Em suma pode-se dizer que as despesas públicas nada mais são do que a utilização de dinheiro do erário público para objetivos públicos. No Direito Tributário se diferencia tributo, imposto, taxa, contribuições, e empréstimo compulsório.

1 INTRODUÇÃO

Uma vez estabelecidas às propriedades que podem ser vistas mediante de decisões legislativas, como por exemplo, a lei orçamentária e o créditos especiais, existe a necessidade de estudar e analisar o que o Estado e os legisladores entendem por despesas públicas e os tributos que estabilizam estas despesas.

            Partindo dessa reflexão pode-se conceituar os tributos  com toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa plenamente vinculada. Sendo assim pode-se dizer que o tributo é a obrigação imposta as pessoas físicas e pessoas jurídicas de recolher valores ao Estado para a organização das despesas públicas. Os tributos devem ser pagos em dinheiro,  pois nos sistemas tributários capitalistas, somente o dinheiro é aceito como pagamento.

            Devemos neste contesto entender também o que vem a ser o conceitos para definir as despesas públicas, sendo um  conjunto de despendios do Estado, ou de outra pessoa de direito público para o funcionamento dos serviços públicos. Dessa forma, despesas pode ser entendida como uma parte do orçamento selecionado ao financiamento de determinado setor administrativo para o cumprimento de sua função.

            As despesas públicas tinham apenas a finalidade de possibilitar ao Estado o exercício das mencionadas atividades básicas, atitude insuficiente atualmente, já que através de uma análise preponderante da natureza econômica, conclui-se que o mesmo pode ser também utilizadas para outros fins. Deve-se entender, portanto, também na concepção essencial das despesas públicas, que o Estado funciona hoje como um órgão de redistribuição da riqueza, concorrendo com a iniciativa privada onde se tem visto muitos processos licitatórios que comandam o pensamento dos orçamentos, taxas, impostos, já que por muito tempo o Estado passou a realizar despesas que, embora não sejam úteis sob o ponto de vista econômico, são úteis sob o ponto de vista da população.

            Podemos entender também que no Brasil, os tributos podem ter função de fiscalizar, quando tem como objetivo a arrecadação de recursos financeiros para o Estado como temos o exemplo do Imposto de Renda. Quando o objetivo é interferir no domínio econômico, buscando regular determinados setores da economia este tributo é denominado de extrafiscal, um exemplo deste tributo são as mudanças no IPI.

Quando conceituamos o tributo como parafiscal deve- se saber que ele ocorre a quando a delegação, pela pessoa política da União, Estados-Membros, Distrito Federal e Municípios, mediante lei, da capacidade tributária ativa à terceira pessoa de direito público ou privado, de forma que esta arrecade o tributo, fiscalize sua exigência e utilize-se dos recursos auferidos para a consecução de seus fins. Um exemplo deste procedimento é a contribuição anual paga pelos advogados à OAB.

            Em suma pode-se dizer que as despesas públicas nada mais são do que a utilização de dinheiro do erário público para objetivos públicos. E se classificam de duas formas, nas despesas decorrentes que são as despesas públicas usável para manter serviços anteriormente instituídos e, por isso, são despesas correntes sob o título de despesa de custeio e as despesas de capital, que é a despesa pública de investimentos para execução de obras, para aquisição de imóveis e obras públicas.

            Para o desenvolvimento deste artigo será usado uma pesquisa bibliográfica a partir de um levantamento doutrinário onde será usado varias teorias sobre o tema em questão, já que o presente trabalho é visto como uma abordagem qualitativa, pois não será usado nenhum dado estatístico.                       

2 REQUISITOS PARA AS DESPESAS PÚBLICAS

            São requisitos da Despesa Pública  a utilidade, pois toda despesa deve atender a uma necessidade pública de modo mais geral possível e sempre acabam atendendo a um número maior possível de pessoas, ou seja contribuintes, para ser utilizado para o bem público em suas necessidades. Um segundo ponto deve ser a possibilidade de se obter uma capacidade contributiva do contribuinte e a possibilidade do povo que devem ser compatíveis com as possibilidades contributivas do contribuinte, pois cada despesa deve ser compativel com a necessidade da população e com o orçamento do poder público. Os pagamentos das despesas públicas são feitas com o dinheiro arrecadado do povo. Logo, a despesa só deve ser feita tendo-se em vista as possibilidades contributivas do povo.

            Quando se junta esses dois requisitos é que vem a tona as discussões públicas já que toda a despesa deve ser precedida de discussão para se entender qual a verdadeira necessidade da coletividade e se esse dinheiro realmente vai ser usado para a melhoria da vida pública. É uma questão hierarquica, pois o Poder Executivo presta contas ao Poder Legislativo, anualmente, durante a sua gestão.

            Um requisito que se tornou de suma importância para o poder público é o da oportunidade, tendo em vista que deve ser aplicada no momento certo, oportuno para ser aceito pelo Estado. Todas as despesas devem conter provas que serão relevantes para a população.

            Por fim temos a legalidade do ato, pois a forma de aplicação da despesa pública autorizada pelo poder competente em nosso a Constituição Federal. A varias formas de se entender esta legalidade e o que é previsto no campo jurídico, sendo assim pode-se analisar algum campos desta legalidade como a despesa com o ensino onde o governo deve despender os percentuais previstos na Constituição Federal do Brasil, mais precisamente no art. 212 (caput) da CF que:

“A União implicará anualmente, nunca menos de dezoito, e os Estados, o Distrito Federal e os Municípios vinte e cinco por cento, no mínimo, da resultante de impostos, compreendida a proveniente de transferencias, na manutenção e desenvolvimento do ensino”    

            A despesa com o ensino deve ser vinculada  de forma legal, efetuando o administrador os pagamentos com todos os gastos públicos como se faz necessário ressaltar, assim, que o novo ordenamento jurídico ressalta os investimentos maciços e continuados em ações governamentais que, sejam necessárias, úteis e até aceitáveis do ponto de vista social, não se definindo exclusiva e diretamente à manutenção e ao desenvolvimento do ensino, mas também no bem da população que utiliza o ensino público.

            Nenhuma despesa pode ser efetuada sem a prévia autorização do Poder Legislativo, pois é esse poder que irá aprovar ou restringir a distribuição do dinheiro. Assim torna-se imprescindível que o Estado realize suas obras, por esse motivo que se regularizou a despesa de compra e venda por licitação ao qual Hely Lopes Merelles define como um composto de diversos procedimentos que têm como meta princípios constitucionais como a legalidade, a isonomia, a impessoalidade, a moralidade, a publicidade e a eficiência, com o intuito de proporcionar à administração pública a aquisição ou a venda e uma prestação de serviço de forma vantajosa, ou seja, menos onerosa e com melhor qualidade possível, por isso que deve ser controlado pelas despesas públicas.

Isto acontece utilizando-se um sistema de comparação de orçamentos, e averiguação de legalidade da despesa. As empresas devem atender às especificações legais necessárias, todas constantes do edital e melhoria do bem público. Sendo assim a empresa que oferecer maiores vantagens ao Estado será a escolhida para o fornecimento do produto ou do serviço.

Uma das finalidades da arrecadação para a organização das despesas públicas são os fundo público o mais conhecido em todo território nacional é o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) que fora criado para proteger os trabalhadores demitidos sem justa causa. Dessa forma, no início de cada mês, o empregador deposita em contas abertas na Caixa Econômica Federal, em nome dos seus empregados e vinculadas ao contrato de trabalho, o valor correspondente a 8% do salário de cada funcionário.

Com o fundo, o trabalhador tem a chance de formar um patrimônio, bem como adquirir sua casa própria com os recursos de conta vinculada, ou seja, é um fundo que pensa na coletividade.

3 CONCEITO DE TRIBUTOS E SUAS FINALIDADES

No Direito Tributário se diferencia tributo, imposto, taxa, contribuições, empréstimo compulsório e contribuição de melhoria. Lembrando que o tributo é uma obrigação que, preferencialmente, deve ser paga em moeda corrente. Se o ocorrer à hipótese prevista em lei, o contribuinte fica obrigado a pagar o tributo, independentemente de sua vontade. O tributo nasce por meio de lei, e necessariamente deve prever uma situação lícita. A cobrança deve ser efetuada por um dos entes governamentais ou por esses delegados.

Sendo assim podemos conceituar os tipos de tributos. O primeiro é o imposto que vem a ser um tributo cuja obrigação tem por fato gerador uma situação independente de qualquer atividade estatal específica, relativa ao contribuinte.

Na sociedade tributário é o mais importante dos tributos. O imposto incide independente da vontade do contribuinte. Se efetuado o fato gerador, logo será devido o imposto. Não tem atuação direta do Estado no fato gerador, isto é, existe uma previsão legal, que se efetuado pelo contribuinte, será devido o imposto.

            Abaixo mostraremos exemplos de impostos e seus fato gerador:

  1. IPI – Previsão legal: Industrializar produtos. Se houver industrialização de produtos, consequentemente será devido o IPI.
  2. IPVA – Possuir veículos automotores. Se houver a propriedade de veículo automotor em 01/01, consequentemente será devido o IPVA.

            O conceito de taxas é tributo que tem como fato gerador o exercício regular do poder de polícia, ou a utilização, efetiva e potencial, de serviço público específico e divisível, prestado ao contribuinte ou posto à sua disposição. A taxa é devida diante de uma atuação estatal, sendo que esse serviço público deve ser específico e divisível é possível saber qual contribuinte efetuou o fato gerador.

Na Contribuição de melhoria pode-se dizer que é o tributo cobrado pela União, pelos Estados, pelo Distrito Federal e pelos Municípios, no âmbito de suas respectivas atribuições, para fazer face ao custo de obras públicas de que decorra a valorização imobiliária, tendo como limite total a despesa realizada e como limite individual o acréscimo de valor que da obra resultar para cada imóvel beneficiado. Pode ser considerado um tributo peculiar e pouco conhecido. Esse tributo é devido quando houver uma obra pública com posterior valorização dos imóveis ao redor do empreendimento.

O Empréstimo compulsório devem ser criados diante de situações específicas como a guerra externa ou sua iminência e calamidade pública, ou investimento público de caráter relevante, e a aplicação dos recursos provenientes de sua arrecadação é vinculada à despesas correspondente, que justificou sua instituição.  É uma espécie de tributo pouco utilizado.  Nada mais é que empréstimo, em que o governo em determinadas circunstâncias o governo pode compulsoriamente, reter o dinheiro do contribuinte.

Para finalizar deve ser comentada as Contribuições que são os recursos obtidos com sua arrecadação devem ser necessariamente aplicados no atendimento da finalidade que justifica a sua cobrança. Podem ser sociais, de intervenção no domínio econômico, de interesse de categorias profissionais ou econômicas, de custeio da iluminação pública.

Abaixo mostraremos exemplos de impostos e seus fato gerador:

  1. CPMF – Contribuição que tinha como destinação a manutenção da saúde pública;
  2. CIP – Contribuição para manutenção da iluminação pública das cidades.

4 DESPESAS PÚBLICAS E O USO DOS TRIBUTOS PARA A ORGANIZAÇÃO ORÇAMENTÁRIA

            Uma forma de organizar as despesas públicas com o uso de tributos é com o planejamento tributário para o pagamento das despesas e para suprir as necessidades básicas da sociedade como o da aposentadoria, que se for analisado é uma forma de tributo que deve ser organizado juntamente com as despesas públicas federais.

Este planejamento seja no âmbito público como no privado tem o objetivo na economia uma diminuição legal da quantidade de dinheiro nas empresas privadas e repassadas para o governo.

Hoje podemos dizer que os tributos sendo eles os impostos, taxas e contribuições podem representar uma importante parcela dos custos das empresas, senão a maior, ou seja há uma grande contribuição privada para com as despesas públicas, pois a finalidade desta arrecadação é o bem estar social.

Com a globalização da economia, tornou-se questão de sobrevivência empresarial a correta administração do ônus tributário. Em média, 33% do faturamento empresarial é dirigido ao pagamento de tributos. Do lucro, até 34% vai para o governo. Da somatória dos custos e despesas, mais da metade do valor é representada pelos tributos.

A cada produto consumido ou serviço utilizado e até mesmo, e principalmente, na atividade produtiva que realizamos, temos embutido em preços e nos rendimentos, impostos, contribuições e taxas. Mas apesar dessa convivência diária com a chamada carga tributária, a maioria de nós, contribuintes sendo pessoa física ou jurídica que têm de pagar tributos, não cobrando dos órgão públicos o efetivo uso sua contribuição.

5 CONCLUSÃO

                        Em vista tudo que fora analisado e estudado pode-se notar que as despesas públicas são as despesas que o governo obtém para o aperfeiçoamento ou construção de órgãos públicos, melhoria e expectativa de vida pública para a população, as despesas devem ser calculadas para que o dinheiro não seja usado indevidamente pelos dirigentes.

                        Tendo em vista o acima exposto conclui-se que a despesa pública é uma despesa corrente, ou seja, contínua e faz parte das aplicações de certa quantia de dinheiro para a finalidade da coletividade, quer dizer que ela deve estar inserida nos instrumentos de planejamento principalmente nas peças orçamentárias.

            Conclui-se também que os tributos estão em nosso cotidiano e que devemos saber diferenciá-los para que tenhamos noção de onde estamos distribuindo nossa renda, tendo em vista que no Direito Tributário se diferencia tributo, imposto, taxa, contribuições, empréstimo compulsório e contribuição de melhoria.

Lembrando que o tributo é uma obrigação que, preferencialmente, deve ser paga em moeda corrente. Se o ocorrer à hipótese prevista em lei, o contribuinte fica obrigado a pagar o tributo, independentemente de sua vontade. O tributo nasce por meio de lei, e necessariamente deve prever uma situação lícita. A cobrança deve ser efetuada por um dos entes governamentais ou por esses delegados.

                        Como apresentado neste artigo existem mecanismos de controle da despesa com o dinheiro púbico que os gestores deverão utilizar para usar com compromisso e responsabilidade, sempre observando as particularidades de cada alternativa apresentada na lei para conduzir a redução dentro dos ditames legais.

                        Por fim, pode-se entender um breve estudo sobre como deve ser estabelecido às regras, definições e classificações de despesas públicas, já que sua maior definição é a de ser utilizado com o objetivo de melhoramento público e controle nas despesas orçamentárias.

6 BIBLIOGRAFIA

OLIVEIRA, Regis Fernandes de. Curso de Direito Financeiro. 2°. Ed. rev. e atual. São Paulo: Editora Revista de Tribunais, 2008.

MEIRELLES, Hely Lopes, Direito Administrativo Brasileiro. 28° Ed. São Paulo: Malheiros Editores

GUIMARÃES DE SOUSA, Marcos Vinícius Saavedra. Sistema e Direito Tributário.  Disponível em <http://www.advogado.adv.br/artigos/2005/marcusviniciusguimaraesdesouza/direitofinanceiro.htm>. Acesso em 30 outubro 2014.

SEBRIAN, Cleber. Despesas Públicas – Despesas com o pessoal. Disponível em < www.jurisway.org.br> Acesso em 30 outubro 2014.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria