Pretende-se com o presente trabalho investigar qual deve ser a conduta do juiz em duas situações envolvendo questões controvertidas sobre os meios de prova em espécie.

1. INTRODUÇÃO

Pretende-se com o presente trabalho investigar qual deve ser a conduta do juiz em duas situações envolvendo questões controvertidas sobre os meios de prova em espécie: confissão do representante em nome do incapaz, inclusive com a ratificação deste, e recusa injustificada da parte em se submeter à inspeção judicial.  

2. DESENVOLVIMENTO

Nos termos dos artigos 348 e seguintes do Código de Processo Civil, a confissão, que pode ser judicial ou extrajudicial, consiste na admissão, por quaisquer das partes, da veracidade de um fato contrário ao seu interesse e favorável ao de seu adversário.

Não obstante consista em robusto meio de prova, não impõe ao juiz o julgamento pela procedência do pedido, pois se trata apenas do reconhecimento acerca da veracidade de um fato e isto não necessariamente conduz ao acatamento da pretensão. Ademais, ante ao princípio do livre convencimento motivado, pode o juiz simplesmente afastá-la. Nesse sentido, confira-se:

A confissão é apenas a afirmação de que determinado fato ocorreu de certa forma. Diante dela, para as partes há a verdade, razão porque não podem produzir outras provas sobre o fato confessado. Para o juiz, contudo, a vinculação a essa verdade das partes apenas ocorrerá se outros meios de prova existentes nos autos não infirmarem essa conclusão lógica[1]

A confissão é ato que somente pode ser praticado pela parte. Contudo, admite-se, mediante a outorga de procuração com poderes especiais, que o mandatário confesse, desde que seja por ato escrito – petição nos autos, no caso de confissão judicial, ou instrumento público ou particular, no caso de confissão extrajudicial. Não pode, assim, ser realizada mediante depoimento pessoal do mandatário.

Segundo a regra contida no art. 213 do Código Civil, para que a confissão produza efeitos, deve a parte ser capaz de dispor do direito a que se referem os fatos confessados. Inclusive, tal exigência sempre foi tida pela doutrina como elemento subjetivo da confissão, uma vez que apenas o capaz pode praticar validamente atos de disposição processual.

Assim, para que a confissão tenha validade, há necessidade de que o confitente tenha capacidade civil, ou seja, não é válida a confissão feita por menor ou incapaz, ainda que representado ou assistido pelo responsável legal (pais, tutor ou curador).

Quanto à inspeção judicial, esta se dirige a pessoas ou coisas e consiste em poder-dever do juiz com o objetivo de esclarecer determinado fato.

Prescreve o art. art. 340, inciso II, do Código de Processo Civil que é dever da parte submeter-se à inspeção judicial, que for julgada necessária, sob pena de lhe ser aplicada sanção por litigância de má-fé ou por descumprimento de ordem judicial, além de poder ser a recusa considerada um indício para a presunção judicial de veracidade do fato que se pretende provar.

Como todo poder, a inspeção judicial encontra limites. Assim, se lhe aplicam as regras previstas no art. 363 do Código de Processo Civil que excluem da parte o dever de exibir documento ou outra coisa.

3. CONCLUSÃO

Desse modo, a conduta do juiz da causa quando o representante confessa pelo incapaz deve ser a declaração de nulidade da confissão, ainda que este ratifique tal ato, pois se não detém capacidade para confessar, do mesmo modo não terá capacidade para ratifica-la.

Isso não significa, todavia, que se trata de ato desprovido de qualquer efeito processual, sendo válida como elemento probatório apto à formação do livre convencimento motivado do juiz. Ou seja, não acarreta o desentranhamento dos autos, como no caso das provas ilícitas. Nesse sentido, confira-se a doutrina de Daniel Amorim Assumpção Neves:

Ainda que não se trate de confissão, a declaração da parte continua a ser valorada pelo juiz, como prova atípica. Será ineficaz como confissão, mas não inválida como prova, sendo por esse motivo permitido ao juiz levar em conta o ato praticado pela parte na formação de seu convencimento[2].

Enfim, o juiz deve declarar a confissão inválida, ficando livre, todavia, para cotejar as alegações declinadas pelo mandatário com as demais provas para formar o seu convencimento.

Quanto à negativa injustificada de sujeição à inspeção judicial, deve o juiz interpretar tal recusa como indício ou até mesmo presunção relativa de veracidade do fato a ser provado. Não se trata, portanto, de presunção absoluta, pois esta dependeria prescrição em lei.

4. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

REIS, André Wagner Melgaço e SABAGE, Fabrício Muniz. Confissão no processo civil. Disponível em: http://jus.com.br/artigos/2517/confissao-no-processo-civil. Acesso em maio de 2014.

MARINONI, Luiz Guilherme. Processo de Conhecimento. 7.ed.rev.e atual. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2008.

LOVATO, Luiz Gustavo. Código de Processo Civil Comentado: Do depoimento pessoal e da confissão segundo o Código de Processo Civil – arts. 342 a 354. Disponível em: http://www.lovatoeport.com.br/Artigos/CPC%20COMENTADO%20-%20arts.%20342%20a%20354.pdf. Acesso em maio de 2014.

NEVES, Daniel Amorim Assumpção. Manual de Direito Processual Civil. Volume Único – 2ª Edição. Editora Forense. 2011.

JUNIOR, Fredie Didier. Curso de Direito Processual Civil. Volume 2.  7a ed.: Rev., amp. e atualizada. Salvador: Juspodivm, 2012.


[1] MARINONI, Luiz Guilherme. Processo de Conhecimento. 7.ed.rev.e atual. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2008. p.319.

[2] NEVES,Daniel Amorim Assumpção. Manual de Direito Processual Civil. Volume Único – 2ª Edição. Editora Forense.2011.p.439



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria