A censura é abominável. Mas também é abominável produzir obras cinematográficas para legitimar a barbárie, corromper o Direito Penal e sabotar o Estado de Direito.

O primeiro filme da trilogia Busca Implacável criou um contexto em que a tortura é justificável em razão da abominável conduta dos traficantes de mulheres na Europahttp://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/taken-a-busca-implacavel. O segundo filme explorou o conflito entre o Ocidente e o Oriente satanizando os habitantes da antiga Cortina de Ferro. O terceiro é ambientado nos EUA e veicula uma ideologia igualmente nociva.

Em Busca Implacável 3 o protagonista interpretado por Liam Neeson é injustamente perseguido por policiais em razão da morte da ex-esposa. O antagonista dele colocou-o em rota de colisão com um perigoso mafioso russo a quem devia dinheiro. O herói é, sem saber, levado a eliminar o russo e seus compardas para zerar a divida do vilão. No final a trama é descoberta e o antagonista, responsável pela morte da ex-esposa do agente secreto aposentado, acaba sendo preso.

Além de punir os responsáveis pela morte de sua ex-esposa, o herói consegue salvar a filha. O policial que o perseguia encerra a investigação apesar de Bryan Mills  ter matado vários russos, alguns deles à sangue frio.

A ideologia nociva veiculada pelo terceiro filme da trilogia Busca Implacável é evidente: em determinadas situações é necessário contornar a legalidade dentro do território dos EUA. Matar alguém é crime. A condição da vítima do homicídio pouco importa. Num Estado de Direito não há e não deve haver justiça privada. Portanto, o herói teria que responder pelos crimes que cometeu por engano. Mas isto não ocorre.

A liberação de Bryan Mills pelo policial sugere algumas conclusões. No imaginário dos idealizadores desta peça de propaganda ideológica disfarçada de filme de ação a vingança privada pode ser virtuosa e o assassinato de russos nos EUA não é crime ou não deve ser considera crime. Além de ser racista, Busca Implacável 3 sugere que o Estado de Direito deve ser uma exceção. As vítimas do protagonista (que representam o mal, os estrangeiros nocivos, os russos abomináveis etc) podem ser eliminadas sem culpa e sem medo de consequências jurídicas.

O filme comentado defende a tese de que o Direito Penal (que pune o homicídio) deve ter sua aplicação suspensa a critério do policial. O Estado não deve perseguir e punir os crimes cometidos por um homem bom que defendeu sua família. É evidente, portanto, que a obra fomenta a barbárie. O filme fornece legitimação cinematográfica para aqueles que acreditam em limpezas sociais baseadas no racismo, no elitismo e na crença de que algumas pessoas devem ter direitos e outras podem ser eliminadas impunemente.

Busca Implacável 3 causa repugnância a qualquer pessoa que acredite na virtude civilizatória do Direito Penal moderno, que protege a vida humana e permite a punição de qualquer criminoso. As exceções (legítima defesa, cumprimento do dever legal, etc...) existem, mas quem comete um crime não pode deixar de ser processado e somente será absolvido se sua culpa não for provada. Aqueles que acreditam na aplicação do Direito Penal do Inimigo*, doutrina nociva que tem influenciado indevidamente a jurisprudência criminal brasileira (especialmente quando a vítima do crime é um suspeito ou criminoso e o réu da ação criminal é policial) provavelmente gostarão deste filme que reforça sua ideologia brutal, irracional e contrária aos princípios civilizatórios contidos na CF/88.


 

*Os interessados em saber o que é o Direito Penal do Inimigo devem consultar o seguinte texto http://www.mpsp.mp.br/portal/page/portal/proc_criminal/Boletins_jurisprudencia/BJ%20021.pdf



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria