O Direito Eleitoral é peculiar, eis que não fica adstrito a legislação e jurisprudência, mas a resoluções que o TST edita em cada período eleitoral. É importante conhecer as fontes do Direito Eleitoral, de forma a se evitar confusão com outros ramos.

A Principal fonte do Direito Eleitoral é a Constituição Federal, norma que confere validade às demais do Ordenamento jurídico pátrio. Depois da Constituição vem o Código Eleitoral, seguido de leis esparsas, tais como a Lei nº 9.504/97 (Lei das Eleições); Lei nº 64/90 (Lei das inelegibilidades); Lei nº 6.091/74 (dispõe sobre o fornecimento gratuito de transporte aos eleitores das zonas rurais em dias de Eleição); Lei nº 9.096/05 (Lei dos partidos políticos). Outra fonte são as Resoluções do TSE, que sempre são editadas trazendo novidades a cada período eleitoral, notadamente dispondo sobre o calendário eleitoral.

Dentre os textos Constitucionais de maior relevância para o Direito Eleitoral está o art. 14, que trata da soberania popular; do alistamento eleitoral e do voto; das condições de elegibilidade; do limite de reeleição ao segundo mandato; da obrigatoriedade de renúncia de cargo, seis meses antes do pleito, para ocupante de cargo de prefeito, presidente da república  e governador de estado e distrito federal que desejarem concorrer  a novos cargos eletivos; da inelegibilidade por consanguinidade; da impugnação do mandato eletivo; dentre outros aspectos não citados neste post.

Os arts. 15, 16 e 17 da Constituição Federal também são de extrema relevância ao Direito Eleitoral, eis que tratam, respectivamente, da proibição a cassação de direitos políticos bem como condições de perda e suspensão destes; da vacatio legis e da anterioridade da lei eleitoral; por fim, trata dos partidos políticos.

O Código Eleitoral é a norma, a meu ver, mais completa no sentido de tratar de diversos assuntos, não é à toa que tem o nome Código, já que dispõe desde o alistamento eleitoral, passando pela organização da Justiça Eleitoral; eleições; e dispondo sobre o processo eleitoral. Portanto, disciplinando o Sistema Eleitoral, obviamente que com interpretação sistemática, eis que há Leis específicas e Resoluções dispondo sobre pontos já mencionados no Código Eleitoral.

A Lei nº 9.504/97 trata das eleições, dispondo mais detalhadamente sobre o período eleitoral, dispondo, dentre outros itens, sobre o registro de candidatura; sobre as coligações; os comitês financeiros; sobre as prestações de contas; a propaganda eleitoral em geral (veículos como rádio, tv e outdoors); sobre a apuração dos votos e crimes eleitorais.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria