Trata-se de um breve estudo acerca das problemáticas causadas pela carente ou mesmo ausente limpeza urbana numa cidade, onde são abordadas as principais consequências para os habitantes de uma cidade suja.

           Diante a atual problemática de tragédias ocasionadas por excesso de lixo jogado nas ruas, faz-se relevante abordar as consequências do acúmulo de lixo numa cidade e os prejuízos derivados desse acúmulo à população. O problema se origina na ação do homem de irresponsabilidade para com seu próprio lixo, ou seja, do péssimo hábito de jogar seu lixo no chão.

           A primeira consequência aqui suscitada é bastante visível aos olhos de todos, não sendo necessário, para percepção, qualquer estudo mais aprofundado. Trata-se da poluição física de extensas áreas da cidade que são destinadas ao proposital acúmulo de lixo, são os denominados lixões, onde todos os dejetos recolhidos são lá depositados sem qualquer tratamento ou cuidados que previnam a ocorrência dos efeitos gerados pelo amontoamento de entulho.

            A fim de demonstrar o real do descarte do lixo realizado de maneira errada, cita-se o exemplo do maior acidente radioativos do mundo ocorrido fora de usinas nucleares, que ocorreu no Brasil, mais especificamente em Goiânia-GO, no ano de 1987 com Césio-137.

            O Instituto Goiano de Radiologia – IGR, havia sido fechado, entretanto lá permaneceu a máquina de radiologia do instituto, que, não obstante estar devidamente isolada, encontrava-se largada dentro de um imóvel, sem o necessário recolhimento. O problema surgiu, quando catadores de lixo em busca de sucatas para vender em ferro velho, encontraram a tal máquina de radiologia até então blindada. A blindagem era feita com 304 kg de chumbo, 120 kg de aço e outra blindagem de platina que isolava a capsula de Césio-137, a substância radioativa.

            Os catadores retiraram toda a proteção e a venderam a um ferro velho. Ao retirarem a ultima proteção se depararam com o próprio material radioativo que emitia um brilho que deixou a todos bastante entusiasmados, o que os levou a distribuir o pó a familiares e amigos disseminando o perigoso material.

            O acidente que é comparado ao desastre nuclear de Chernobyl gerou 3500m² de lixo radioativo, ocasionou a morte de 60 funcionários e voluntários que trabalharam na descontaminação do local, bem como 628 vítimas reconhecidas pelo Ministério Público, entre elas civis, bombeiros, e policiais militares, com a estimativa feita pela Associação de Vítimas do Césio-137 de que mais de 6 mil pessoas foram atingidas pelo desastre radiológico de Goiânia.

            De fato, este foi um episódico único na história do Brasil, entretanto, é fundamental a assistência necessária para que não volte a ocorrer. Ademais outras consequências, estas bem comuns, são bastante recorrentes.

            Em decorrência dos lixões, ou seja, todo lixo exposto a céu aberto sem qualquer tratamento preventivo, ocorre também, à migração de animais de pequeno e grande porte para aquelas localidade, para fazer do acumulo de lixo sua moradia bem como, fonte de alimento, conforme demonstra pesquisa realizada pela ITCP/Unicamp - Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares da Universidade Estadual de Campinas:

O lixo exposto ao ar atrai inúmeros animais, pequenos ou grandes. Os primeiros a aparecer são as bactérias e os fungos, fazendo seu fantástico papel na natureza. O cheiro da decomposição se alastra com o vento e atrai outros organismos, como baratas, ratos, insetos e urubus que, além de se nutrirem a partir da matéria orgânica presente no lixo, proliferam-se, pois o local também lhes oferece abrigo. Esses animais são veiculadores (vetores) de muitas doenças, podendo ser citados a febre tifóide, a cólera, diversas diarréias, disenteria, tracoma, peste bubônica;

Não obstante o perigo à saúde trazido pelos animais em si, surge outro preocupante fator que deriva da experiência de uma cidade suja, qual seja, a veiculação de diversas doenças transmitidas pelos animais atraídos pela sujeira.

Com a higiene do local prejudicada, ocorre a proliferação de diversas doenças causada pela presença dos animais, tais como a leptospirose, doença causada infecciosa e potencialmente aguda causada pela ingestão de água ou alimentos contaminados com a urina de animais. O tétano, causado por uma toxina produzida por uma bactéria sob uma forma extremamente resistente, enquanto esporo. A hepatite-A também é uma potencial moléstia causada por um vírus adquirida através de água ou alimento contaminados, ou pela transmissão de uma pessoa para outra. A cólera, causada por uma bactéria no estomago, cuja infecção se dá pelo consumo da água contaminada. Dentre as doenças causadas pelos animais atraídos pelo acúmulo de lixo, também se encontra o Tracoma, grave doença nos olhos, conhecida como uma das que mais causam cegueira causada pela Chlamydia tracomatis, transmitida pelo contato da sujeira nos olhos.

Outra séria consequência, advinda do acumulo de lixo em lixões é que com o tempo a decomposição da matéria orgânica produz um liquido extremamente poluente, denominado chorume.

O chorume é formado por diversas substancias toxicas ao organismo, como carbono e nitrogênio orgânico, além de materiais inorgânicos, como mercúrio, cobre, chumbo, arsênio, cádmio, cobalto e cromo, além disso, carrega metais pesados impossível de serem eliminados pelos organismos vivos.

Ao ser produzido nos lixões, através da ação do calor sobre o lixo orgânico naturalmente úmido, o chorume irá se infiltrar e além de polui o próprio solo, também haverá sua infiltração nos lençóis freáticos. Sendo, portanto de fácil percepção a séria complicação, casa ocorra à infiltração do chorume. Teríamos as fontes de água contaminada e consequentemente rios e solos, bem como plantas que absolvem a água contaminada pela chorume, as frutas os legumes, nada mais seria saudável.

Outra recorrente tentativa de lidar com o lixo, mas que também causa graves danos é a tentativa de descarte do lixo por meio das queimadas. Porém, este método já foi considerado uma grande solução para acabar com o lixo. Entretanto com o avanço da tecnologia, foi detectado o grande perigo que se corria emitindo na atmosfera gases altamente tóxicos gerados pela incineração de lixo.

 Inclusive, a convenção de Estocolmo, da qual o Brasil é signatário, que  trata  do   combate   aos   Poluentes   Orgânicos   Persistentes – POPs, aponta a incineração como uma das principais fontes geradoras desses gases poluentes e orienta pelo descarte total desta maneira de lidar com o lixo, enfatizando que nenhuma forma de incineração é 100% segura, isto porque, com a incineração do lixo são mandados à atmosfera diversos metais pesados, como chumbo e mercúrio que não são destruídos pelo calor e são jogados no ar, numa forma mais perigosa de que quando estava no lixo.

A Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE, divulgou estudo acerca da poluição causada pela queimada do lixo, onde emitiu informação contendo os perigos devido à exposição ao chumbo, metal que apresenta grandes riscos à saúde. Vejamos:

No sistema hematopoiético (formador do sangue), o chumbo atua na medula óssea inibindo a  eritropoese, ou seja, inibe a formação das hemácias, por consequência, causa anemia.

b) Em nível de sistema nervoso central, ele causa lesões vasculares e dos neurônios, provocando dores de cabeça, distúrbios visuais, inconsciência, irritabilidade, convulsão e delírio. No sistema nervoso periférico causa desmielinização segmentar e degeneração, levando então a paralisias por perda da função motora e alterações sensoriais.

c)  Nos rins surgem corpúsculos intranucleares de chumbo, fibrose   intersticial, degeneração tubular, alterações das artérias e arteríolas.

d) O sistema digestório causa dores abdominais de forte intensidade, diarreia, obstipação e falta de apetite.

Outro metal que também causa diversos prejuízos quando emitidos no meio ambiente é o mercúrio, que pode ser absolvido através da pele ou pela respiração, ocasião em que se acumulam nos pulmões, sobre a propagação deste metal através da incineração a UNIOESTE, informa quais os efeitos agudos devido a uma breve exposição ao metal. Quais sejam:

a) Pele: edema, irritação cutânea e pústula ulcerosa nas extremidades dos dedos.

b)Aparelho urinário:  lesão renal, surgindo aumento da permeabilidade tubular, insuficiência renal, com oligúria, anúria e morte, síndrome nefrótica.

c) Aparelho respiratório: os vapores são irritantes para o aparelho respiratório e acabam provocando bronquite e edema pulmonar. Surgem tremores e convulsão.

d)  Sistema nervoso: irritabilidade, perda de memória, alucinações, irritabilidade emocional, anormalidades nos reflexos, confusão mental, coma e morte.

e) Sistema digestório: gosto metálico na boca, salivação, dor abdominal, sede vômito e diarréia.

A exposição prolongada ao mercúrio elementar leva às seguintes alterações:

a) Boca: dentes moles, inchação das glândulas salivares, excesso de saliva,  inflamação da gengiva, que fica mole e esponjosa.

b)Psiquismo:   irritabilidade,   perda   de   memória,   insônia,   perna  do  autocontrole, alucinações, depressão, pesadelos.

c) Sistema nervoso: tremores nos braços, nas mãos, pernas, pálpebras, nos dedos e lábios, vertigem e rubor.

d) Outras alterações: rubor na face e lesões na pele. 

Por fim, citaremos outro fator extremamente preocupante no que se refere às consequências de uma cidade suja. Trata-se dos perigos de catástrofes advindas das forças da natureza e ocasionada pelo acumulo de lixo, nas ruas.

É sabido que só Brasil produz aproximadamente 240 mil toneladas de lixo por dia, as consequências do errado direcionamento deste lixo, trazem inúmeras preocupação, entretanto, um dos locais de deposito do lixo, elegido pela própria população são as ruas. É comum, embora excessivamente errado, jogar no chão o papel de bombom ou a latinha de refrigerante que se acaba de consumir, este simples ato, unidos ao de várias outras pessoas, são responsáveis por diversas catástrofes ambientais, como, a título e exemplo, as enchentes ocasionadas devido ao entupimento de bueiros.

            Diante dos diversos problemas supramencionados, associados a diversos outros que não foram abordados, percebe-se claramente, as severas consequências do mau direcionamento do lixo produzido diariamente em nossas casas, o reconhecimento desta problemática se faz de inteira relevância para que possa analisar estratégias que venham a sanar ou amenizar as consequências advindas de uma cidade suja.

 REFERÊNCIAS

ALMEIDA, Frederico Borges de.  O Acidente Radioativo em Goiânia. Disponível em www.brasilescola.com/fisica/o-acidente-radioativo-goiania.htm Acesso em: 02 de dezembro 2014.

BARBOSA, Edivaldo. Lixo em terrenos baldios suja cidade. Disponível em: <http://www.diariodeaparecida.jor.br/lixo-em-terrenos-baldios-suja-cidade/> Acesso em: 02 de dezembro 2014.

HADLICH, Patrícia. Médico aponta perigos na exposição diária ao lixo. Disponível em <http://www.resol.com.br/arquivoNot/M%C3%A9dico%20aponta%20perigos.htm> Acesso em: 20 de outubro 2014.

ITCP/Unicamp - Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares da Universidade Estadual de Campinas. Perigos do lixo. Disponível em <http://www.itcp.unicamp.br/empirica/?q=node/35> Acesso em: 12 de novembro 2014.

NERY, Priscilla. Perigos do acúmulo de lixo nas cidades. Disponível em: <http://maisequilibrio.com.br/saude/perigos-do-acumulo-de-lixo-nas-cidades-5-1-4-354.html> Acesso em: 20 de outubro 2014.

USP - Universidade de São Paulo. Riscos e doenças. Disponível em <http://www.ib.usp.br/coletaseletiva/saudecoletiva/doencas.htm. Acesso em: 20 de outubro 2014.

BARBOSA, Ana Paula de Lima. RAMOS, Paula Parra. Consequências da incineração do lixo para o ser humano. Disponível em <http://cacphp.unioeste.br/eventos/senama/anais/PDF/RESUMOS/199_1270001532_RESUMO.pdf> Acesso em: 02 de dezembro 2014.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria