Crônica: Pontuação

Nossa existência é uma pontuação completa.

Existem pontos, que podem ou não ser finais, podendo gerar outros parágrafos e tais.

Existem vírgulas, que podem nos dar a necessária pausa e a justa, pois as vezes um ponto e virgula é muito tempo.

Existem exclamações e interrogações na nossa vida. Algumas que levaremos para o além túmulo, não importa aonde seja isto.

Encontramos pessoas aspas, que vivem o tempo todo nas palavras e atitudes de outras pessoas.

Algumas são asteriscos, um verdadeiro destaque a nossa própria essência.

Outras ainda são diferenciais (#), se tornando trending topics na nossa caminhada.

E para tudo isto não podemos esquecer àquelas que somam ou diminuem e àquelas que pela sua simples presença se traduzem na igualdade e paz do nosso coração.

Nossa, que diferença quando percebemos a pontuação na nossa vida.

E na sua vida, como anda a pontuação?

Apenas números de metas, produtividade e resultados?

E a pontuação que define o tempo entre um resultado e outro, entre uma medição e outra?

E a vírgula do café, antes da exclamação da reunião para deixar os dois pontos sem fôlego para introduzir o traço e afirmar que tudo deu certo na sua vida em primeiro lugar?

Jamais estaremos desassociados da pontuação da nossa existência para a pontuação mecânica, nem sempre justa e perfeita dos negócios.

E sendo assim, como vai ser?

Um ponto e virgula, uma exclamação, quiçá interrogação?

Ou seremos eternamente reticências de uma vida que vaga sem rumo e nem eira nem beira?

Hein?

Pergunta não é pontuação, então trate de encontrar o seu ponto, antes que o ponto final chegue com o famoso e – nem tão formoso e bem quisto – fim.

Datado e traçado no oriente de Porto Alegre, num lugar desconhecido por muitos e por mim amplamente visitado, onde as marés vem e vão, onde visito o meu interior com profundidade e freqüência – e porque não destacar eloquência – com um objetivo certeiro como uma interjeição: Encontrar-me, pois não.

Nesta eterna busca já encontrei um nome, sou Gustavo Rocha Rodrigues Giraldello, vulgo Gustavo Rocha, um aprendiz da arte da vida em profunda cognição cognitiva.

E tu, cara pálida? Há pontuação que te defina?


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria