O escopo deste estudo será a demonstração dos requisitos legais referentes aos benefícios previdenciários por incapacidade.

1 – Introdução

A legislação previdenciária define, de forma clara, todas as condições que devem ser comprovadas para a concessão dos benefícios previdenciários por incapacidade.

2 – Benefícios previdenciários por incapacidade – requisitos legais

Aposentadoria por invalidez e auxílio-doença são benefícios devidos ao segurado que – cumprida a devida carência de 12 meses (Lei 8.213/91, art. 26, II) – se vê incapacitado para o trabalho, garantindo-lhe a subsistência quando este repentinamente não mais pode ser valer de sua força laboral. Se a incapacidade é total – isto é, para todas as atividades passíveis de serem desempenhadas – o segurado terá direito à aposentadoria por invalidez, conforme dispõem  a Lei 8.213/91 e o Decreto 3.048/91, respectivamente:

“Lei 8.213/91, art. 42. A aposentadoria por invalidez, uma vez cumprida, quando for o caso, a carência exigida, será devida ao segurado que, estando ou não em gozo de auxílio-doença, for considerado incapaz e insusceptível de reabilitação para o exercício de atividade que lhe garanta a subsistência, e ser-lhe-á paga enquanto permanecer nesta condição.

Dec. 3.048/91, art. 43. A aposentadoria por invalidez, uma vez cumprida a carência exigida, quando for o caso, será devida ao segurado que, estando ou não em gozo de auxílio-doença, for considerado incapaz para o trabalho e insuscetível de reabilitação para o exercício de atividade que lhe garanta a subsistência, e ser-lhe-á paga enquanto permanecer nessa condição.

§ 3º A concessão de aposentadoria por invalidez, inclusive mediante transformação de auxílio-doença concedido na forma do art. 73, está condicionada ao afastamento de todas as atividades.”

 Nos casos em que a incapacidade seja parcial, sendo possível o exercício de atividades outras, o benefício devido será o auxílio-doença, nos termos dos mesmos instrumentos normativos:

Lei 8.213/91, art. 59. O auxílio-doença será devido ao segurado que, havendo cumprido, quando for o caso, o período de carência exigido nesta Lei, ficar incapacitado para o seu trabalho ou para a sua atividade habitual por mais de 15 (quinze) dias consecutivos.

Dec. 3.048/91, art. 74. Quando o segurado que exercer mais de uma atividade se incapacitar definitivamente para uma delas, deverá o auxílio-doença ser mantido indefinidamente, não cabendo sua transformação em aposentadoria por invalidez, enquanto essa incapacidade não se estender às demais atividades.

É importante ressaltar que, por razões atuariais elementares, e em atenção à boa-fé objetiva, a previdência social não cobre riscos já existentes quando da filiação. Isso significa que, se o fator incapacitante era preexistente ao ingresso no Regime Geral de Previdência Social, não será devido o benefício, salvo se a incapacidade decorrer do agravamento da doença ou lesão. Essa é a norma disposta nos art. 42, § 2º, e 59, parágrafo único, da Lei 8.213/91:

Art. 42, § 2º A doença ou lesão de que o segurado já era portador ao filiar-se ao Regime Geral de Previdência Social não lhe conferirá direito à aposentadoria por invalidez, salvo quando a incapacidade sobrevier por motivo de progressão ou agravamento dessa doença ou lesão.

Art. 59, parágrafo único. Não será devido auxílio-doença ao segurado que se filiar ao Regime Geral de Previdência Social já portador da doença ou da lesão invocada como causa para o benefício, salvo quando a incapacidade sobrevier por motivo de progressão ou agravamento dessa doença ou lesão.

2.1 - Comprovação da incapacidade

De modo a garantir a segurança jurídica, preservar o patrimônio securitário, evitar fraudes e uniformizar procedimentos, a legislação previdenciária traz regra específica para a comprovação da incapacidade do segurado. Para tanto, é necessária perícia médica, realizada por profissional do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). É o disposto no art. 42, § 1º, da Lei 8.213/91:

“§ 1º A concessão de aposentadoria por invalidez dependerá da verificação da condição de incapacidade medante exame médico-pericial a cargo da Previdência Social, podendo o segurado, às suas expensas, fazer-se acompanhar de médico de sua confiança.”

Ressalte-se que a mesma norma deve ser observada para a concessão de auxílio-doença, pela interpretação do art. 60 da referida lei.

Por fim, cumpre observar que exame médico regularmente feito por médico-perito do INSS é ato administrativo, portanto dotado de presunção de legitimidade. Com efeito, em virtude dessa presunção juris tantum, bem como da legislação que determina que a incapacidade deve ser comprovada dessa maneira, para comprovar a incapacidade ou desconstituir o exame a cargo da autarquia não são admissíveis laudos ou exames produzidos por médicos particulares. O que se faculta é o acompanhamento do exame oficial por médico da confiança do segurado.

2.2 - Data de início do benefício

Conforme sintetiza Hermes Arrais Alencar[1], a data de início do benefício por incapacidade será, para:

“- o segurado empregado a partir do 16º dia de afastamento da atividade;

- os demais segurados a partir da data de início da incapacidade;

- todos os segurados, inclusive o empregado, a partir da data da entrada do requerimento, quando requerido após o 30º dia do afastamento da atividade.”

Verifica-se, portanto, que em sua mais imediata data, será o benefício concedido a partir do início da incapacidade. Dessa maneira, se eventual laudo pericial aponta o início da incapacidade, não há controvérsia quanto à data de início do benefício. Lado outro, se não é atestado o momento de início da doença ou lesão, somente a partir da data de realização da perícia há comprovação da incapacidade, e assim este deve ser o momento a partir do qual é devido o benefício.

Afinal, como se sabe, as condições de saúde dos indivíduos alteram-se com o decorrer do tempo, e não cabe a juristas, ao aplicar a lei, a elaboração de frágeis presunções acerca de questões técnicas, como o eventual momento no qual teve início uma enfermidade.

Por tal motivo a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça pacificou-se no sentido de que a data de início do benefício deve ser a da juntada aos autos do laudo médico pericial que tenha concluído pela incapacidade:

“PREVIDENCIÁRIO - PROCESSUAL CIVIL - RECURSO ESPECIAL – APOSENTADORIA RURAL - INÍCIO DE PROVA MATERIAL - REEXAME DE PROVAS – DIVERGÊNCIA JURISPRUDENCIAL NÃO DEMONSTRADA - TERMO INICIAL DA PRESTAÇÃO DO BENEFÍCIO.

Se a análise da pretensão recursal importa na reapreciação do quadro fático, impõe-se a incidência da Súmula 07/STJ.

A simples transcrição de ementas não é suficiente para caracterizar o dissídio jurisprudencial apto a ensejar a abertura da via especial, devendo ser mencionadas e expostas as circunstâncias que identifiquem ou assemelhem os casos confrontados, bem como juntadas certidões ou cópias integrais dos julgados paradigmas.

Termo inicial da concessão do benefício é o da apresentação do  laudo pericial, quando  a incapacidade não  for reconhecida administrativamente.

Recurso desprovido. (STJ, RESP 222513/PE, 5ª TURMA, rel.: Jorge Scartezzini, DJ: 01/08/2000)”

3 – Conclusão

Portanto, diante de todo o exposto, resta configurado que a concessão dos benefícios previdenciários por incapacidade depende do preenchimento de todos os bem definidos requisitos legais.

4 – Referências

ALENCAR, Hermes Arrais. Benefícios Previdenciários, 3ª ed. São Paulo : Liv. e Ed. Universitária de Direito, 2007.

www.stj.jus.br .


[1]              Benefícios Previdenciários, 3ª ed. São Paulo : Liv. e Ed. Universitária de Direito, 2007, p. 350


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria