Este artigo relata a importância na preservação do local de crime para o trabalho da perícia na busca de vesígios e consequentemente na elucidação do fato delituoso.

Todo episódio, sendo ele, de natureza criminosa ou acidental, deixa vestígios no local. O desígnio da investigação imediata é traduzir adequadamente os fatos, reconstituir sua sucessão e compreender o evento. Em razão da transitoriedade e da natureza frágil dos elementos materiais, a sua credibilidade e a cautela perante a sua integridade física dependem muito das providências iniciais no local do delito.

Consideramos por local de crime a região do espaço em que aconteceu um delito.  Segundo Carlos Kehdy:

 “toda área onde tenha ocorrido qualquer fato que reclame as providências da polícia”.

A preservação de um local onde ocorreu um delito tem a finalidade de garantir a sua integridade, assim, verificar com êxito os vestígios que apontarão os primeiros elementos à investigação. Logo, deverá obedecer a uma preservação rigorosa para que sejam resguardadas as evidências, aí a necessidade de profissionais altamente qualificados, para dessa maneira, conectar os conhecimentos e presunções. Eraldo Rabello entende que:

 “Local de crime é a porção do espaço compreendida num raio que, tendo por origem o ponto no qual é constatado o fato, se estenda de modo a abranger todos os lugares em que, aparente, necessária ou presumivelmente, hajam sido praticados, pelo criminoso, ou criminosos, os atos materiais, preliminares ou posteriores, à consumação do delito, e com este diretamente relacionados.”

É importante enfatizar que a ação primordial que o primeiro agente de segurança pública deve realizar ao chegar ao local do crime, existindo vítima, é a de tomar ciência se é necessário prestar socorro a uma eventual vítima que ainda se encontra com vida. Caso não haja a necessidade de prestar ajuda a vítima, deverá isolar o local do delito até a chegada da polícia judiciária, que será incumbida das providências legais. Dessa forma, nota-se a importância dos procedimentos para preservar e isolar do local de crime, buscando uma maior precisão dos fatos e vestígios que culminará em uma análise pericial mais eficiente e segura.

No local do crime, a perícia verificará todos os vestígios inseridos na cena delituosa, com o intuito de elucidar a dinâmica do crime, auxiliando de maneira efetiva para o processo judicial ser concluído seguramente. E, no que abrange o começo dos trabalhos de exame do local do delito, vários profissionais estão associados, como: o policial militar, sendo que, é quase sempre o primeiro a apresentar-se ao local, o auxiliar de necropsia, o perito criminal, o médico legista, o agente de polícia, o escrivão, e o delegado de polícia, que preside toda a investigação, através do inquérito policial.

A preservação do local de crime mediante seu isolamento e demais cuidados com os vestígios é uma garantia de que o perito encontrará a cena do crime condizente com o que ocorreu de fato, devido à ação do infrator, assim, como pela vítima, tendo com isso, a possibilidade de analisar todos os vestígios seguramente. Segundo defende a perita criminal BARACAT (2008):

“[...] a preservação dos vestígios deixados pelo fato, em tese delituosa, exige a conscientização dos profissionais da segurança pública e de toda a sociedade de que a alteração no estado das coisas sem a devida autorização legal do responsável pela coordenação dos trabalhos no local pode prejudicar a investigação policial e, consequentemente, a realização da justiça, visto que os peritos criminais analisam e interpretam os indícios materiais na forma como foram encontrados no local da ocorrência.”

Portanto, o local de crime preservado adequadamente fornece elementos imprescindíveis para a determinação do que ocorreu e qual a possível autoria associada ao delito. Entretanto, caso a cena do delito não seja conservada, poderá coadjuvar com a absolvição de delinquentes devido a possível violação ou desaparecimento dos vestígios, não apresentando assim a consistência probatória requerida. A consciência dessa preservação deve ser implantada nos profissionais que atuam na cena de crime para elucidar os fatos. Mas, igualmente, deve instruir a população, que inúmeras vezes cercam esses locais e dificultam o trabalho de isolamento, e consequentemente tornam ineficientes as análises dos locais de crime.

Referências

BARACAT, Claudine de Campos. A padronização de procedimentos em local de crime e de sinistro– sua importância e normatização. Disponível em: http://www.seguranca.mt.gov.br/politec/3c. Acesso: 18 ago. 2014.

DIAS, Fábio Coelho. A Importância da Perícia no Direito Processual Penal Brasileiro: a eficácia da prova pericial na fase processual. Florianópolis, 2009. Monografia (Especialização “latu sensu” em Direito Penal e Direito Processual Penal), ESMPSC/UNIVALI.

RABELLO, Eraldo. Curso de criminalística. Porto Alegre: Sagra Luzzatto, 1996.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria