O presente artigo presta brevíssimas considerações acerca de LC 140/11 e a dificuldade de sua aplicação prática.

A Constituição Federal, em seu art. 23, estabelece o seguinte:

“Art. 23. É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios:

I - zelar pela guarda da Constituição, das leis e das instituições democráticas e conservar o patrimônio público;

II - cuidar da saúde e assistência pública, da proteção e garantia das pessoas portadoras de deficiência.

III - proteger os documentos, as obras e outros bens de valor histórico, artístico e cultural, os monumentos, as paisagens naturais notáveis e os sítios arqueológicos;

IV - impedir a evasão, a destruição e a descaracterização de obras de arte e de outros bens de valor histórico, artístico ou cultural;

V - proporcionar os meios de acesso à cultura, à educação e à ciência;

VI - proteger o meio ambiente e combater a poluição em qualquer de suas formas;

VII - preservar as florestas, a fauna e a flora;

VIII - fomentar a produção agropecuária e organizar o abastecimento alimentar;

IX - promover programas de construção de moradias e a melhoria das condições habitacionais e de saneamento básico;

X - combater as causas da pobreza e os fatores de marginalização, promovendo a integração social dos setores desfavorecidos;

XI - registrar, acompanhar e fiscalizar as concessões de direitos de pesquisa e exploração de recursos hídricos e minerais em seus territórios;

XII - estabelecer e implantar política de educação para a segurança do trânsito.

Parágrafo único. Leis complementares fixarão normas para a cooperação entre a União e os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, tendo em vista o equilíbrio do desenvolvimento e do bem-estar em âmbito nacional. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006)”

O dispositivo supra demarcou a área das atribuições materiais ou de execução exercitáveis, em parceria, por todos os integrantes da Federação, convocados para uma ação conjunta e permanente, visando ao atendimento de objetivos de interesse público, de elevado alcance social, a demandar uma soma de esforços.[1]

Portanto, segundo o dispositivo acima conferido, em se tratando de matéria ambiental deve haver a cooperação dos entes federativos. A fim de regulamentar a norma constitucional, com relação aos incisos destacados, surge, em 2011, a Lei Complementar nº 140.

A Lei Complementar surgiu com o objetivo de fixar normas nos termos dos incisos III (meio ambiente cultural), VI (proteção do meio ambiente e combate à poluição em todas as suas formas) e VII (preservação das florestas, da fauna e da flora) do caput e do parágrafo único do art. 23 da CF, “visando a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios nas ações administrativas decorrentes do exercício da competência comum relativas à proteção das paisagens naturais notáveis à proteção do meio ambiente, ao combate da poluição em qualquer de suas formas e à preservação das florestas, da fauna e da fora”[2].

Objetiva-se desfederalizar procedimentos que antes de sua vigência concentravam-se apenas no âmbito da União Federal.

Cumpre esclarecer que a legislação ora discutida está em harmonia com o conteúdo da Lei nº 6.938/81 (Política Nacional do Meio Ambiente), ratificando no plano legislativo todos os argumentos anteriormente aduzidos.[3]

A Lei Complementar nº 140/11 se inicia, em seu art. 2º, com a apresentação dos conceitos de licenciamento ambiental, atuação supletiva e atuação subsidiária. Já no art. 3º corrobora com a intenção legislativa do Constituinte de 1988 acerca da cooperação entre os entes federativos, listando seus objetivos comuns. Somente a título de exemplo, cite-se a garantia ao equilíbrio do desenvolvimento socioeconômico com a proteção do meio ambiente, observando a dignidade da pessoa humana, a erradicação da pobreza e a redução das desigualdades sociais e regionais.[4]

O art. 4º estabelece formas de cooperação entre os entes, dentre os quais estão os consórcios públicos, convênios, acordos de cooperação técnicas, delegação de atribuições de um ente a outro, delegação de execução das ações administrativas, fundos públicos e privados.

Já em seu art. 6º a Lei trata das ações de cooperação, tratando nos arts. 7º, 8º e 9º das ações administrativas da União, dos Estados e dos Municípios, respectivamente.

Tratando-se de ações administrativas dos Municípios, cite-se a execução, no âmbito Municipal, das Políticas Nacionais e Estaduais de Meio Ambiente, o exercício da gestão de recursos ambientais no âmbito de suas atribuições e a promoção da integração de programas e ações de órgãos e entidades da administração pública federal, estadual e municipal relacionadas à proteção e a gestão ambiental.

A título de exemplo da aplicação da Lei Complementar nº 140/2011, cite-se, no âmbito do Estado de Minas Gerais, acordo de cooperação técnica firmado no dia 5 de junho de 2013 entre IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais), SEMAD (Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável) e IEF (Instituto Estadual de Florestas). O acordo visa a união de esforços entre o Estado de Minas Gerais e a União na gestão da fauna no Estado.

Não obstante a legislação em comento estar em vigor, a doutrina faz duras críticas a sua aplicação prática. Édis Milaré assegura que “os entes federativos não podem atuar autônoma e indistintamente sobre as matérias discriminadas no art. 23 da CF, de modo cumulativo, ou, ainda, pretender sobrepor-se uns aos outros, sob pena de invalidação dos atos que excederem os limites legais”[5]. Assim, a falta de equilíbrio na atuação simultânea dos entes em prol da defesa do meio ambiente gera enorme insegurança jurídica.[6]

Assim como Milaré, Vladmir Freitas também escreveu sobre o tema[7]:

“A insegurança que se cria com a indefinição a todos prejudica. Ao meio ambiente, porque não sabe a quem dirigir-se para a solução de suas pretensões e até mesmo para reinvidicar ao Poder Judiciário (federal ou estadual, dependendo do órgão ambiental)”

Ademais, o grande questionamento que se faz acerca da aplicação da legislação diz respeito a fiscalização. Vejamos o conteúdo do art. 17 da LC 140/11:

“Art. 17. Compete ao órgão responsável pelo licenciamento ou autorização, conforme o caso, de um empreendimento ou atividade, lavrar auto de infração ambiental e instaurar processo administrativo para a apuração de infrações à legislação ambiental cometidas pelo empreendimento ou atividade licenciada ou autorizada.

§ 3o O disposto no caput deste artigo não impede o exercício pelos entes federativos da atribuição comum de fiscalização da conformidade de empreendimentos e atividades efetiva ou potencialmente poluidores ou utilizadores de recursos naturais com a legislação ambiental em vigor, prevalecendo o auto de infração ambiental lavrado por órgão que detenha a atribuição de licenciamento ou autorização a que se refere o caput”.

Como se observa, o caput do art. 17 assegura que compete ao órgão responsável pelo licenciamento a fiscalização do empreendimento, ao passo que seu § 3o informa que não há impedimento deste exercício pelos entes da atribuição comum. Os dispositivos acima estariam entrando em contradição dentro da mesma norma?

A solução da situação exposta não é pacífica. Tanto a doutrina quanto a jurisprudência divergem bastante neste tema.

No entanto, adiante-se o posicionamento adotado por este trabalho, que corrobora com a posição de Édis Milaré, senão vejamos:

“A competência para fiscalizar está igualmente prevista no art. 23 da Constituição de 1988 e se insere, portanto, dentro da competência comum de todos os entes federados. A interpretação do referido artigo, no tocante à fiscalização ambiental, deve ser feita de forma ampliativa, no sentido de que a atividade seja exercida cumulativamente por todos os entes federados”.

Entende-se que a Lei Complementar não poderia limitar ou reduzir a competência comum prevista no art. 23 da Constituição Federal. Somente a própria Constituição poderia impor qualquer limitação na atuação dos entes federados.

Muito embora alguns entendam que a fiscalização compete apenas ao ente licenciador, a legislação deve ser interpretada à luz dos dispositivos Constitucionais ambientais. Neste sentido, ao fazer uma leitura integrada das normas, conclui-se que não pode a lei complementar tolher um direito constitucionalmente garantido em 1988. 

BIBLIOGRAFIA

           

MILARÉ, Édis. Direito do Ambiente. – 9. Ed. Rev., atual. E ampl. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2014

FIORILLO, Celso Antonio Pacheco. Curso de Direito Ambiental Brasileiro. São Paulo: Saraiva, 2013.

ALMEIDA, Fernanda Dias Menezes de. Comentário ao art. 23, caput. In: CANOTILHO, J. J. Gomes; MENDES, Gilmar F.; SARLET, Ingo W.; STRECK, Lenio L. (Coords.) Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva/Almedina, 2013. P. 747.

Lei Complementar nº 140/2011

FREITAS, Vladmir Passos de. A Constituição Federal e a efetividade das normas ambientais. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2000.


[1] ALMEIDA, Fernanda Dias Menezes de. Comentário ao art. 23, caput. In: CANOTILHO, J. J. Gomes; MENDES, Gilmar F.; SARLET, Ingo W.; STRECK, Lenio L. (Coords.) Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva/Almedina, 2013. P. 747.

[2] FIORILLO, Celso Antonio Pacheco. Curso de Direito Ambiental Brasileiro. São Paulo: Saraiva, 2013.

[3] Idem

[4] Art. 3º, II da Lei Complementar 140/11

[5] MILARÉ, Édis. Direito do Ambiente. – 9. Ed. Rev., atual. E ampl. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2014.

[6] Idem

[7] FREITAS, Vladmir Passos de. A Constituição Federal e a efetividade das normas ambientais. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2000. p. 81-82.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria