Aumento da alíquota de ICMS atingirá mais de 95 mil itens do comércio e IPVA sofrerá acréscimo de 40% em relação ao valor atual.

Foi enviado à Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) no dia 2 de dezembro de 2014, pelo governador Beto Richa, o que diversos setores econômicos denominaram de “pacotão da maldade”. A ocasião traz à tona a anulação de isenção de ICMS que atingirá todo o estado. O conjunto de medidas que gera aumento de impostos e tributos no estado foi aprovado no dia 9 desse mesmo mês.

Para enfrentar tais modificações tributárias, as administrações das empresas deveram se “desdobrar”, em outras palavras, 2015 será um ano economicamente difícil. O governador do Paraná justificou tal ação como um modo de multiplicar por 5 o  investimento do estado e que para isso acontecer o reajuste fiscal é essencial, visando que trará menos dividas e mais receita para o poder governamental.

Atualmente o Governo do Paraná recebe 55% da arrecadação concentrada nos setores de energia elétrica, combustível e telecomunicações; porém, esses sofreram diversos problemas com queda e estabilidade, afetando a arrecadação de ICMS. Partindo desse ponto, Beto Richa defende que propôs uma melhor distribuição da carga tributaria entre todos os setores, incluindo agora o comércio, indústria e serviço.

Obviamente, quanto menos recursos, menos investimento e menos benefícios sociais para a população, porém, esse reajuste poderá ter grande impacto em todas as empresas instaladas no Paraná. Richa defendeu que apenas 20% das empresas sentiram de fato o impacto sobre a contribuição que dão ao estado para que o estado possa exercer bem as suas atividades.

Foram várias propostas aprovadas, entre elas o aumento da alíquota do Imposto sobre a Circulação e Mercadorias e Serviços (ICMS) de mais de 95 mil itens como alimentos, medicamentos, produtos de higiene e limpeza, aparelhos eletrônicos, artigos de vestuário, material escolar, objetos plásticos, gasolina e outros.

Também, o aumento em 40% do valor atual do Imposto Sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), que atingirá, por exemplo, as transportadoras que consequentemente terão de repassar esse valor para seus clientes para não sofrerem impactos maiores. E a instituição da contribuição previdenciária de 11% para os aposentados e pensionistas do Regime Próprio de Previdência Social cujos vencimentos superem o teto pago pela Previdência Social.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria