Trata-se de artigo que busca esclarecer e concatenar o que dispõe a Lei 8.213/91 a respeito dos benefícios devidos em razão da incapacidade laboral do trabalhador.

O título deste artigo já diz o que se pretende: dissertar sobre os benefícios previdenciários que decorrem da incapacidade laboral que acometer o trabalhador, seja ela permanente ou transitória. O enfoque principal será a interpretação da lei 8.213, de 24 de julho de 1991, os requisitos que esta exige e os beneficiários que são hábeis a receber tais benefícios.

São benefícios previdenciários decorrentes da incapacidade do segurado: auxílio doença previdenciário, auxílio doença acidentário, auxílio acidente e aposentadoria por invalidez, cada um com suas peculiaridades e campo de incidência diferenciada, dependendo do tipo de incapacidade que acomete o trabalhador.

AUXÍLIO DOENÇA

            O auxílio doença previdenciário, ou comum, é o benefício pago em razão de uma incapacidade temporária que acomete o trabalhador, seja ela decorrente de doença ou de acidente de qualquer natureza. Já o auxílio doença acidentário é pago em razão    de uma incapacidade adquirida no exercício do trabalho ou decorrente de acidente de trabalho.

            Qualquer segurado da previdência social poderá solicitar o benefício perante o INSS caso se encontre incapacitado para o trabalho por mais de 15 dias. Para o empregado doméstico, avulso ou contribuinte individual, o benefício será devido a partir da data de entrada do requerimento. No entanto, caso o segurado dê entrada no requerimento pós 30 dias da data de início da incapacidade, ele terá direito a receber o benefício a partir da data de entrada do requerimento, e não após 15 dias da data de início da incapacidade.

            Cabe lembrar que se o segurado passou a contribuir para o Regime Geral da Previdência Social – RGPS, já portador de doença ou incapacidade, esta enfermidade não dará direito ao interessado de gozar do benefício, a não ser que ocorra um agravamento da doença ou lesão de que já era portador.

            Quanto ao valor do auxílio doença, seja de que espécie for, corresponderá a 91% do salário de benefício, mas não poderá ser inferior a um salário mínimo nem superior ao limite máximo do salário de contribuição, ou seja, ao teto da Previdência social.

            Após a cessação do benefício de auxílio doença, se o trabalhador voltar a contribuir após o término do benefício para o RGPS, o período em gozo do auxílio doença será computado como tempo de contribuição para fins de concessão de aposentadoria no futuro.

            Carência é o termo legal utilizado pelo art. 24 e seguintes da Lei 8.213/91 para designar a contagem do período mínimo de contribuição que uma pessoa deve ter para fazer jus a um benefício previdenciário. No caso, para a concessão do auxílio doença são exigidas no mínimo 12 contribuições mensais.          Entretanto, caso a incapacidade decorra de algum acidente ou de doença profissional ou do trabalho, não será exigida carência mínima.

            Por acidente de trabalho, a lei 8.213/91 define no art. 19 que é aquela que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa, sendo considerada doença profissional aquela desencadeada pelo exercício do trabalho e doença do trabalho aquela adquirida em função das condições especiais em que realizado o trabalho. Qualquer acidente ou lesão ocorridos no local e horário de trabalho  ou no percurso da residência- trabalho também são considerados acidentes de trabalho.

            No entanto, não podem ser consideradas doenças do trabalho: a doença degenerativa, a inerente a grupo etário, a que não produza incapacidade e a adquirida em razão da região onde o segurado resida estar submetida a uma epidemia. Também não é acidente de trabalho o agravamento de uma lesão que decorreu de um acidente de trabalho anterior.

            No ato da perícia médica a cargo do INSS o médico perito deverá verificar se a incapacidade do segurado decorreu de acidente de trabalho ou não.

            Após a cessação do auxílio doença acidentário, o empregado terá garantia de emprego por 12 meses.

            Importante ressaltar que em nenhum momento a legislação estabelece tempo máximo de duração do auxílio doença, ficando a sua duração adstrita à avaliação dos médicos peritos do INSS, que constatarão a cura ou não do segurado a cada perícia agendada.

Pode ocorrer que, após a consolidação da lesão ou doença, o segurado fique incapacitado para o exercício da sua atividade laboral, mas não para trabalhar com outra atividade. Se isso ocorrer, o segurado será encaminhado para a reabilitação profissional a cargo do INSS, onde aprenderá o exercício de outra profissão.

AUXÍLIO ACIDENTE

            O auxílio acidente é um benefício de natureza indenizatória pago ao segurado que sofreu acidente de qualquer natureza e em razão deste, teve sequelas que acarretaram a diminuição de sua capacidade laboral.

            O valor do benefício é de 50% do salário de benefício, podendo ser inferior ao salário mínimo. Será devido a partir do dia seguinte à cessação do auxílio doença até que o segurado se aposente ou venha a falecer, o que ocorrer primeiro.

Não são todos os segurados que fazem jus ao auxílio acidente, pois a lei 8.213/91 dispõe que é um benefício devido apenas ao empregado, trabalhador avulso e segurado especial. Os trabalhadores autônomos não possuem direito a perceber o benefício.

O auxílio acidente poderá ser cumulado com o recebimento de outro benefício previdenciário, com exceção da aposentadoria, ou salário. No entanto, cumpre lembrar que a vedação de cumulação do auxílio acidente com a aposentadoria de qualquer espécie decorreu da alteração legislativa trazida pela Medida Provisória 1.596, convertida na Lei 9.528/97. Assim, se as consolidações das lesões que causaram a diminuição da capacidade laboral ocorreram antes de 10/11/1997, data da publicação da MP 1596-14, poderá haver a cumulação do auxílio acidente com a aposentadoria de qualquer natureza.

APOSENTADORIA POR INVALIDEZ

            A aposentadoria por invalidez é devida ao segurado que for considerado incapaz ou insuscetível de reabilitação para qualquer atividade. É um benefício que pode ser revertido caso seja verificada a volta da capacidade de trabalho do segurado.

            Seus beneficiários são todos os segurados da Previdência Social e a renda mensal será o equivalente a 100% do salário de benefício da pessoa, e não poderá ser inferior ao valor do salário mínimo.

            Normalmente, a aposentadoria por invalidez é paga a partir do dia seguinte à cessação do auxílio doença ou, caso constatada a incapacidade total e permanente desde o início do requerimento de benefício por incapacidade perante o INSS, será devida a aposentadoria a partir do 16º dia de incapacidade ao segurado empregado. Os primeiros 15 dias ficarão a cargo da empregadora. Para o empregado doméstico, avulso ou contribuinte individual, será paga a partir da data de entrada do requerimento ou, caso o requerimento administrativo seja posterior a 30 dias da data de início da incapacidade, a partir da data de entrada do requerimento.

            A carência para o gozo do benefício é de 12 contribuições mensais, sendo também dispensado  o seu cumprimento em caso de acidente de qualquer natureza ou acidente de trabalho, tal como no auxílio doença.

            Caso o segurado aposentado por invalidez necessite da ajuda permanente de terceiros será pago um acréscimo de 25% sobre o valor da aposentadoria que cessará com a morte do aposentado, não sendo transmitida aos seus beneficiários. Com esse acréscimo de 25% o valor da aposentadoria poderá ultrapassar o teto legal previdenciário.

            O Anexo I do Decreto 3.048/99 elenca quais são as situações em que é cabível o pagamento do adicional de 25% sobre a aposentadoria por invalidez, conforme se colaciona abaixo:

“A N E X O  I

RELAÇÃO DAS SITUAÇÕES EM QUE O APOSENTADO POR INVALIDEZ 
TERÁ DIREITO À MAJORAÇÃO DE VINTE E CINCO POR CENTO
PREVISTA NO ART. 45 DESTE REGULAMENTO.

        1 - Cegueira total.

        2 - Perda de nove dedos das mãos ou superior a esta.

        3 - Paralisia dos dois membros superiores ou inferiores.

        4 - Perda dos membros inferiores, acima dos pés, quando a prótese for impossível.

        5 - Perda de uma das mãos e de dois pés, ainda que a prótese seja possível.

        6 - Perda de um membro superior e outro inferior, quando a prótese for impossível.

        7 - Alteração das faculdades mentais com grave perturbação da vida orgânica e social.

        8 - Doença que exija permanência contínua no leito.

        9 - Incapacidade permanente para as atividades da vida diária.”

Portanto, somente nos casos acima o INSS concede o adicional de assistência permanente de terceiros, não sendo aplicável interpretação extensiva ao art. 45 da lei 8.213/91 para outras hipóteses não previstas no decreto.

Ademais, frise-se que a aposentadoria por invalidez poderá ser cessada caso a capacidade para o trabalho seja recuperada. Nesse caso, se o segurado estava aposentado a menos de 05 anos, o benefício cessará de imediato para o empregado com garantia do emprego ou, no caso dos outros segurados, após tantos meses quanto forem a duração do gozo do benefício em anos.

Se o retorno da capacidade for parcial, ou ocorrer após 05 anos em gozo do benefício, a aposentadoria por invalidez terá seu valor diminuído paulatinamente. Nos primeiros 6 meses terá valor integral, de 7 a 12 meses diminuirá seu valor para 50% do benefício e a partir do 13º mês até o 18º passará a ser 75% do benefício. A partir do 19º cessará por completo.

CONCLUSÃO

Esses são, portanto, os benefícios previdenciários que a Lei 8.213/91 prevê para os casos de incapacidade que acomete o trabalhador, seja essa incapacidade total, parcial, temporária ou permanente.

Verifica-se que a intenção legislativa é a de proteger o trabalhador quando algum infortúnio atinja a sua capacidade de trabalhar e de se sustentar, prestando o Estado a ajuda financeira de que necessite.

Frise-se, ainda, que as considerações acima enumeradas tiveram por inspiração única e exclusiva a letra da lei 8.213/91 e do Decreto 3.048/91, que aqui foram compiladas de forma organizada e separadas por benefícios.

           

           


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria