Asas ou gaiolas? O que sois, professor?

Todos sabemos que ser professor no Brasil é mais que uma escolha ou vocação, é um verdadeiro exercício de paciência, vontade e idealismo.

Além desta realidade difícil de ser mudada, ensinar tornou-se um verbo de compra de notas, onde o sucesso é um 10 e que dá pra passar um 6 ou 7.

Simples assim, alunos medidos como se fossem quilos de mercadoria com valores anotados em cima de provas objetivas – mais fáceis de corrigir – ou subjetivas com palavras prontas.

Sem tirar o mérito dos professores, contudo, educar é mais do que apenas ensinar, educar é mostrar o caminho de onde se seguir e compreender que para evoluir a pessoa necessita pensar, criticar, ver o mundo da sua forma e concluir com raciocínio lógico e conforme as suas verdades.

Certo e errado? Hein? Quem disse que isto existe? Existe moral, ética, valores cultuados que dependendo do lugar serão aceitos ou não.

Alguém lembra que na China comer cães e cria-los para morrer é natural? Aqui é uma aberração. Aqui é certo e lá errado? Eles dirão o contrário.

Educar é dar condições do pensar e quem sabe um dia o livre pensar.

Como já afirmou o Gen. Osório: “Fácil é a missão de comandar homens livres, basta lhes mostrar o caminho do dever”.

Quisera que a educação tivesse esta realidade, onde o pensar fosse valorizado e não uma decoreba de fórmulas e datas e quiçá conceitos – se é que podemos assim chamar – de matérias para um vestibular, uma faculdade, uma profissão.

Quisera que todas as escolas fossem asas, como no conceito de Rubem Alves:

Há escolas que são gaiolas e há escolas que são asas.

Escolas que são gaiolas existem para que os pássaros desaprendam a arte do vôo. Pássaros engaiolados são pássaros sob controle. Engaiolados, o seu dono pode levá-los para onde quiser. Pássaros engaiolados sempre têm um dono. Deixaram de ser pássaros. Porque a essência dos pássaros é o vôo.

Escolas que são asas não amam pássaros engaiolados. O que elas amam são pássaros em vôo. Existem para dar aos pássaros coragem para voar. Ensinar o vôo, isso elas não podem fazer, porque o vôo já nasce dentro dos pássaros. O vôo não pode ser ensinado. Só pode ser encorajado.

Sejamos a mola propulsora dos vôos por aí e não gaiolas de conhecimento que aprisionam os outros em verdades ditas como únicas, em um universo sequer sabe se é plano ou curvo ainda…

#Ficaareflexão neste dia tão importante como o dia do professor!


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria