Trata-se de breves considerações sobre improbidade administrativa.

A improbidade administrativa consiste na ação ou omissão violadora do dever constitucional de moralidade no exercício da função pública, que acarreta a imposição de sanções civis, administrativas e penais, de modo cumulativo ou não, conforme previsão legal.

A improbidade pressupõe um elemento subjetivo reprovável. Como regra, a improbidade ocorre mediante um elemento doloso, admitindo-se a modalidade culposa como exceção.

Haverá improbidade somente se o sujeito tiver violado conscientemente o dever de moralidade.

A improbidade administrativa envolve o exercício de competências próprias da função administrativa, ainda que não no âmbito do Poder Executivo. A Lei 8249/9 abrange eventos ocorridos no âmbito de:

a) Um ente estatal;

b) Um ente privado sujeito a controle estatal;

c) Um ente privado que receba contribuições de mais de 50% de seu patrimônio ou de sua receita anual;

d) Um ente privado que receba algum benefício fiscal ou creditício (art. 1º, caput e parágrafo único).

Quando se tratar de entidades privadas, os efeitos do sancionamento da lei de improbidade administrativa serão civis ou econômicos, não se aplicando as sanções administrativas e penais.

A improbidade administrativa é conduta reprovável praticada por agente estatal, o que indica um sujeito que forma ou manifesta a vontade estatal. O artigo 2º da Lei 8429/92 adota ampla qualificação para agente estatal. E o artigo 3º submete ao sancionamento também aquele que, embora não atuando como agente estatal, concorreu para a consumação ou benefícios dos atos de improbidade.

A sanção civil tem natureza pecuniária e se destina a recompor as perdas causadas pela conduta ilícita. Consiste na indenização por perdas e danos ao sujeito lesado, abrangendo, além do que ele efetivamente perdeu como o que razoavelmente deixou de ganhar.

A sanção administrativa consiste em desincentivar conduta indesejável no âmbito da atividade administrativa e punir o sujeito que infringiu deveres nesse âmbito. Se restringe basicamente ao relacionamento do sujeito com a administração. Pode compreender uma penalidade pecuniária de cunho punitivo e não ressarcitório.

A sanção penal tem finalidades preventivas, retributivas e reeducativas. Visa proteger a coletividade, não existindo vínculo necessário entre o conteúdo da sanção e a dimensão administrativa.

As infrações configuradoras de improbidade administrativa estão elencadas nos artigos 9º, 10 e 11 da Lei 8429/92, sendo de três tipos: por enriquecimento ilícito, por prejuízo ao erário e por atentado contra os princípios fundamentais.

A improbidade administrativa por enriquecimento ilícito está prevista no art. 9º da Lei 8429/92.

É possível organizar as hipóteses em quatro subgrupos, a saber:

Enriquecimento ilícito por: atos de percepção de vantagens indevidas de terceiros, atos de apropriação indevida, atos em conflito de interesses e atos evidenciadores de enriquecimento sem justificativa.

Sobre os atos de percepção de vantagens indevidas de terceiros: Essas são as hipóteses contidas no art. 9, I, II, III, V, VI, IX e X. Esse subgrupo abrange os casos em que o sujeito recebe para si ou para outrem vantagem econômica como contrapartida para o desempenho de atribuições ou como condição para o exercício de sua influência.

Em alguns casos, a vantagem se destina a permitir a prática de atos ilícitos por terceiros (V), o que envolve, portanto, em omissão no exercício de competências próprias. Em outros, trata-se de extrair de atos lícitos vantagens indevidas, tal como ocorre nos incisos I, II e III. Por fim, há hipóteses em que o agente estatal recebe vantagem econômica para praticar, ele próprio, ação ou omissão indevida (VI, IX e X).

Sobre os atos de apropriação indevida: São as hipóteses previstas nos incisos IV, XI e XII do art. 9º da Lei 8429/92. Nessas hipóteses, o sujeito retira vantagens do patrimônio e dos serviços públicos, ampliando seu patrimônio pessoal ou de terceiro.

Atos em conflito de interesse: São os casos do inciso VIII do art. 9º, em que o sujeito aceita desempenhar atividade em proveito de terceiro, titular de interesses que possam ser afetados pelas decisões e condutas daquele.

Atos evidenciadores de enriquecimento sem justificativa: No inciso VII há a descrição de situação jurídica que faz presumir a improbidade. Trata-se da aquisição, para si ou para outrem, de bens cujo valor seja desproporcional À evolução patrimonial derivada do desempenho dos cargos públicos.

A improbidade administrativa por prejuízo ao erário, elencado no art. 10 da Lei 8429/92 é o grupo que causa lesão ao erário em virtude de ação ou omissão.

O resultado danoso integra a materialidade da infração, sem o qual não há ilicitude. Trata-se de lesão ao erário.

Como regra a exigência de elemento subjetivo é o dolo. A improbidade administrativa pressupõe a atuação maliciosa preordenada à obtenção de um resultado conhecido como indevido. No entanto, o art. 10 alude à possibilidade da configuração da improbidade mediante culpa ou dolo.

Quanto a improbidade administrativa por atentado contra os princípios fundamentais está elencada no art. 11, da Lei 8249/92. Ali, se determina que a improbidade pode consumar-se por ação ou omissão dolosa violadora dos deveres de honestidade, imparcialidade, legalidade e lealdade às instituições.

Quanto a prescrição o art. 23 da Lei 8249/92 determina que as ações previstas no diploma legal prescreverão em 5 anos, computado do término do exercício do mandato, cargo em comissão ou função de confiança em cujo exercício presume-se ocorreram os fatos objeto de questionamento.

E se aplica o prazo previsto na legislação administrativa para as faltas disciplinares puníveis com demissão nos casos de exercício de cargo efetivo ou emprego, se for o caso.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria