Semelhanças e diferenças entre "motivo torpe" e "motivo fútil".

O Código Penal brasileiro optou por punir de forma mais grave quando o crime é cometido por motivo fútil ou torpe, seja como “circunstância agravante genérica", seja como qualificadora. De forma simples, isso significa que sempre que a motivação do crime for torpe ou fútil, àquele criminoso será aplicada uma pena maior.

         Ao tratar do crime de homicídio, o Código Penal fala em “homicídio cometido mediante paga ou promessa de recompensa, ou por outro motivo torpe” e “motivo fútil”, em outro inciso. Assim, fica evidente que motivo “fútil” não é sinônimo de “torpe”.

O jurista Júlio Pinheiro Faro Homem de Siqueira (Jus Navigandi, 2007) apresenta com clareza a diferença, explicando que “motivo torpe é aquele que ocorre quando se barganha a vida para obter outra coisa. Demonstra sinal de depravação do espírito do agente”, enquanto “motivo fútil é aquele motivo notadamente desproporcionado ou inadequado, do ponto de vista do homo medius e em relação ao crime de que se trata.”.

Um exemplo de motivo torpe é justamente o apresentado pelo Código Penal: mediante paga o recompensa. Siqueira (Jus Navigandi, 2007) apresenta o “homicídio mercenário”, do qual “decorre a recompensa paga (o agente é recompensado previamente pela morte da vítima) ou de promessa de recompensa (ao agente foi prometido um prêmio, o qual será pago após a eliminação do sujeito passivo).

Interessante observar a explicação do advogado Vinicius Rodrigues Arouck (Jus Navigandi, 2014), segundo a qual não se pode imaginar que toda vingança é motivo torpe. “A palavra torpe, segundo o dicionário, diz respeito a algo asqueroso, repugnante, indigno, feio, depravrado, o que claramente não se confunde com a palavra vingança que significa atitude de quem se sente ofendido ou lesado por outrem e efetua contra ele uma ação mais ou menos equivalente”.

Larissa Sette Maia Fernandes (Jus Navigandi, 2014) explica que motivo torpe é “aquele que ofende a ética social, de grau altamente reprovável pela sociedade, ou seja, é aquele extremamente imoral”, sendo que, de acordo com o Superior Tribunal de Justiça, “o ciúme por si só não configura motivo torpe”.

A doutrina explica que não se pode confundir “motivo fútil” com ausência de motivo. Ademais, pondera Bitencourt (2003) que "motivo fútil não se confunde com motivo injusto, uma vez que o motivo justo pode, em tese, excluir a ilicitude, afastar a culpabilidade ou privilegiar a ação delituosa".


Texto elaborado por Bruna Ibiapina



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria