Trata-se de artigo jurídico que tem por finalidade diferenciar Administração Pública Indireta em sentido formal, subjetiva ou orgânica de Administração Pública Indireta em sentido material, objetiva ou funcional, e apontar qual destes o Brasil adota.

A Constituição da República Federativa do Brasil, em seu artigo 37, caput, é clara ao afirmar que “a administração pública direta e indireta de qualquer dos poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência...”.

Numa concepção administrativa, a Administração Pública pode ser vista em sentido amplo e em sentido estrito. Em sentido amplo, nas palavras de Marcelo Alexandrino e Vicente Paulo, “abrange os órgãos de governo, que exercem função política, e também os órgãos e pessoas jurídicas que exerçam função meramente administrativa”.Deve-se entender por função política, nesse prisma, o estabelecimento de diretrizes e programas de governo, dos planos de atuação e a fixação das denominadas políticas públicas. De outro modo, a função meramente administrativa diz respeito aos órgãos e agentes administrativos quando da execução das políticas públicas e diretrizes formuladas pela atividade política. Desse modo, a função meramente administrativa restringe-se tão somente a execução das diretrizes e políticas públicas já estabelecidas.

Quanto a Administração Pública em sentido estrito, trata-se tão somente dos órgãos e pessoas jurídicas que exerçam função meramente administrativa e aos órgãos e entidades que as desempenham.

Desse modo, visto tal noção introdutória quanto à abrangência da Administração Pública, reportar-nos-emos, por demais, à função meramente administrativa, sem qualquer consideração à atuação política, que por sua vez não significa atuar ao arrepio da lei. Assim, sob a ótica da função estritamente administrativa, a Administração Pública pode ser vista em sentido formal, subjetivo ou orgânico e Administração Pública em sentido material, objetivo ou funcional.

Administração Pública em sentido formal, subjetiva ou orgânica, nas palavras de Dirley da Cunha Júnior, “corresponde a um conjunto de pessoas ou entidades jurídicas (de direito público ou de direito privado), de órgãos públicos e de agentes públicos, que formam o aparelhamento orgânico ou estrutura formal da Administração. Vale dizer, leva em conta o sujeito da Administração”.

Sendo assim, interpretando os dizeres do Professor Dirley, nota-se que Administração Pública em sentido formal é tão somente reconhecer a função a partir do regime jurídico ao qual se encontra submetida, sem qualquer consideração à matéria ou função de natureza pública.

Nas palavras de Vicente Paulo e Marcelo Alexandrino, Administração em sentido formal, subjetivo ou orgânico “é o conjunto de órgãos, pessoas jurídicas e agentes que o nosso ordenamento jurídico identifica como Administração Pública, não importa a atividade que exerçam”.

Quanto à análise da Administração Pública em sentido material, objetivo ou funcional, representa o conjunto de atividades que são consideradas típicas da atividade administrativa, uma vez que são usualmente desempenhadas pela Administração Pública brasileira. Dentre tais atividades, destacam-se a atividade de serviço público, que tem por finalidade executar, direta ou indiretamente, sob regime de predominância pública, para satisfação imediata de uma necessidade ou utilidade pública; polícia administrativa, caracterizada pela imposição às atividades privadas em prol da coletividade; fomento, de forma à incentivar a atuação privada nos vários setores da administração pública e a atividade de intervenção, abrangendo toda forma interventiva do Estado no setor privado, exceto a sua atuação direta como agente econômico.

Destarte, para o Professor Dirley,dentre os critérios apontados, “o que melhor satisfaz é o critério objetivo material, à medida que procura definir a função administrativa examinando o seu conteúdo. Assim, independentemente do sujeito ou poder que a exerça ou do regime jurídico em que se situa, a função é administrativa quando destinada a atender, por meio da execução dos atos legislativos e de maneira direta e imediata, o interesse da coletividade”.

Registra-se que o Brasil adota o critério formal de Administração Pública, de forma que somente é Administração Pública, juridicamente, aquilo que nosso direito assim considera, não importa a atividade que exerça.

Assim é a literalidade do artigo 4°, I, II, III e IV doDecreto-Lei n° 200/1967, que dispõe sobre a organização da Administração Federal, estabelecendo diretrizes para a Reforma Administrativa, in verbis:

Art. 4° A Administração Federal compreende:

I – A Administração Direta, que se constitui dos serviços integrados na estrutura administrativa da Presidência da República e dos Ministérios.

II – A Administração Indireta, que compreende as seguintes categorias de entidades, dotadas de personalidade jurídica própria:

  1. Autarquias;
  2. Empresas Públicas;
  3. Sociedade de Economia Mista;
  4. Fundações Públicas.

Todavia, em que pese haver doutrinadores que entendem que o melhor critério a ser adotado seria o critério material ou funcional, a legislação pátria é límpida quanto a tal assunto, na medida em que adota o critério formal ou orgânico de Administração Indireta.

Por fim, a título de esclarecimento informativo, destaca-se o entendimento doutrinário e jurisprudencial acerca da abrangência do artigo 4°, incisos I e II, alíneas a, b, c e d, do Decreto-Lei 200/1967, uma vez que, em que pese tal comando tratar especificamente da Administração Federal, os demais entes federados também devem obediência a tal simetria, não podendo criar outras espécies de Administração Indireta, senão as modalidades já estabelecidas na referida norma infralegal.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

1

  • 0

    regis pereira de souza

    Boa tarde Paulo.
    Gostaria de saber sua opinião se você considera o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal pertencentes à administração pública no sentido subjetivo por força do artigo 4º da Lei n° 200/1967, ou faz parte da administração pública no sentido objetivo por preencher o requisito de intervenção administrativa. Obrigado.

Livraria