O presente trabalho tem por finalidade tratar a revogação do testamento como direito pleno do testador.

Introdução

Segundo o artigo 1.858 do Código Civil é característica fundamental do testamento ser revogável. Podendo o testador alterar e revogar o ato a qualquer tempo desde que seja sua vontade, sem nenhuma necessidade de que seja justificado o motivo de sua decisão. Nula será a cláusula que declare o testamento irrevogável, ou não alterável, pois a liberdade de testar é de ordem pública e não admite limitações. Há, no entanto, uma exceção: Poderá ser irrevogável o testamento quando o testador reconhecer filho havido fora do casamento artigo 1.609.

Esse capítulo específico preocupa-se com a revogação ou até mesmo alteração feita pelo testador no testamento. Deste modo, determina o dispõe o art. 1.969 do Código Civil, o testamento “pode ser revogado peio mesmo modo e forma como pode ser feito”.

O Testamento

O testamento feito posteriormente não terá necessariamente a mesma forma do que está sendo revogado. Um testamento público tanto pode ser revogado por outro público como por um cerrado, particular, marítimo, aeronáutico ou militar, e vice-versa. Segundo o Professor Carlos Roberto Gonçalves “O importante é que o novo testamento seja válido. Não valerá a revogação se essa se valer por omissão ou infração de solenidades essenciais ou por vícios intrínsecos, como a incapacidade decorrente de alienação mental, por exemplo. Todavia, valerá se vier a caducar por exclusão, incapacidade, renúncia ou pré-morte do herdeiro nomeado ou por não ter cumprido a condição que lhe foi imposta (art. 1.971), pois o testamento caduco é originariamente válido e só não pode ser cumprido devido à falta do beneficiário ou da coisa, O testamento revogado não se restaura pelo simples fato de ter sido revogado também o que o revogou. Para que ocorra a repristinação das disposições revogadas é necessário que o novo testamento expressamente as declare restauradas.”

 Espécies de Revogação

A revogação pode ser total ou parcial. Ela será total quando afasta por inteira a eficácia do testamento; parcial, quando atinge somente algumas cláusulas, permanecendo as demais, previstas no artigo 1.970 e parágrafo único. Quanto à forma utilizada, pode ser expressa ou tácita. Expressa é a que resulta de declaração clara do testador manifestada em novo testamento. Não se admite outra forma, como escritura pública ou outro ato autêntico.

A revogação pode também ser tácita: a) quando não declarando que revoga o anterior, mas há incompatibilidade entre o conteúdo do antigo e do novo testamento. b) em caso de abertura do testamento cerrado, pelo testador, ou por outrem, com o seu consentimento, O art. 1.972 diz que, neste caso, “haver-se-á como revogado”. Entretanto, não se tem por revogado o testamento se foi aberto por terceiro em razão de mero descuido. Em princípio, estando aberto ou dilacerado o testamento cerrado, o juiz deve considerá-lo revogado, salvo se os interessados demonstrarem, de forma convincente, que a abertura ou dilaceração foi feita contra a vontade do testador, ou por terceiro, acidental ou dolosamente.

Rompimento do Testamento

No caso de aparecer descendente que não era de conhecimento do testador, rompe-se o testamento em todas as suas disposições, se esse descendente sobreviver ao testador. Rompe-se também o testamento feito na ignorância de existirem outros herdeiros necessários. Ocorre o rompimento do testamento por determinação legal, na presunção de que o testador não teria disposto de seus bens em testamento se soubesse da existência de algum herdeiro necessário.

Não se rompe o testamento, se o testador dispuser da sua metade, não contemplando os herdeiros necessários de cuja existência saiba, ou quando os exclua dessa parte.

Conclusão

Para concluirmos, é de suma importância destacar a validade da revogação.

Como foi considerado anteriormente, a revogação do testamento é um ato pelo qual o testador manifesta a sua vontade de torná-lo ineficaz.

A revogabilidade faz parte de sua essência, sendo direito do testador a faculdade de, sempre que desejar, revogá-lo e pode fazê-lo pelo mesmo modo e forma como pode testar.

Exceção: não se pode revogar o reconhecimento de filho, permanecendo válida, em tal parte, a disposição testamentária do testamento revogado.

A revogação do testamento pode ser total ou parcial.

Validade da revogação procedida em testamento: A revogação produzirá seus efeitos, ainda quando o testamento, que a encerra, vier a caducar por exclusão, incapacidade ou renúncia do herdeiro; não valerá, se o testamento revogatório for anulado por omissão ou infração de solenidades essenciais ou por vícios intrínsecos.

Revogação presumida: O testamento cerrado que o testador abrir ou dilacerar, ou for aberto ou dilacerado com seu consentimento, será revogado.

Revogação do testamento revogatório – no Brasil não temos a repristinação automática, pelo que, a revogação do ato revogatório não restabelece de pronto, o testamento primitivo. Para que seja ele restaurado necessita de disposição expressa em tal sentido no último testamento.

Referências bibliográficas

- DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro. 19ª ed. São Paulo: Saraiva, 2005. vol. 6.

- GOLÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro. 8ª Ed. São Paulo: Saraiva, 2014. Vol. 7.

- RODRIGUES, Silvio. Direito civil: direito das sucessões. 26ª ed. atual. por Zeno Veloso. São Paulo: Saraiva, 2006. vol. 7.

- MAXIMILIANO, Carlos. Direito das sucessões. 2ª ed. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1942. v. I e III.

- MONTEIRO, Washington de Barros. Curso de direito civil. 35ª ed. Atualização de Ana Cristina de Barros Monteiro França Pinto. São Paulo: Saraiva, 2003. V. 6; 37 ª ed. Atualizada por Regina Beatriz Tavares da Silva, 2004. V. 2.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria