O presente trabalho tem como objetivo tecer breves considerações analisando as alterações na composição das famílias brasileiras, principalmente no que tange ao conceito de paternidade e suas consequências no direito das sucessões.

 Introdução

  A família brasileira, conceitualmente falando, foi diretamente influenciada pelo direito canônico, em consequência da colonização  portuguesa, sendo que, inicialmente, o casamento religioso era o  único caminho para a constituição da chamada “família legitima”,  organizada e totalmente subordinada à autoridade paterna.

Podemos dizer que durante décadas,  vários dogmas e conceitos foram adotados de forma rígida e  pouco modificaram através das gerações.

Apenas recentemente, em função das grandes transformações históricas, culturais e sociais, ocorridas principalmente pós-revolução industrial, o direito de família e consequentemente o direito das sucessões, passaram  a tecer novos rumos, adaptados à realidade e a problemática social surgidas  a partir  destas transformações.

A evolução do conceito de paternidade na família brasileira

Segundo a sociologia moderna a família é um conjunto de pessoas que se encontram unido por laços de afinidade ou consanguíneos.

 Para Maria Helena Diniz [1]:

“Família no sentido amplíssimo, seria aquela em que os indivíduos estão ligados pelo vínculo da consanguinidade ou da afinidade. Já a acepção lato sensu do vocábulo refere-se aquela formada além dos cônjuges ou companheiros, e de seus filhos, abrange os parentes da linha reta ou colateral, bem como os afins (parentes do outro cônjuge ou companheiro). Por fim, no sentido restrito restringe  família,  a comunidade formada pelos pais (matrimônio ou união estável) e da filiação” .

Com as  profundas transformações da sociedade,  surge um novo modelo de instituição familiar, restringindo a autoridade  dos pais e posteriormente proclamando a igualdade absoluta entre os cônjuges e entre os filhos.

Neste sentido, o direito de família  inicialmente sofreu forte influencia do direito romano, especialmente da família canônica, consolidando-se com a promulgação  do Código Civil de 1916, seguindo esta linha até as grandes inovações trazidas com a Constituição Federal de 1988, principalmente quanto a função social da família no direito e na sociedade  brasileira.

Merece especial destaque, a distinção entre filhos legítimos e ilegítimos, no artigo 358 do código civil de 1916 proibia o reconhecimento de filhos adulterinos e incestuosos e somente o filhos naturais poderiam ser reconhecidos, embora apenas os legitimados pelo casamento poderiam ser considerados legítimos.

A respeito do tema leciona Luiz Edson Fachin [2]:

“O preceito adotado pelo Código Civil de 1916 tratava de um sistema fechado que abordava apenas disposições que favoreciam à classe dominante. Desta forma, não foram codificados institutos que a sociedade da época não queria ver disciplinados, como o modo de apropriação de bens e a vida em comunhão”.

Com o reconhecimento de uma  nova ordem de valores, estabelecida pela Carta Magna de 1988, favoreceu ao surgimento  de outros horizontes ao instituto jurídico da família que , impulsionaram  a aprovação do Código civil de 2002, convocando os pais para uma nova forma de exercer a paternidade, onde os vínculos de afeto se sobrepõe á verdade biológica.

No mesmo sentido, ensina Paulo Luiz Netto Lôbo [3]:

“ (...) A família atual não é mais, exclusivamente, a biológica. A origem biológica era indispensável à família patriarcal, para cumprir suas funções tradicionais. (...) No âmbito jurídico, encerrou definitivamente o seu ciclo após o advento da Constituição Federal de 1988. O modelo científico é inadequado, pois a certeza absoluta da origem genética não é suficiente para fundamentar a filiação, uma vez que outros são valores que passaram a dominar esse campo das relações humanas” .

Paternidade biológica x paternidade afetiva

Ao longo das últimas décadas, a partir das adaptações  socioculturais, em uma sociedade dinâmica e complexa com a brasileira, propiciaram o surgimento de novas normas que se alteraram e, gradativamente, deram novas feições ao direito de família que acabou afastando a ideia da família como pressuposto do casamento.

Paralelamente,  a evolução da medicina, que elaborou testes capazes de evidenciar com índices altíssimos de acertos a paternidade biológica, o paradigma relacionado à investigação  da filiação biológica deixou de ser um problema.

Entretanto, após a promulgação da constituição Federal de 1988, a problemática que envolve a paternidade, que antes parecia definitivamente solucionada, voltou a ser tema de debates, uma vez que deixou de relacionar-se especificamente a questão biológica e introduziu outro sistema de valores que rivalizavam com os fatores consanguíneos.

Prevê o artigo 227, parágrafo 6°, da Constituição Federal:

 “Os filhos, havidos ou não na relação de casamento, ou por adoção, terão os mesmos direitos e qualificações, proibidas quaisquer designações discriminatórias relativas à filiação”.

 No mesmo sentido, o art. 1.596 do Código Civil em vigor, apresenta a mesma redação, consagrando o princípio da igualdade entre os filhos e confirmando a influencia constitucional na codificação civil.

Muito embora coexistam diferentes correntes doutrinarias sobre a  conceituação  de paternidade, fato pacifico é que não se pode desprezar a  relação sanguínea,  principal  fonte dos demais direitos inerentes à filiação, como o direito ao nome, sobrenome, reconhecimento cartorial, bem como os efeitos patrimoniais relativos a sucessão.

 Todavia, o reconhecimento  da paternidade deve ser de forma responsável, restando ao direito tutelar os fatos ocorridos geradores de conflitos supervenientes das inúmeras formas de relação entre pais e filhos.

 Neste sentido,  prevê a  Constituição Federal, em seu artigo 226, § 7º:

“Fundados nos princípios da dignidade da pessoa humana e da paternidade responsável, o planejamento familiar é de livre decisão do casal, competindo ao Estado propiciar  recursos educacionais e científicos para o exercício desse direito, vedada qualquer forma coercitiva por parte de instituições oficiais ou privadas”.

Paternidade biológica

Antes da Constituição Federal de 1988, bastava que o filho nascesse durante a vigência do casamento de seus pais e, assim, seria considerado legítimo. Porém, os filhos havidos fora do matrimônio, eram bastardos, adulterinos, sem direitos juridicamente reconhecidos e o pai não tinha obrigação no seu sustendo.

Conforme redação dada pelo Decreto do Poder Legislativo nº 3.725, de 15.01.1919, em seu artigo 38:

“ Presumem-se concebidos na constância do casamento: I - os filhos nascidos 180 (cento e oitenta) dias, pelo menos, depois de estabelecida a convivência conjugal (art. 339); II - os nascidos dentro nos 300 (trezentos) dias subsequentes à dissolução da sociedade conjugal por morte, desquite, ou anulação”.

 Esse modelo de  interpretação tornou-se, de certa forma,  obsoleto, em virtude da possibilidade de certeza da filiação, trazida pela evolução científica, com a possibilidade de exame do exame de DNA que revela a verdade biológica, através da relação sanguínea.

 A paternidade socioafetiva

 Trata-se de  conceito jurídico que visa ao estabelecimento da relação de paternidade com base em outros fatos além da relação genética, fundamentados nos laços afetivos constituídos pela convivência  entre pais e filhos, distinguindo-se, portanto,  a figura  do pai e do genitor.

No mesmo sentido é o entendimento do professor Rolf Hanssen Madaleno [4]:

“A paternidade tem um significado mais profundo do que a verdade biológica, onde o zelo, o amor paterno e a natural dedicação ao filho revelam uma verdade afetiva, uma paternidade que vai sendo construída pelo livre desejo de atuar em interação paterno-filial, formando verdadeiros laços de afeto que nem sempre estão presentes na filiação biológica, até porque, a paternidade real não é biológica, e sim cultural, fruto dos vínculos e das relações de sentimento que vão sendo cultivados durante a convivência com a criança”.

 A renovação no instituto da paternidade, fundamentados principalmente a dignidade da pessoa humana trouxe consigo novos paradigmas justificados nos laços de recíprocos entre pais e filhos, como elemento principal caracterizador da paternidade em detrimento do fator biológico.

          

A paternidade socioafetiva e o direito de herança

 No sistema jurídico pátrio, a filiação era estabelecida pela presunção, adotada pelo Código Civil de 1916, como efeito direto do casamento.  Por consequência, muitas vezes a paternidade não correspondia com a realidade “genética”;  em contrapartida, os filhos “verdadeiros” advindos de relações fora do casamento estavam impedidos de ser reconhecidos e nem mesmo buscar ou provar este vinculo biológico.

Hoje, é indiscutível o direito do filho de conhecer sua origem genética, entretanto, não pode contrariar a paternidade socioafetiva já existente e consolidada para assegurar, como único e principal objetivo, ao direito da herança deixada pelo pretenso genitor.

 Segundo o entendimento de Paulo Lobo [5]:

 “A investigação da paternidade só é cabível quando não houver paternidade, nunca para desfazê-la, e a jurisprudência se manifesta não permitindo que a investigação da paternidade seja utilizada em busca apenas do direito ao patrimônio, em virtude da filiação biológica, pois prevalece no ordenamento jurídico a verdade social”.

Quanto aos efeitos jurídicos da socioafetividade  paterna,  são idênticos aos efeitos gerados pela adoção, conforme disposição no artigo  41 do ECA - Lei nº 8.069 de 13 de julho de 1990:

“A adoção atribui a condição de filho ao adotado, com os mesmos direitos e deveres, inclusive sucessórios, desligando-o de qualquer vínculo com pais e parentes, salvo os impedimentos matrimoniais”.

 Considerações Finais

 Diante da evolução do instituto jurídico da família e da sociedade como um todo,  a figura e o conceito de paternidade  dentro desta nova concepção de família,  passou por profundas modificações.

 O direito é um produto social, deve, portanto interagir com a sociedade, adequar-se aos novos fatos sociais, para então, acompanhar e regrar a conduta dos indivíduos, sob pena de se transformar em letra morta, inaplicável, sem qualquer fundamento de existência.

 Com essa nova interpretação Constitucional, estabelecida a igualdade de filiação e o reconhecimento de várias formas de interpretar a paternidade,  trouxe  consigo novos conflitos decorrentes do binômio paternidade afetiva versus paternidade biológica, que carecem de legislação específica, tanto para regular o  direito de família  como em suas repercussões na esfera patrimonial.

 Para solucionar as lacunas existentes a partir destas transformações, o ordenamento jurídico brasileiro preceitua que o magistrado deve recorrer à utilização da analogia, dos costumes e dos princípios gerais do direito.

 No caso especifico exposto neste singelo trabalho, a questão da paternidade, envolve muito mais que um mero registro documental, adoção de um sobrenome ou a partilha de bens de uma herança,  envolve a valoração de princípios constitucionalmente protegidos, levando em consideração o afeto como elemento formador da família e  preservando os  interesses da criança como forma de efetivar a dignidade da pessoa humana, principio norteador de todo ordenamento jurídico brasileiro.

          

Referências:

GONÇALVES,         Carlos Roberto. Direito de Família: 11ª ed. São Paulo: Saraiva,  2014;

GONÇALVES,         Carlos Roberto. Direito das sucessões:  6ª ed. São Paulo: Saraiva, 2012;

(DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil brasileiro: Direito de Família. 23. ed. São Paulo: Saraiva, 2008;

LOBO, Paulo Luiz Netto. Direito ao Estado de Filiação e Direito à Origem Genética: uma distinção necessária. Revista CEJ, Brasília, n. 27, out/dez. 2004;

FACHIN, Luiz Edson. Da Paternidade: Relação biológica e afetiva. Belo Horizonte: Del Rey, 1996;

COLEN, Dalvan Charbaje. Paternidade socioafetiva e o direito de herança. Conteudo Juridico, Brasilia-DF: 27 fev. 2013. Disponivel em: <http://www.conteudojuridico.com.br/?artigos&ver=2.42201&seo=1>. Acesso em: 09 nov. 2014;

Notas:

[1] (DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil brasileiro: Direito de Família. 23. ed. São Paulo: Saraiva, 2008. v. 5. p. 9)

 [2] FACHINI, Luiz Edson, Averiguação Oficiosa e investigação de paternidade. Curitiba: Gênesis, 1995.

[3] LOBO, Paulo Luiz Netto. A paternidade socioafetiva e a verdade real. Revista CEJ, Brasília, n. 34, pp. 15-21, jul./set. 2006.

[4] MADALENO. Rolf Hanssen Madaleno, Novas Perspectivas no Direito de Família. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2000.

[5] LÔBO, Paulo Luiz Netto. Direito ao estado de filiação e direito à origem genética: uma distinção necessária. Belo Horizonte: Del Rey, 2004, p.510.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria