benefício for decorrente de acidente de qualquer natureza, que não possua ligação com o trabalho, deverá ser proposta a ação judicial na Justiça Federal.

Entretanto, se o fato gerador do benefício do auxílio acidente for decorrente de acidente de trabalho, a competência para o julgamento da causa será a Justiça Estadual.

Isso se depreende do art. 109, I, da Constituição Federal.

Quanto a estabilidade do empregado acidentado, a jurisprudência majoritária reconhece esta estabilidade de emprego ao contrato de trabalho por tempo indeterminado, pois no contrato de trabalho por tempo determinado já se tem uma data definida para o seu término.

Entretanto, existem decisões concedendo a mesma estabilidade provisória de emprego ao acidentado nos contratos por prazo determinado.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

11

  • 0

    Silviane Bellato

    Boa noite, por gentileza, tenho um beneficio 94 auxilio acidentário desde 17/09/1996 e na minha carteira de trabalho consta um carimbo que o beneficio concedido foi de 40% do meu salário na época 471,00. Ou seja na época o salário mínimo era de 112,00 então eu recebia um pouco mais de um salário mínimo e meio, quase dois. Atualmente recebo menos de 1 salário mínimo. Gostaria de saber se tenho direito a revisão, visto que o valor que eu recebi durantes muito tempo era superior a um salário mínimo, eram quase dois, e hoje não alcanço nem 1. Por que abaixou o valor? Não teria que ter sido corrigido com o passar dos anos para não sofrer defasagem ? Obrigada;

Veja todos os comentários

Livraria