Ser curioso ou não ser, eis a questão?

12 de Outubro, feriado, data da padroeira do Brasil Nossa Senhora, também data em que comemoramos o dia das crianças.

Dia das crianças, uma data comercial, sem sombra de dúvidas.

Mas, a reflexão que faço é sobre a nossa criança interior. Aquela criança que nunca deixará de ser nós mesmos em constante evolução.

Qual a característica comum a todas as crianças:Curiosidade e não ter medo.

Criança não tem medo do ridículo, ela se suja e está feliz.

Criança é curiosa, fuça no computador até trancar tudo e continua feliz.

Criança é persistente, continua tentando até conseguir o doce que tanto quer que você compre no mercado, mesmo que seja chorando, brigando, implorando.

Enfim, o dia das crianças tem muito a nos ensinar.

A criança nos ensina que não ter medo é algo positivo. Temos que cuidar a marca jurídica, contudo, não podemos ter medo de demonstrar nosso conhecimento, medo de investir, medo de crescer. O que move o mundo é a iniciativa e não o medo.

A criança nos ensina que a curiosidade é fundamental para que possamos estar sempre em constante aprendizado, buscando novidades, estando a par e na frente da tecnologia, enfim, vivendo o mundo om tudo que ele nos oferece e não apenas como alguém dos anos 90 que vive nos anos 2000 como um deslocado da realidade atual.

A criança insiste que mesmo que ela tenha que usar meios que sejam não louváveis (chorar, implorar, pedir, etc) ela não desiste, ela insiste. Até quando você insiste? Até quando você busca aquilo que sonha?

Em resumo:

Seja persistente!

Inove!

Crie!

Viva!

E seja feliz!

Muito sucesso e que a criança interior seja sempre viva na parte criativa e salutar da sua existência!!!


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria