Este breve estudo ensina a responsabilidade civil dos profissionais da área odontológica. Relata também, a discussão da transfusão de sangue dos praticantes da religião Testemunha de Jeová e a responsabilidade civil dos hospitais.

                                                             

Resumo

Este breve estudo ensina a responsabilidade civil dos profissionais da área odontológica, seus reflexos e discussões. Relata também, a discussão da transfusão de sangue dos praticantes da religião Testemunha de Jeová e a responsabilidade civil dos profissionais. E, por fim, a responsabilidade civil dos hospitais aos quais os profissionais da área odontológica se utilizam para o desenvolvimento dos procedimentos.   

Palavras-chave: Responsabilidade Civil odontológica. Profissional liberal. Dentistas e responsabilidades. Transfusão de sangue e a responsabilidade odontológica. Responsabilidade civil do hospital.

Introdução

            Este estudo informa sobre o tema, sempre polêmico, da responsabilidade civil dos profissionais liberais, mais especificadamente, o profissional da área odontológica.  

            O estudo aborda também a distinção da obrigação de meio e a de resultado, uma vez que é fator determinante para a caracterização da responsabilidade civil, pela culpa ou sem a mesma.

            Ademais, destaca também a responsabilidade civil dos hospitais, local onde os profissionais da carreira odontológica prestam serviços.

            E, por fim, a abordagem do tema delicado e muito discutido no tocante a transfusão de sangue do praticante da religião Testemunha de Jeová e a responsabilidade civil odontológica.

1. Responsabilidade Civil dos profissionais da área Odontológica

O profissional na área odontológica é considerado como profissional liberal. Realiza sua função personalíssima, tem sua escolha livre e possui autonomia para praticar seus conhecimentos.

O CDC - Código Brasileiro de Defesa do Consumidor, Lei 8.078/90,  definiu o que é profissional liberal, em seu artigo 14, parágrafo 4º, que diz: 

“A responsabilidade pessoal dos profissionais liberais será apurada mediante a verificação de culpa.”

Assim, qualquer pessoa que faça a leitura do referido artigo chega a uma interpretação que apenas com a culpa poderia responsabilizar os profissionais liberais, ocorre que não é bem assim. Pois há a chamada responsabilidade objetiva.

Neste sentido, o CDC adotou a Teoria do Risco para as relações de consumo, ou seja,:

“...aquele que cria um risco para o consumidor a partir de sua atividade econômica, para a obtenção de lucro, deve indenizar os danos causados pelo produto ou serviço objeto desta atividade.”

           Ou seja, apenas cabe ao consumidor provar o nexo causal e a ocorrência do dano. O ônus da prova é por parte do fornecedor de serviços. Todavia, para se chegar a esta conclusão é necessário conhecer o que seria obrigações de meio e de resultado.
                   Em diapasão com o jurista Washington de Barros Monteiro:

“...nas obrigações de resultado, obriga- se o devedor a realizar um fato determinado, adstringe- se a alcançar certo objetivo. Nas obrigações de meio, o devedor obriga- se a empregar diligência, a conduzir- se com prudência, para atingir a meta colimada pelo ato.”

Assim, em apertada síntese, as obrigações de resultado são aquelas que o profissional garante o final com êxito das suas atividades; já as obrigações de meio são aquelas que o profissional tomará todas as providências para o resultado positivo da atividade, mas, no entanto, não garante que vai conseguir, exemplo clássico dos doutrinadores é o tratamento da AIDS.

Portanto, para saber se a obrigação é de meio ou de resultado devemos perguntar:

a) forma de contratação?; e

b) possibilidade física de se atingir o resultado útil da obrigação contratada?

 

Especialidade

Natureza Obrigacional

Dentística restauradora

Resultado

Ortodontia

Resultado

Patologia bucal

Resultado

Prótese dentária

Resultado

Odontologia em saúde coletiva

Resultado

Radiologia

Resultado

Endodontia

Resultado

Cirurgia a Traumatologia Buco Maxilo Facial

Meio

Odontologia Legal

Resultado e meio

Odontopediatria

Resultado e meio

Periodontia

Resultado e meio

Prótese Buco Maxilo Facial

Resultado e meio

Estomatologia

Resultado e meio

Implantodontia

Resultado e meio

*Fonte: quadro ilustrativo retirado da obra de Oliveira

Em contra mão à responsabilidade, devemos destacar as hipóteses de excludentes de responsabilidade do profissional da área odontológica, quais são:
o estado de necessidade; a legítima defesa; a culpa de terceiro; culpa exclusiva da vítima; caso fortuito (imprevisto) e a força maior (sabe que vai acontecer, mas não pode evitá-lo).

            A fim de esclarecermos os profissionais desta área, principalmente, trazendo o direito e sua proteção jurídica para a prática do dia a dia, devemos destacar a chamada “cláusula de não indenizar”.

O que é isso? Assim que é firmada a obrigação do profissional da área odontológica de prestar o serviço e, por conseguinte, a obrigação do paciente de pagar o tratamento, neste momento nasceu à obrigação bilateral, mais tecnicamente preciso sinalagmática. Ou seja, obrigações e direitos para o profissional, bem como para o paciente. Neste momento, é imprescindível que seja realizado o contrato. Sem nos atermos as demais cláusulas importantes, é de grande valia que exista a previsão da chamada “cláusula de não indenizar”, onde a responsabilidade é do agente. Contudo, conforme a doutrina mais recente e as jurisprudências atualizadas, tal previsão só são possíveis nas obrigações de meio.

Por fim, não se pode afastar que a análise da responsabilidade civil do profissional, deve ser analisada caso a caso, em decorrência dos pormenores existentes em cada situação.

           2. Responsabilidade Civil dos hospitais e os profissionais da área odontológica

Destacamos, de forma sucinta, a responsabilidade civil dos hospitais, uma vez que muitos dos leitores realizam operações naquele local. Assim, a despeito do que prevê o §4º, do art. 14 do CDC, estabeleceu em norma excepcional a responsabilidade subjetiva do profissional liberal, inclusive a do Dentista. O STJ – Superior Tribunal de Justiça, tem estendido que esta responsabilidade também é subjetiva (REsp 258.389/SP e REsp 908.359/SC). Ou seja, depende de comprovação de culpa.

2. Transfusão de sangue dos praticantes da religião Testemunha de Jeová e a responsabilidade civil dos profissionais da área odontológica

A fim de informarmos os profissionais da área odontológica no que se refere à delicada situação da transfusão de sangue como único meio terapêutico para salvar a vida de paciente adepto da religião Testemunhas de Jeová, devemos destacar que existem duas correntes doutrinárias.

Sendo que a primeira, defendida pelo grande jurista Gustavo Tepedino, à luz da Dignidade da pessoa humana e do principio da Liberdade de Consciência e Crença, afirma que a vontade contraria do paciente deverá ser respeitada.

Por outro lado, temos a segunda corrente, defendida por outros juristas e o CFM - Conselho Federal de Medicina que, por sua vez, com base no Principio da Proporcionalidade e de que não há ireitos fundamentais absolutos, defendem a Supremacia do Direito à vida, apta a justificar a necessária intervenção médica (conforme prevê a antiga resolução 1021/80 do CFM – Conselho Federal de Medicina, e Apelação Civil 123.430-4 do TJ/SP).  

Bibliografia Consultada

CFM, Conselho Federal de Medicina, Resolução 1021/80.

CDC, Código de Defesa do Consumidor, art. 14.

MONTEIRO, Washington de Barros, Curso de Direito Civil.

STJ, Apelação Civil 123.430-4 do TJ/SP.

STJ, REsp 258.389/SP e REsp 908.359/SC.

       



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria