Mandar é respirar #DepartamentoAsQuintas

Uma verdade que parece absoluta nos dias de hoje: Dar ordens é tão fácil quanto respirar.

Já não se questiona mais o porque, os objetivos, os reais motivos, a necessidade ou mesmo o destino daquela ação, o que importa é que possamos dar ordens a outras pessoas para que sejam cumpridas.

Manda quem pode, obedece quem tem juízo já diz o ditado.

Assim que realmente evoluímos numa empresa? Com discursos de demissão, chefia e unicamente de medo?

Liderança então, nem pensar?

Alberto Camus já nos brindou com o título deste artigo:

Mandar É Respirar

Mandar é respirar, não é desta opinião? E até os mais deserdados chegam a respirar. O último na escala social tem ainda o cônjuge ou o filho. Se é celibatário, um cão. O essencial, em resumo, é uma pessoa poder se zangar sem que outrem tenha o direito de responder. «Ao pai não se responde», conhece a fórmula? Em certo sentido, ela é singular. A quem se responderia neste mundo senão a quem se ama? Por outro lado, ela é convincente. É preciso que alguém tenha a última palavra. Senão, a toda a razão pode se opor outra: nunca mais se acabava. A força, pelo contrário, resolve tudo. Levou tempo, mas conseguimos compreender isso. Por exemplo, deve ter notado, a nossa velha Europa filosofa, enfim, da melhor maneira. Já não dizemos, como nos tempos ingênuos: «Eu penso assim. Quais são as suas objeções?» Nos tornamos lúcidos. Substituímos o diálogo pelo comunicado. 

(Albert Camus)

Somente a opinião daquele que hoje organiza, chefia, lidera a empresa vale?

Ninguém pode pensar diferente, tentar criar algo diferente?

A história mostra que somente na inovação, na crítica e na vinda de novas ideias é que o sucesso se tornou permanente.

Nada é eterno, mas para manutenção do negócio é essencial o bom debate e a diversidade de ideias e opiniões.

Quer crescer?

Pare um pouco de mandar e escute antes da próxima regra ser determinada.

#PodeFazeraDiferença


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria