O princípio da legalidade no direito tributário brasileiro, figura uma das mais importantes limitações constitucionais ao poder de tributar, garantindo ao contribuinte a existência de uma lei para criar e cobrar o tributo, impedindo abusos de poder.

INTRODUÇÃO

               O princípio da legalidade no direito tributário é de suma importância, haja vista que o constituinte reservou nesse seara do direito um dispositivo especial no artigo 150, I da CF/88. Com a origem desse princípio o contribuinte passou a sentir mais segurança na imputação de uma obrigação tributária, já que rege esse princípio a existência de uma lei para criar e cobrar o tributo, impedindo abusos por partes das autoridades. É portanto visível a sua importância, vez que encontra-se assegurado no capítulo dos direitos e garantias fundamentais da Constituição Federal de 1988, especificamente em seu artigo 5°, II.

O PRINCÍPIO DA LEGALIDADE NO DIREITO TRIBUTÁRIO

           

 “ [...] a origem desse princípio, de natureza nitidamente política, está ligada a luta dos povos contra a tributação não consentida, desde a Idade Média [...]”. (HARADA ,2010, p. 359).

Artigo 150 CF/88

“ Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos municípios:

I-  Exigir ou aumentar tributo sem lei que o estabeleça; ”

            Atualmente, cumpre ressaltar que princípio da legalidade tributária não consiste apenas  numa vedação de instituição ou majoração do tributo com ausência de uma lei que a anteceda, hoje esse princípio é considerado mais abrangente, uma vez que o artigo 97 do Código Tributário Nacional, preside a política de incentivos fiscais, a revogação e a concessão de isenção, de aninstia e de remissão.

Importante ressaltar, que a forma de cobrar os tributos, deve ser feita por uma administração plenamente vinculada.

PRINCÍPIO DA LEGALIDADE E SUA EXCEÇÕES

            A lei ordinária, no direito tributário, tem a função de criar ou majorar tributos, sendo as medidas provisórias, a emendas constitucionais e a lei delegada amparo a legislação tributária, mas que não podem ser consideradas como os principais meios legislativos de criação de tributos.

A Constituição Federal traz algumas exceções:

Primeira:

 Art. 153 §1. “ é facultado ao Poder Executivo, atendidas as condições e os limites estabelecidos em lei, alterar as aliquotas dos impostos enumerados nos incisos I, II, IV e V.”

Segunda:

Art. 155, IV. “ as aliquotas do imposto serão definidas mediante deliberação dos Estados e Distrito Federal, nos termos do §2°, XII,g, observando-se o seguinte;( incluido pela Emenda Constitucioal N° 33, de 2001)”.

Terceira:

Art. 177. §4, I,b. “reduzida e estabelecida por ato do Poder Executivo, não se lhe aplicando o disposto no art. 150.III,b; (incluído pela Emenda Constitucional N/ 33, de 2001)”.

Quarta:

Art. 97 §2° do CTN. “ Não constitui majoração de tributo, para os fins do disposto no inciso II deste artigo, a atualização do valor monetário da respectiva base de cálculo”.

Segundo ALEXANDRE (2012, p. 83),

“ [...] outro ponto de importância é que, apesr de o princípio da legalidade não possuir exceções quanto à criação de tributos, contempas-as, todavia, para sua majoração. No texto originário da Constituição Federal 1988 eram previstas apenas quatro exceções, quais sejam a possibilidade de alteração, dentro dos limites legais, das alíquotas dos impostos de importação (II),  de exportação (IE), sobre produtos industrializados (IPI) e sobre operações financeiras (IOF).

É importante o entendimento das limitações ao poder de tributar devem se tornar de fácil compreensão. Como já dito inicialmente, os princípios são fundamentais para o nosso ordenamento, assim, entender bem um princípio e sua exceções é de suma importância para evitar injustiças e danos ao contribuinte.

REFERENCIAL BIBLIOGRÁFICO

HARADA, Kiyoshi. Direito financeiro e tributário. 19ª ed. São Paulo: Atlas, 2010.

COÊLHO, Sacha Calmon Navarro. Curso de direito tributário brasileiro. 10ª ed. Rio de Janeiro: Foresnse, 2009.

ALEXANDRE, Ricardo. Direito tributário esquematizado. 6ª ed. rev. e atual. Rio de Janeiro: Forense; São Paulo: MÉODO, 2012.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria