Competência atrapalha?

O título parece absurdo, não é mesmo?

Contudo, uma realidade que acontece no cotidiano do dia a dia: Empresas onde o bom funcionário, aquele que tem um diferencial, aquele que realmente se dedica, fica preso na carreira enquanto o mediano avança.

Por que isto ocorre?

Na maioria das vezes por preguiça de analisar o próprio negócio.

Preguiça de ver quem é quem nas atividades.

Preguiça delegada a outro funcionário – na maioria das vezes alguém até com menos função/visão do que o avaliado.

Preguiça de ver que o negócio é seu e a partir do seu tato, estratégia e visão deve crescer e não de um ou outro colaborador.

E quando isto existe, o que pode fazer o colaborador que quer crescer?

Uma interessante reportagem nos brinda com algumas dicas:

No início de carreira, a tática é simples: desenvolver habilidades, trabalhar com empenho, fazer sacrifícios. Mas essa lógica – que funcionou tão bem até então – pode se tornar uma armadilha com o passar do tempo, impedindo que o profissional atinja o topo da corporação. É a “maldição da competência” – expressão cunhada pela consultora americana Aimee Cohen, autora do livro Woman Up!: Overcome the 7 Deadly Sins that Sabotage Your Success (algo como “Mulher para cima!: Sobrepuje os 7 pecados mortais que sabotam o seu sucesso”). “A pessoa ficou tão boa no que faz que se tornou indispensável, sendo preterida em promoções”, diz. Segundo Aimee, isso afetaria sobretudo as mulheres. “Infelizmente, é uma tendência comum em executivas”, diz. Ela mostra como evitar que a carreira estacione por excesso de competência.

1) Atitude proativa. Quando a chefia não enxerga o potencial extra da subordinada, cabe a ela se fazer notar. Aconselhada por Aimee, uma executiva montou uma apresentação em slides ao chefe, mostrando como a empresa lucraria se ela recebesse uma promoção.

2) Evite o ressentimento. A profissional preterida deve evitar o confronto agressivo com a chefia. Soa óbvio, mas de acordo com Aimee, é comum extravasar frustração nessas horas. “Não critique o chefe por não ter sido promovida.”

3) Aborde o assunto com tato. Ao mostrar ao chefe que está pronta a assumir maiores desafios, num cargo de mais responsabilidade, a profissional corre o risco de melindrá-lo.

4) Aprenda a mexer os pauzinhos. Segundo Aimee, muitas executivas, apesar de competentes, são ingênuas e pouco versadas nos meandros de poder da corporação. “Para ‘vender’ efetivamente a proposta de promoção, é fundamental conhecer bem a estrutura corporativa, quais são os maiores desafios da companhia, quem são as pessoas mais influentes”, diz a consultora.

Fonte: http://epocanegocios.globo.com/Inteligencia/noticia/2015/01/competencia-demais-atrapalha.html

E se nada disto funcionar?

Sempre haverá outra empresa, outro mercado, outra possibilidade.

A vida é feita de escolhas e se a empresa que você está for preguiçosa para analisar o seu talento, escolha outra.

E para aqueles que pensam como empresários, a verdade é a mesma, se for um talento, aprenda a conquistá-lo. Se não for, que outra empresa seja a morada da felicidade deste funcionário.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria