Advocacia é uma commodity?

Muitos afirmam que sim, outros que nunca e tem time que acha que ainda estamos em processo de transformação para a advocacia se transformar numa commodity.

Nos EUA esta realidade já existe e há muito tempo.

No Brasil, temos uma blindagem ainda sobre esta realidade, o tão falado código de ética. Podemos critica-lo, dizer que precisa ser atualizado, podemos dizer que até proíbe coisas que deveria permitir, mas ainda é a lei que devemos obedecer e em cima dela exercer o nosso marketing.

Pois bem.

O resultado nos EUA é bastante questionado por eles mesmos e mais, bastante questionado se realmente a metodologia totalmente aberta de publicização dá um resultado satisfatório ou apenas engessa aqueles que querem entrar no mercado.

Com ideias de seguro advocacia, pagamento de mensalidades para dar consultas e outras ideias comuns de mercado, mas distantes da realidade brasileira, a advocacia americana está em um processo de repensar o seu próprio meio de liberdade de marketing, por assim dizer.

Nos EUA podemos ter advogados dentro de um supermercado (vide artigo de Maio deste ano sobre este tema: http://gustavorochacom.com.br/2014/05/29/uma-reflexao-sobre-a-advocacia-departamentoasquintas/), além de diversos serviços on line.

Nos EUA também existe a possibilidade de prestação de serviços jurídicos sem ser advogado. E neste cenário, vários advogados americanos tentaram barrar empresas que com muito poder economico transformam a advocacia americana em direito formulário. E perderam estas ações.

Uma realidade muito diferente da nossa, mas merece ser pensada e vista como um modelo que não queremos chegar, penso eu.

Para conhecer mais, leia este artigo: http://www.conjur.com.br/2014-nov-01/comoditizacao-advocacia-realidade-irreversivel-eua

Queremos a nossa classe com uma concorrência deste nível?

Falamos tanto em querer ser advogado para exercer a profissão de pensar, entender, defender o cliente, dar um senso de justiça no país e vamos agora defender uma espécie de direito formulário, onde quem tem poder economico vence e quem não tem fica com preços ridículos?

Sei que muitos irão dizer que no Brasil já é assim, mas aqui, temos possibilidade de crescimento com um mercado que respeite o advogado, o que não irá acontecer se cada vez mais trabalharmos com uma advocacia commodity.

Existe advocacia commodity? Sim, nos EUA é reconhecida. No Brasil ela existe, chama-se advogado formulário, aquele que copia peças, que apenas sabe o que os outros sabem, aquele que não pensa o direito. Aquele que pensa o direito, no Brasil pelo menos, tem a oportunidade de sair da commodity e passar a exercer a advocacia de forma plena.

E o que você acha a respeito?


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria