O presente trabalho abordará o conceito e características peculiares da Contribuição de Melhorias. Esta contribuição surge como alternativa da administração pública para repor aos cofres públicos valores empregados na realização de obras públicas.

1 Breve Histórico:

No século XX a contribuição de melhoria já estava sendo utilizada em quase todos os países, e neste mesmo século a nossa Carta Magna de 1934, mais precisamente em seu Art. 124 abordou o tema pela primeira vez. Em 1966 publicou-se o Código Tributário nacional, o qual em seus Art. 81 e 82 tratou de abordar os limites tratados no texto constitucional. Em 1967, surge o Decreto Lei 195/1967, este tratou de detalhar os dois artigos previstos no CTN. Por fim, a Constituição da República Federativa do Brasil abordou o tema em seu Art. 143, III, porém de forma simplificada, sem mais detalhes.¹

Nota-se que com o passar do tempo foi vendo o quanto era vantajoso para a administração pública a realização de obras públicas e a cobrança junto aos beneficiados por estas, pois, se tinha como muito justo, trazer melhorias e em contrapartida cobrar valores dos beneficiados.

2 Conceito:

Para instituir um conceito base, vale citar o disposto no Art. 81 do CTN e Art. 1º do Decreto Lei 195/1967, vejamos:

“Art. 81. A contribuição de melhoria cobrada pela União, pelos Estados, pelo Distrito Federal ou pelos Municípios, no âmbito de suas respectivas atribuições, é instituída para fazer face ao custo de obras públicas de que decorra valorização imobiliária, tendo como limite total a despesa realizada e como limite individual o acréscimo de valor que da obra resultar para cada imóvel beneficiado.”

“Art. 1º A Contribuição de Melhoria, prevista na Constituição Federal tem como fato gerador o acréscimo do valor do imóvel localizado nas áreas beneficiadas direta ou indiretamente por obras públicas.”

Verifica-se que a base da cobrança dessa contribuição não é somente a realização da obra, esta tem que ser pública, além de gerar o benefício da valorização imobiliária, haja vista, os valores cobrados ao contribuinte incidirão sobre o montante valorizado, ou seja, é proporcional a valorização do imóvel, decorrida esta, da obra pública, porém o total não pode ultrapassar o gasto total da realização da obra pelo estado, é o que dispõe o Art. 4º e seus parágrafos no Dec. Lei 195/1967, in verbis:

“Art. 4º. A cobrança da Contribuição de Melhoria terá como limite o custo das obras, computadas as despesas de estudos, projetos, fiscalização, desapropriações, administração, execução e financiamento, inclusive prêmios de reembolso e outras de praxe em financiamento ou empréstimos e terá a sua expressão monetária atualizada na época do lançamento mediante aplicação de coeficientes de correção monetária.

        § 1º Serão incluídos nos orçamentos de custo das obras, todos investimentos necessários para que os benefícios delas decorrentes sejam integralmente alcançados pelos imóveis situados nas respectivas zonas de influência.

        § 2º A percentagem do custo real a ser cobrada mediante Contribuição de Melhoria será fixada tendo em vista a natureza da obra, os benefícios para os usuários, as atividades econômicas predominantes e o nível de desenvolvimento da região.”

3 Características peculiares:

Tal contribuição tem diversas características que vale a pena serem abordadas. A primeira é que a contribuição deverá ser instituída antes da obra começar, é o que dispõe o Art. 82, I e II do CTN, isso ocorre para que não seja apenas imposta tal cobrança. Os interessados poderão impugnar qualquer dos elementos a que se refere o inciso II. O inciso I trata dos requisitos mínimos para instituição da contribuição de melhoria.

“Art. 82. A lei relativa à contribuição de melhoria observará os seguintes requisitos mínimos:

I - publicação prévia dos seguintes elementos:

a) memorial descritivo do projeto;

b) orçamento do custo da obra;

c) determinação da parcela do custo da obra a ser financiada pela contribuição;

d) delimitação da zona beneficiada;

e) determinação do fator de absorção do benefício da valorização para toda a zona ou para cada uma das áreas diferenciadas, nela contidas;

II - fixação de prazo não inferior a 30 (trinta) dias, para impugnação pelos interessados, de qualquer dos elementos referidos no inciso anterior.”

Outra característica é relacionada ao fundamento jurídico para tal cobrança que é o enriquecimento sem causa do proprietário do imóvel, ora, o imóvel valoriza sem o proprietário empregar-se de nenhum meio para que isso ocorra, só às custas do estado. Logo, se ele não deu causa para tal valorização, nada mais justo que o estado cobrar por tal valorização, na medida dos gastos feito por ele e proporcionalmente a sua valorização.

Quanto à lista de obras que dispõe o Art. 2º do Decreto Lei em análise há uma discussão doutrinária quanto a taxatividade desta. Parte da doutrina entende que a lista em comento não é taxativa, mas exemplificativa, admitindo-se que outras obras possam ferir o incremento imobiliário justificador do gravame. A outra parte da doutrina, ainda que reconheça a dificuldade de se bem estabelecer, em lista taxativa, um rol de obras capazes de entronizar no patrimônio alheio a valorização imobiliária necessária ao fato gerador do tributo, entende ele que a presente lista desfruta de taxatividade². A seguir temos a lista de obras:

“Art. 2º Será devida a Contribuição de Melhoria, no caso de valorização de imóveis de propriedade privada, em virtude de qualquer das seguintes obras públicas:

        I - abertura, alargamento, pavimentação, iluminação, arborização, esgotos pluviais e outros melhoramentos de praças e vias públicas;

        II - construção e ampliação de parques, campos de desportos, pontes, túneis e viadutos;

        III - construção ou ampliação de sistemas de trânsito rápido inclusive todas as obras e edificações necessárias ao funcionamento do sistema;

        IV - serviços e obras de abastecimento de água potável, esgotos, instalações de redes elétricas, telefônicas, transportes e comunicações em geral ou de suprimento de gás, funiculares, ascensores e instalações de comodidade pública;

        V - proteção contra secas, inundações, erosão, ressacas, e de saneamento de drenagem em geral, diques, cais, desobstrução de barras, portos e canais, retificação e regularização de cursos d’água e irrigação;

        VI - construção de estradas de ferro e construção, pavimentação e melhoramento de estradas de rodagem;

        VII - construção de aeródromos e aeroportos e seus acessos;

        VIII - aterros e realizações de embelezamento em geral, inclusive desapropriações em desenvolvimento de plano de aspecto paisagístico.”

Quanto ao sujeito passivo, teremos o proprietário do imóvel, pois, se verificar, ele está ligado diretamente ao fato gerador da contribuição, e segundo o Art. 123 do CTN, não se pode mudar esse sujeito por convenções particulares:

“Art. 123. Salvo disposições de lei em contrário, as convenções particulares, relativas à responsabilidade pelo pagamento de tributos, não podem ser opostas à Fazenda Pública, para modificar a definição legal do sujeito passivo das obrigações tributárias correspondentes.”

 Por último, vale salientar que os valores correspondentes a este tributo serão pagos apenas após a conclusão da obra, ou seja, “a conclusão é condição para cobrança da exação”³, temos isto ao interpretar o Art. 9º, vejamos:

“Art. 9º Executada a obra de melhoramento na sua totalidade ou em parte suficiente para beneficiar determinados imóveis, de modo a justificar o início da cobrança da Contribuição de Melhoria, proceder-se-á ao lançamento referente a esses imóveis depois de publicado o respectivo demonstrativo de custos.”

4 Conclusão

Pelo descrito nos presentes capítulos, para evitar onerosidade aos cofres públicos a administração poderia realizar as obras, utilizando-se de tal contribuição de melhoria, assim não oneraria seus cofres, já que há previsão legal para cobrança de tais valores dos proprietários dos imóveis favorecidos pelas obras.

5 Referências Bibliográficas

[1] Sabbag, Eduardo. Manual de Direito Tributário, 4. ed. – São Paulo: Saraiva, 2012, p.448.

[2] Sabbag, Eduardo. Manual de Direito Tributário, 4. ed. – São Paulo: Saraiva, 2012, p.454.

[3] Sabbag, Eduardo. Manual de Direito Tributário, 4. ed. – São Paulo: Saraiva, 2012, p.455.


Autor

  • Iury Jim Barbosa Lobo

    Advogado inscrito na OAB/CE sob o nº 33153, militante na comarca de JUAZEIRO DO NORTE/CE e Região na área criminal; Formado em Direito pela Faculdade Paraíso do Ceará - FAP - Juazeiro do Norte/CE; Pós Graduando em Direito Penal e Criminologia pela Universidade Regional do Cariri - URCA - Crato/CE; Membro da Comissão de Direito Eleitoral da OAB/CE, Subsecção Juazeiro do Norte/CE (Triênio: 2016 - 2018); Membro da Comissão de Apoio ao Advogado em Início de Carreira da OAB/CE, Subsecção Juazeiro do Norte/CE (Triênio: 2016 - 2018).

    Textos publicados pelo autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria