A obrigação tributária e os elementos que compõe esta obrigação, como os sujeitos passivo, ativo, o objeto e causa, descritos em seus conceitos.

RESUMO:O presente artigo acadêmico tem como objetivo tratar sobre a obrigação tributária e os elementos que compõe esta obrigação. Essa matéria é imprescindível para compreender o direito tributário em se tratando da obrigação tributária e suas peculiaridades. A obrigação tributária é diferente da obrigação civil comum, uma vez que na obrigação tributária não prevalece o elemento volitivo. Qualquer obrigação jurídica tem, sujeito ativo, sujeitito passivo e objeto, porém a obrigação no direito tributário possui sujeitos e objetos próprios, sendo estes sujeitos dispostos no Código Tributário Nacional.

Palavras chaves: obrigação. tributo. elementos


INTRODUÇÃO

A obrigação tributária trata-se de uma relação jurídica estabelecida entre as pessoas jurídicas de direito público, competentes para instituir sobre tributos, e as pessoas, físicas ou jurídicas, que praticam o fato previsto e lei. Ou seja, é um dever de fazer um contribuinte prestar determinada prestação. E, segundo o artigo 113 do CTN( Código Tributário Nacional),  dividide-se em obrigação acessória e principal.

1 OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA

A obrigação pode ser entendida de duas formas, a primeira pela relação jurídica entre credor(sujeito ativo) e devedor(sujeito passivo, tendo o primeiro o direito ao recebimento de determinada prestação e o segundo a obrigação de prestá-la.

Ainda pode ser conceituada a obrigação como a relação entre pessoas que pode ser gerada em razão da vontade (ex volutatis) ou em razão da lei (ex legis).

A obrigação tributária, como já fora relatado, decorre da lei, sendo, portanto ex legis, não necessitando da vontade do agente. Sobre esse assunto assegura AMARO (2003, P. 241):

 [...]o nascimento da obrigação não depende de nenhuma manifestação de vontade das partes que passam a ocupar os pólos ativo e passivo do vínculo jurídico. Basta a ocorrência do fato previamente descrito na lei para que surja a obrigação.

Sendo assim, corrido o fato gerador, nasce a relação tributária, compreendida entre o dever de alguém (sujeito passivo) e o direito do estado (sujeito ativo), tendo por objeto uma prestação em dinheiro, conforme preceitua o artigo 3º do Código Tributário Brasileiro.


2 . ELEMENTOS DA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA

São elementos da obrigação tributária o sujeito ativo, o sujeito passivo, o objeto e a causa e são deles que vamos tratar a seguir|:

2.1 SUJEITO ATIVO

É a pessoa jurídica de direito publico, o qual é titular da competência para exigir o seu cumprimento.  Segundo SABBAG (2012, p. 682),  estas pessoas de Direito público: “podem ser  titulares, por delegação, das funções de arrecadar ou fiscalizar tributos(parafiscalidade), ou executar leis, serviços, atos ou decisões administrativas em matéria tributária”. É o que assevera o CTN em seu art. 7º.

Existem dois tipos de sujeitos ativos: o direto e o indireto. Estes são os entes tributantes, aqueles são os entes parafiscais.

2.2 SUJEITO PASSIVO

É a pessoa que está obrigada ao pagamento do tributo ou penalidade pecuniária, denominada contribuinte ou responsável.

De acordo com o parágrafo único do art. 121 do CTN, existem dois tipos de sujeitos passivos na obrigação principal: o contribuinte e o responsável. Neste sua obrigação decorre da lei, já naquele tem relação pessoal e direta com a situação que constitua o fato gerador.

Em se tratando da obrigação acessória o sujeito passivo é a pessoa obrigada às prestações que constituam o seu objeto.

Desta forma, vislumbra-se, que há na sujeição passiva dois tipos de sujeitos: o direto ( contribuinte) e o indireto ( responsável).

2.3 OBJETO DA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA

Conforme o seu objeto, a obrigação tributária divide-se em principal e acessória.

A obrigação tributária principal é a obrigação de pagar tributo, acrescidos, se for o caso, de juros e multas. Desta forma, esta obrigação independe da existência de outra obrigação, ou seja, é a obrigação de dar(pagar) ao sujeito ativo, sendo esta obrigação decorrente da lei. Segundo o art. 113, § 1º do CTN, “a obrigação principal surge com a ocorrência do fato gerador, tem por objeto o pagamento de tributo ou penalidade pecuniária e extingue-se juntamente com o crédito dela decorrente.” Vale ressaltar que a obrigação principal tem natureza patrimonial.

 A obrigação tributária acessória são ações ou omissões que auxiliam o fisco na administração do tributo. O objeto da obrigação acessória, diferente da principal, é não patrimonial. O Código Tributário Nacional também trata deste tipo de obrigação em seu art. 113, §2º e reza que “a obrigação acessória decorre da legislação tributária e tem por objeto as prestações, positivas ou negativas, nela previstas no interesse da arrecadação ou da fiscalização dos tributos.”

2.4 CAUSA DA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA

Segundo Sabbag (2012): “a causa da obrigação tributária é o vínculo jurídico motivador do liame jurídico obrigacional entre o sujeito ativo e o sujeito passivo.” Pode ser decorrente da “lei tributária” ou da “legislação tributária”.

O nascimento da obrigação tributária está vinculado ao fato gerador. Em consonância, o CTN faz menção ao fato gerador nos artigos 114 e 115. O artigo 114 preceitua que o “fato gerador da obrigação principal é a situação definida em lei como necessária e suficiente à sua ocorrência.” Por sua vez, artigo 115 diz que fato gerador da obrigação acessória é a hipótese que, na forma da legislação aplicável, impõe a prática ou a abstenção de ato que não configure obrigação principal.

Assim, percebe-se que, o fato gerador da obrigação principal foi associada a “lei”, enquanto o fato gerador da obrigação foi atrelada à “legislação tributária”.


CONCLUSÃO

Conforme observado no presente estudo, a obrigação tributária diz respeito a uma relação jurídica estabelecida entre as pessoas jurídicas de direito público, competentes para instituir sobre tributos, e as pessoas, físicas ou jurídicas, que praticam o fato previsto em lei.

Toda obrigação tributária, seja ela principal ou acessória, deve ter um fato gerador, decorrentes da lei ou da legislação tributária, respectivamente. A obrigação principal surge com a ocorrência do fato gerador, já a obrigação acessória decorre da legislação tributária.

Desta forma, com o presente trabalho acadêmico, conclui-se que, para a regularização da obrigação tributária são indispensáveis quatro elementos, quais sejam, sujeito ativo, sujeito passivo, objeto e causa. Em que o sujeito ativo é o ente credor do tributo e/ou multa, o sujeito passivo é o ente devedor do tributo/multa, o objeto é a prestação e a causa é o vínculo jurídico.


REFERÊNCIAS

AMARO, Luciano, Direito Tributário Brasileiro. 9 ed. São Paulo: Saraiva, 2003.

BRASIL, Código Tributário Nacional, 3ª ed., São Paulo, 2001, Ed. RT.

MACHADO, Hugo de Brito. Curso de Direito Tributário. 17ª ed.rev., atual. e ampl. São Paulo: Malheiros, 2000. 

SABBAG, Eduardo. Manual de Direito Tributário, 4ª ed., São Paulo, 2012, ed. Saraiva.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria