O princípio da legalidade é absoluto no tocante à criação de tributos e à alteração da base de cálculo. Admite, todavia,atenuação no que toca à alteração de alíquotas por ato do Poder Executivo, relativamente a certos tributos.

O princípio genérico da legalidade encontra-se consagrado no art. 5º, II, da Constituição Federal (CF), segundo o qual “ninguém será obrigado a fazer ou a deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei”.

Mais adiante, em seu art. 150, I, a Constituição da República proíbe os entes federados de “exigir ou aumentar tributo sem lei que o estabeleça”, fazendo constitucional o princípio da legalidade tributária, também previsto no art. 3º do Código Tributário Nacional (CTN), que define tributo como uma prestação “instituída em lei”. Ainda, o art. 97 do CTN enumera as matérias submetidas à reserva legal.

Sob essas normas, o Superior Tribunal de Justiça (STJ), no Ac. Rec. Esp. 151.625-PE, DJ de 08-02-99, assentou que “Não é lícito, mediante Portaria, instituir tributo, alterar-lhe alíquota ou base de cálculo”.

Quanto à instituição de tributos, esclarece Ricardo Alexandre:

A palavra “exigir”, constante do transcrito art. 150, I, da CF, possui o sentido de cobrar o tributo. Como a cobrança depende, por óbvio, da prévia instituição da exação, o dispositivo acaba por impor que o tributo só pode ser criado por lei, seja ordinária, casos que pode haver a utilização de Medida Provisória, ou complementar (somente no caso de Empréstimos Compulsórios, do Imposto sobre Grandes Fortunas – IGF, e dos Impostos ou Contribuições Residuais – conforme os arts. 148; 153, VII; 154, I e 195, § 4º, todos da CF. (Direito Tributário Esquematizado. 3. ed. São Paulo: Método, 2009. p. 103.)

Pode-se dizer, pois, que o princípio da legalidade não possui exceções quanto à criação de tributos.

No que concerne à alteração de alíquotas, todavia, observam-se atenuações ao princípio da legalidade tributária. Com efeito, veja-se o que dispõe o art. 153, §1º da Constituição Federal:

Art. 153. Compete à União instituir impostos sobre:

I - importação de produtos estrangeiros;

II - exportação, para o exterior, de produtos nacionais ou nacionalizados;

III - renda e proventos de qualquer natureza;

IV - produtos industrializados;

V - operações de crédito, câmbio e seguro, ou relativas a títulos ou valores mobiliários;

VI - propriedade territorial rural;

VII - grandes fortunas, nos termos de lei complementar.

§ 1º - É facultado ao Poder Executivo, atendidas as condições e os limites estabelecidos em lei, alterar as alíquotas dos impostos enumerados nos incisos I, II, IV e V.

[...]

Dessa forma, é facultado ao Poder Executivo Federal, independentemente de lei, “alterar as alíquotas” do Imposto de Importação, do Imposto de Exportação, do Imposto sobre Produtos Industrializados e do Imposto sobre Operações Financeiras – impostos considerados extrafiscais.

Ainda, com o advento da Emenda Constitucional 33/2001, passou-se a permitir ao Poder Executivo também a redução e o restabelecimento das alíquotas da CIDE-Combustíveis (art. 177, § 4º, I, b, da CF), bem como ao Poder Executivo dos Estados e do Distrito Federal, mediante convênio, a definição das alíquotas do ICMS-monofásico incidente sobre combustíveis definidos em lei complementar (CF, art. 155, § 4º, IV).

A par do exposto, importante notar que, conquanto a Constituição Federal preveja a possibilidade de alteração das alíquotas de certos tributos pelo Poder Executivo, silencia quanto à espécie de ato normativo que deverá ser utilizado por esse Poder para concretizar a alteração. A respeito do assunto, veja-se, mais uma vez, a lição de Ricardo Alexandre:

[...] Apesar de a maioria da doutrina entender que deve ser um Decreto Presidencial, deve-se repisar que a Constituição Federal de 1988 não afirma isto.

Na prática, as alíquotas dos tributos aduaneiros (II e IE) têm sido alteradas por Portaria do Ministro da Fazenda, enquanto o IPI e o IOF têm suas alíquotas alteradas por decreto. Em ambos os casos, a alteração tem sido feita por ato do Poder Executivo, não havendo desobediência ao texto constitucional (idem, p. 103.)

Roberval Rocha Ferreira Filho e João Gomes da Silva Júnior lecionam (Direito Tributário. Teoria, Jurisprudência e Questões. 2ª ed. Salvador: Juspodivm, 2008. p. 112.):

No caso de ICMS sobre combustíveis e lubrificantes, as alíquotas são definidas por convênio entre Estados e DF, e o ato do Poder Executivo não é um decreto, mas uma deliberação entre os representantes dos entes federativos. Nos demais casos, o ato do Poder Executivo também não será, necessariamente, um decreto:

A faculdade de alteração das alíquotas do imposto de importação, nos termos do § 1º do art. 153 da Constituição Federal, foi conferida ao Poder Executivo, e não apenas ao Presidente da República (TRF5. INAMS 94.05.46994/PE. Rel. Juiz Ridalvo Costa. DJ 04.05.1998). 

O julgado do STJ anteriormente mencionado ainda fala sobre a impossibilidade de se alterar, mediante portaria, a base de cálculo do tributo.

A afirmativa, por certo, é verdadeira, mas merece ponderações relativas à atualização monetária da base de cálculo do tributo (CTN, art. 97, § 2º), que não está abrangida pelo princípio da legalidade. Gize-se que aqui se fala em “atualização monetária”, e não em “aumento” da base de cálculo (ALEXANDRE, Ricardo. Op. cit. p. 102.).

Conclui-se, pois, que o julgado referido relaciona-se diretamente com o princípio da legalidade tributária, merecendo destaque as atenuações ao mencionado princípio. Como exposto, não há exceções ao princípio da legalidade quanto à criação de tributos e à alteração da base de cálculo (embora esta aceite atualização do valor monetário por outros meios que não a lei), mas certas espécies tributárias admitem a alteração de suas alíquotas por ato do Poder Executivo.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

ALEXANDRE, Ricardo. Direito Tributário Esquematizado. 3. ed. São Paulo: Método, 2009.

FERREIRA FILHO, Roberval Rocha; SILVA JÚNIOR, João Gomes. Direito Tributário. Teoria, Jurisprudência e Questões. 2ª ed. Salvador: Juspodivm, 2008.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria