Este texto defende que a atividade de comércio seja beneficiada com o beneficio dos insumos dados as indústrias.

Com a criação do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais do Ministério da Fazenda, em 2008 para analisar os recursos interpostos em processos administrativos no âmbito da Receita Federal tem interpretado que a tomada de crédito de PIS e COFINS não-cumulativas amplia o conceito de insumo para abarcar o comércio, que ficou à margem da previsão legislativa, sendo que se adotarmos uma interpretação positiva na legislação, acabamos por realizar o regime cumulativo.

 Primeiramente vale ressaltar que não podemos falar em insumo, no seu sentido literal, para o comércio. Insumo em economia é o bem ou serviço utilizado para a produção de outro bem ou serviço. Comércio não produz, comércio revende, a atividade de comércio é a de circular com mercadorias para que chegue à mão do consumidor na determinada região onde atua o comerciante. Por este motivo é que as leis da não-cumulatividade de PIS e COFINS – Lei n.º 10.637 e n.º 10.833, determinam que o crédito referente às despesas na aquisição de bens e serviços utilizados como insumos são autorizados para a indústria e os prestadores de serviço, que os utilizam para a produção de bens ou prestação de serviço. Ocorre que, o comércio tem diversas despesas operacionais que se equiparam aos insumos das indústrias e dos prestadores de serviço. Como imaginar que um distribuidor de alimentos entregará sua carga sem uma despesa com transporte, ou ainda, caso entregue com veículo próprio, sem a despesa com o combustível? Como admitir que o comércio varejista conseguirá cumprir as obrigações acessórias, especialmente o preenchimento dos arquivos do SPED que exigem a discriminação da saída de cada item com a sua respectiva descrição, código de barras, NCM, e alíquotas dos tributos sem que o comerciante invista num software capaz de controlar esta saída no layout exigido pela Receita? Respondemos, somente suportando uma despesa de manutenção de um software parametrizado com o PVA, pois não consegue preencher, tamanho volume de itens, à mão.

Vale salientar que estas despesas não podem ser classificadas como insumos por não conter a gênese de insumo que as despesas da indústria e dos prestadores de serviço carregam, mas não há como não admitir que sem estas despesas o comércio não conseguisse desenvolver a sua atividade de revenda em razão deste impasse o CARF decidiu, no julgamento paradigma do recurso administrativo n.º 11020.001952/2006-22 da 2ª Turma da 2ª Câmara que as despesas operacionais suportadas pelo comércio são equiparadas aos insumos da indústria e do prestador de serviço, sendo que o conceito de tais despesas operacionais não está disposto no RIPI, que só trata de insumos, mas sim no RIR que assim determina:

Seção III

Custos, Despesas Operacionais e Encargos

Subseção I

Despesas Necessárias

Art. 299. São operacionais as despesas não computadas nos custos, necessárias à atividade da empresa e à manutenção da respectiva fonte produtora.

§ 1º São necessárias as despesas pagas ou incorridas para a realização das transações ou operações exigidas pela atividade da empresa.

§ 2º As despesas operacionais admitidas são as usuais ou normais no tipo de transações, operações ou atividades da empresa.

§ 3º O disposto neste artigo aplica-se também às gratificações pagas aos empregados, seja qual for a designação que tiverem.


DESPESAS

O conceito de despesa operacional constante do RIR está calcado no conceito de necessidade, ou seja, a despesa operacional é aquela necessária para a atividade da empresa, e assim considerando, todas as atividades estão abarcadas, incluindo a atividade de comércio. As despesas necessárias para a atividade de comércio se equiparam, portanto e de acordo com este inovador entendimento do CARF, às despesas com os insumos da indústria e dos prestadores de serviço, tudo para realizar a não-cumulatividade. De fato, para a realização do princípio da não-cumulatividade é condição que o fornecedor de bens ou serviços faça o recolhimento das contribuições. Porém, se o fornecedor recolhe o valor das contribuições e o tomador do serviço ou comprador do bem for comércio e por esta razão não aproveita o crédito estamos diante do regime da Cumulatividade de PIS e Cofins, em que o fornecedor recolhe, mas o cliente não se aproveita.

Portanto, a decisão do CARF busca a realização do princípio na não-cumulatividade ao estabelecer que para o comércio as despesas operacionais geram crédito, e não poderia ser diferente, pois se a despesa é necessária para desenvolver a atividade e o fornecedor recolheu as contribuições, para que seja realizado o princípio da não-cumulatividade o comércio deve se creditar do montante incidente na etapa anterior e apurar as contribuições apenas em cima do montante da sua margem, que diga-se de passagem sempre é apertada.Cabendo aos contadores e consultores fiscais o árduo trabalho de estabelecer o que é necessário para cada tipo de atividade, ou ainda, para cada tipo de empresa. Tema que ainda deve gerar grandes controvérsias, pois o que é necessário para um não é para o outro, como tudo na vida devendo ser analisado cada caso em separado afim de buscar a solução ideal para o caso concreto.

Sendo assim podemos equiparar o comércio a um fornecedor de bens assim como se faz a indústria e prestadores de serviços que são beneficiados com os insumos sendo estes um incentivador para a continuação dos negócios e crescimento da economia.



Informações sobre o texto

Artigo elaborado para ganho de experiencia em publicações e uso na própria graduação dentro da instituição de ensino.

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria