Apesar de muitos acreditarem que vivem sob um regime capitalista já ingressamos numa nova fase civilizatória.

O erro dos críticos do neoliberalismo é desprezar um fato fundamental. No fundo este pseudo sistema econômico é apenas uma espécie de ultra-patrimonialismo em que o interesse público passa a ser identificado com os interesses privados daqueles que controlam serviços prestados ao público sem concorrência e com preço cartelizado (agua, energia e transporte público), fabricam e fornecem armamentos sofisticados ao Estado e daqueles que são financeiramente capazes de pressionar o câmbio para forçar Estados a torrar suas reservas financeiras a fim de estabilizar sua moeda enquanto os especuladores lucram.

Sob o neoliberalismo interesses se cristalizam e o capitalismo como foi conhecido (um sistema econômico que privilegia a concorrencia, garante o respeito à cidadania mediante impostos e etc) deixa de existir e um neo-feudalismo se torna realidade. Isto explica, por exemplo, a ligação nada casual entre neoliberais e fanáticos cristãos especialmente nos EUA. Os últimos justificam e fomentam as guerras americanas cuja única finalidade é capturar os corações e mentes de uma população cada vez mais desprovida de direitos políticos e sociais para que, em nome do nacionalismo ou da religião, uma parcela dos norte-americanos possa apertar ou esmagar as bolas dos descontentes enquanto os novos Barões lucram cada vez mais em feudos virtuais com territórios difusos que avançam mais e mais para dentro do orçamento estatal.

Durante a Idade Média não havia produção de riqueza capaz de satisfazer as necessidades da maioria dos europeus. O poder derivava do controle da terra, a produção agrícola era local e sofria com as intempéries e as guerras constantes, as estradas eram poucas, os meios de transporte limitados, o comércio e a usura (atividade bancária) eram desestimulados pelos teólogos e clérigos até o século XIII. Naquele contexto a moeda (se é que se pode falar em moeda como a conhecemos) tinha pouca importancia e geralmente era cunhada, como assevera Jacques Le Goff, para permitir aos reis e barões pagar seus soldados e possibilitar aos remediados fazer algumas transações e, principalmente, distribuir esmolas. A caridade era então estimulada e praticada pela Igreja e ajudava a minimizar o sofrimento dos miseráveis.

No neo-feudalismo ultra-patrimonialista a mecanização da agricultura, a informatização bancária e industrial, o desenvolvimento da logística e a existência de diversos meios de transporte que possibilitaram a globalização, o desenvolvimento constante de novos materiais, métodos de produção e matérias primas, permitira a supressão da carência da esmagadora maioria dos seres humanos. E no entanto enquanto uns poucos bilionários e trilhonários se elevam ao espaço por prazer (literalmente), centenas de milhões de seres humanos passam fome na África e dezenas de milhões de europeus e norte-americnaos afundam na pobreza nos países mais ricos do planeta. Nos EUA há mais casas vazias do que gente morando em barracos e nas ruas. Mas lá na terra do Tio Sam o sofrimento intenso não desperta qualquer empatia, os direitos sociais são reduzidos e a caridade é desestimulada (em alguns locais foi criminalizada) porque nas últimas décadas começou a ser mais e mais identificada ao comunismo e ao anti-americanismo pelos ricos e ultra-conservadores.

Os arautos do neo-feudalismo no Brasil, geralmente remediados ou extremamente ricos, atacam diáriamente e de maneira virulenta o Bolsa Família. Desejam sadicamente empurrar para a miséria aqueles que agora tem pouco (e que antes nada tinham). Vivemos, pois, num mundo doente como diz uma bela música. Nos EUA a civilização ocidental não está só doente, está agonizando. Em algum momento a imensa pústula purulenta que vem sendo alimentada de bolha econômica em bolha econômica e que cresce a cada crise cíclica em algum momento futuro vai explodir na cara da elite norte-americana. Pequena perda, diremos.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria