Este artigo tem por objetivo discorrer sobre as pessoas que são excluídas da sucessão por serem consideradas indignas para receber a herança.

Sumário: 1. Introdução, 2. Os excluídos da Sucessão por Indignidade, 3. Ação Declaratória de Indignidade, 4. Conclusão.

1. INTRODUÇÃO

De acordo com o artigo 1.798 Do Código Civil Brasileiro, “Legitimam-se a suceder as pessoas nascidas ou já concebidas no momento da abertura da sucessão”, assim fica definido, para o Direito Sucessório, que só as pessoas vivas ou já concebidas possuem vocação hereditária, ou seja, possibilidade para herdar, para receber a herança. Desta forma, o assunto abordado trata de pessoas com plena capacidade e vontade de receber a herança, porém foram excluídas, por terem praticado crimes dolosos contra a vida, honra ou a liberdade do autor da herança e seus herdeiros necessários, também se inclui o companheiro (a).

2. OS EXCLUÍDOS DA SUCESSÃO

Em alguns casos, apesar de possuir vocação hereditária, alguns herdeiros podem ser excluídos da sucessão. É o que ocorre se na Indignidade.

Para ser considerado indigno para herdar, o sucessor deve incorrer em um ato tido como reprovável para o Direito Sucessório. Assim, é necessário que pratique um ato doloso contra: a vida do autor da herança, de seu cônjuge, companheiro, descendente ou ascendente; sua honra, de seu cônjuge ou companheiro, ou, ainda, contra a liberdade do autor da herança.

O artigo 1.814 do Código Civil Brasileiro regulamenta este tema: “São excluídos da sucessão os herdeiros ou legatários:

  • Que houverem sido autores, co autores ou partícipes de homicídio doloso, ou tentativa deste, contra a pessoa de cuja sucessão se tratar, seu cônjuge, companheiro, ascendente ou descendente;
  • Que houverem acusado caluniosamente em juízo o autor da herança ou incorrerem em crime contra sua honra, ou de seu cônjuge ou companheiro;
  • “Que, por violência ou meios fraudulentos, inibirem ou obstarem o autor da herança de dispor livremente de seus bens por ato de última vontade”

Praticar ato doloso contra a vida significa praticar o crime de homicídio na modalidade dolosa, previsto no artigo 121 do Código Penal Brasileiro. Podendo ser ainda, na modalidade tentada. Praticar ato contra a honra significa praticar os crimes previstos nos artigos 138, 139 e 140 do Código Penal Brasileiro; Calúnia, Difamação e Injúria, respectivamente. Praticar ato contra a liberdade do autor da herança incorre nos crimes que o privem de exercer a liberdade, previstos nos artigos 146 a 149 do Código Penal Brasileiro. É necessário, na prática de qualquer destes atos, que o herdeiro aja como autor, co-autor ou partícipe.

3. AÇÃO DECLARATÓRIA DE INDIGNIDADE

De acordo com o artigo 1.815 do Código Civil Brasileiro, “A exclusão do herdeiro ou legatário, em qualquer desses casos de indignidade, será declarada por sentença.” Trata-se, portanto, de uma ação, chamada Ação Declaratória de Indignidade, que deve ser ajuizada na justiça cível, sendo necessário seu trânsito em julgado, declarando a indignidade. São legitimados ativos para promover esta ação os coerdeiros, legatários, donatário e os credores prejudicados. O parágrafo único deste mesmo artigo anuncia que prescreve em 04 anos, contados da abertura da sucessão, o direito de mover esta ação declaratória.

É importante dizer, que até o trânsito em julgado da sentença desta ação, a pessoa em questão ainda pode suceder.  A sentença no juízo cível gera a perda ao direito patrimonial em questão. No juízo penal irá transitar a ação criminal. Se for julgado inocente neste, após o trânsito em julgado no cível, poderá entrar com ação rescisória para voltar a ser herdeiro.

Ressalta-se que por ser considerada uma sanção, seus efeitos são pessoais, conforme preceitua o artigo 1.816 “São pessoais os efeitos da exclusão; os descendentes do herdeiro excluído sucedem, como se ele morto fosse antes da abertura da sucessão. Parágrafo único. O excluído da sucessão não terá direito ao usufruto ouà administração dos bens que a seus sucessores couberem na herança, nem à sucessão eventual desses bens.”

Ainda, nos termos do artigo 1.818 é possível que o excluído possa suceder, se a vitima tiver expressamente o reabilitado em testamento, ou em outro ato autêntico. Em não havendo esta reabilitação expressa, e o ofendido, ao testar, já conhecia a causa de indignidade, poderá o indigno suceder, dentro dos limites da disposição testamentária.

Um dos casos mais conhecidos sobre este tema é o caso de Suzane Von Richthofen, jovem que ficou conhecida por matar os pais, com a ajuda dos irmãos Cravinhos, na cidade de São Paulo, na data de 31 de Outubro de 2002. Os advogados de Suzane chegaram a afirmar que ela não tinha a intenção de ficar com a herança dos Richthofen, avaliada na época em 11 milhões de reais. A jovem tentou fazer um acordo com seu irmão para que ele não tentasse excluí-la da sucessão, porém Andreas Von Richthofen não aceitou a proposta e acionou o Poder Judiciário, para que a irmã fosse declarada indigna e excluída da sucessão.

4. CONCLUSÃO

O tema abordado é bastante relevante, ainda mais se levarmos em consideração a moral e a ética presentes em torno do Direito Sucessório. O legislador cuidou de propiciar ao autor da herança e seus herdeiros, a escolha entre ter direito a herdar ou não a quem praticou um crime contra ele(s). Trata-se, fazer valer principalmente o que moralmente e legalmente é condenado.

5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Bibliografia: Gonçalvez, Carlos Alberto. Direito Civil Brasileiro. Vol.7 Direito de Sucessões. Editora Saraiva, 2011;

Venosa, Sílvio de Salvo. Direito Civil. Vol. 7 Direito de Sucessões. Editora Atlas, 2010. 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria