A vida como ela é: Morte ou vida?

Neste paradoxo de morte ou vida, já que no dia 2 é considerado e “comemorado/lembrado”  o dia de finados ou dos fiéis defuntos, talvez um acróstico em rima, possa nos tirar desta berlinda:

M  ais do que apenas morrer e lembrar do

O  ntem, precisamos usar a nossa

R  azão, bem além do que a imaginação ou sentimentos nos tomam, pois somente o

T  empo pode curar feridas da dor, do inconsciente e do nosso âmago;

E  nquanto isto,

O  uvimos atentamente a nossa razão, que

U  iva com um pedido em uníssono:

V  ive cada momento como se fosse único, com

I  nteligência e sabedoria

D  ivina, pois o

A  mor que habitas em teu ser, é a única saída.

Enfim,

Morra para aquilo que te faz mal e prejudica e viva para aquilo que te faz bem e adjudica este amor em cada ato do teu dia.

Assim, teu trabalho será mais profícuo e edificante, tu te tornarás alguém melhor dentro de si e para o próprio mundo e as mazelas do dia a dia serão menores e minimizadas pelo Amor que carrega e distribuí com o sopro divino.

Paz àqueles que já descansaram.

Amor àqueles que ainda lutam nesta terra.

Vida para todos, uma vez que independente da crença, há vida aqui, agora e lá fora, além do próprio corpo.

Afinal, gestão e tecnologia são ferramentas dos vivos para terem mais tempo de aproveitar a vida antes da chegada do sopro divino…


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria