O "auxílio reclusão" é um benefício da Previdência Social, regulado pela Lei 8.213/91

O "auxílio reclusão" é um benefício da Previdência Social, regulado pela Lei 8.213/91, e tem em vista a proteção dos dependentes carentes do segurado preso, impossibilitado de prover a subsistência dos mesmos em virtude de sua prisão.

Destina-se única e exclusivamente ao conjunto de dependentes do preso – este não tem nenhum direito ao benefício, que estiverem sem perspectivas de subsistência em decorrência da prisão do segurado.

O benefício é devido tanto nas hipóteses de prisão provisória quanto de prisão definitiva, e exige para a sua concessão a prova da perda de liberdade do segurado, a inexistência de remuneração da empresa em que ele trabalhava e não se encontrar o mesmo no gozo de auxílio doença, de aposentadoria ou de abono de permanência em serviço.

O "auxílio reclusão" tem início na data do efetivo recolhimento do segurado ao estabelecimento penal e é mantido enquanto o segurado permanecer preso. Dá-se a sua suspensão em caso de fuga, restabelecendo-se com a recaptura do preso. Havendo sua soltura, cessa a concessão do auxílio.

Não se exige carência para que os dependentes do segurado tenham direito ao benefício, sendo exigido, entretanto, que o preso seja segurado da Previdência Social e somente será concedido aos dependentes do trabalhador cujo salário de contribuição não ultrapasse o teto previsto (a exemplo do salário família).

Os dependentes devem apresentar à Previdência Social, de três em três meses, atestado emitido por autoridade competente, de que o segurado permanece preso.

A certidão de prisão preventiva, certidão de sentença condenatória ou atestado de recolhimento à prisão são hábeis a comprovar a situação de encarcerado.

Quando o segurado for menor, seus dependentes deverão apresentar determinação de internação e documento que comprove o recolhimento do segurado a órgão subordinado ao Juizado da Infância e da Juventude.

Com a morte do segurado o auxílio reclusão será convertido em pensão por morte.

Quando o dependente que receber o auxílio reclusão for emancipado ou completar a maioridade civil deixará de receber o auxílio, cessando também o benefício com a morte do dependente ou com o fim de invalidez de dependente maior de idade.

Embora a concessão deste benefício social sofra críticas – ao argumento de que o preso deu causa com seu ato ilícito, deve-se, contudo, atentar para o fato de que os beneficiários são os dependentes do preso (este assistido pelo Estado, aqueles, até então, desassistidos e, possivelmente, em situação de extrema dificuldade) e não este.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria