Estaria o Brasil a caminho de um novo ciclo de crescimento? Há quem se recuse a acreditar nas medidas de Levy para alcançar o equilíbrio fiscal em 2015

Diante do cenário desfavorável, o novo ministro da fazenda, Joaquim Levy, objetivou reequilibrar as contas públicas a partir de três principais pontos: o corte de gastos públicos, o aumento de tributos que incidam sobre o consumo para se obter maior arrecadação, enquanto estes farão jus ao estimulo de economia doméstica e a simplificação de impostos e obrigações acessórias.

Se observado, a busca por desenvolvimento de crédito no Brasil entrou em cena logo nos últimos dias de 2014, quando o governo anunciou medidas para diminuir os gastos públicos com seguro-desemprego, abono salarial, auxilio doença e pensão por morte. De certo a solução é complexa e os rumos a serem tomados devem ser bem pensados e trabalhados, uma vez que essas ações poderão ajudar a fortalecer o âmbito econômico ou obter reações controversas as esperadas.

De fato o aumento de impostos que seguirá sendo observado com a compatibilidade desta elevação com o objetivo de fortalecer a taxa de poupança doméstica é um bom passo para acalmar os ânimos dos denominados consumistas, visando que, quando mais alto o consumo e a facilidade de acesso a crédito, maior a efetivação de divida e menor a economia. Uma vez que o consumo for desestimulado com a alta de juros, a população brasileira tende a aplicar seu dinheiro em poupança (DI ou títulos públicos), sendo hoje um investimento mais viável para a União.

Também, muitos incentivos tributários setorizados serão restringidos, como a redução de IPI dos automóveis, por exemplo, que já deixará de existir. Ainda, poderá vir à tona o aumento do imposto Cide sobre a gasolina, do qual estava zerado desde 2012. Quanto à alta da inflação no começo de 2015, é possível explica-la devido às correções de preços, onde o Banco Central já está monitorando e tomando medidas a fim de controla-la.

Com o déficit da balança comercial de R$10,61 bilhões no fechamento de 2014 considerado o pior desde 1998, quando a diferença foi de R$ 17, 87 bilhões, a situação ficou preocupante. Em 2015, é esperado que o ano feche com superávit de R$ 66.3 bilhões, dos quais R$ 55 bilhões deveram ser encaminhados para o Governo Federal e o restante para os Estados e Municípios. Mesmo diante de tantas formas de arrecadar receita, será difícil de regularizar a situação fiscal do Brasil.

Ainda, há quem vá a procura de um contraponto para impedir Levy de implementar sua posição, o lobby empresarial em Brasília está em busca  de algo que impeça a ação do mãos de tesoura, como é conhecido pelo mercado financeiro. Mesmo que o alinhamento das taxas de juros dos empréstimos da BNDES (Contribuição Provisória sobre movimentação e transmissão de valores e de créditos e Direitos de Natureza Financeira) às empresas traga bilhões de reais nos próximos anos, muitos têm medo de arriscar entrar nesse desafio de modificações.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria