Exposição acerca do instituto do direito penal.

O livramento condicional corresponde a última etapa do cumprimento de pena no sistema progressivo. Sua finalidade  é facilitar a reinserção do condenado e também diminuir os efeitos negativos da prisão, porém não a substitui, apenas muda a maneira de executar a pena. O indivíduo continua vigiado e sob condições, para demonstrar sua verdadeira recuperação. É  a aprendizagem da nova vida em liberdade, mas ainda assim pode ocorrer a possibilidade de reingresso na prisão em caso de má conduta.

Apesar de contrariar a rigorosa exigência da justiça sobre o cumprimento integral da pena, o livramento condicional reflete o espírito que orienta o Direito Penal Moderno, o qual é visa um plano de política criminal voltado para a recuperação social do condenado.

Através da Reforma de 1984, o livramento condicional tornou-se mais acessível. Dessa forma, atualmente a pena inferior à dois anos pode beneficiar-se com a suspensão condicional; a superior à dois anos dispõe do livramento condicional; e a pena de dois exatos pode beneficiar-se tanto com a suspensão como com o livramento condicional. Nessa última hipótese, as circunstâncias e os fins da pena é que indicarão a medida mais adequada.

Para que o sentenciado possa desfrutar do convívio social novamente sob determinadas condições, são necessários alguns requisitos:

  1. Requisitos Objetivos
  1. Natureza e quantidade de pena: somente a pena privativa de liberdade igual ou superior à dois anos pode ser objeto do livramento condicional. A soma de penas é permitida.
  2. Cumprimento de parte da pena: o apenado deve, obrigatoriamente, cumprir uma parcela da pena aplicada. Os não reincidentes em crime doloso e com bons antecedentes deverão cumprir mais de um terço da pena imposta; já o reincidente, mais da metade. A pena provisória pode ser levada em conta, e não é necessário que o condenado passe pelos três regimes penais.
  3. Reparação do dano, salvo efetiva impossibilidade: a reparação do dano é uma obrigação civil decorrente da sentença penal condenatória, e o sentenciado que não puder satisfazê-lo deverá fazer prova efetiva da incapacidade.

  1. Requisitos Subjetivos – referem-se a pessoa do condenado.
  1. Bons antecedentes:  devem ser considerados como antecedentes, aqueles fatos ocorridos antes do cumprimento da pena, mesmo que tenham ocorrido após o ato delituoso.
  2. Comportamento satisfatório durante a execução: A capacidade de readaptação do condenado deve ser demonstrada e observada em suas diversas atividades diárias e em seus contatos permanentes com seus colegas de infortúnio, com o pessoal penitenciário e, particularmente, com os demais membros da comunidade exterior em suas oportunidades vividas fora do cárcere.
  3. Bom desempenho no trabalho: Tanto o trabalho prisional como o trabalho externo caracterizam um dos mais importantes fatores na tarefa ressocializadora do delinqüente com elevada função pedagógica, pois preocupa-se com o desenvolvimento do indivíduo de autogerir-se, aptidão que lhe será indispensável na vida livre.
  4. Aptidão para prover a própria subsistência com trabalho honesto: Requisito e conseqüência do anterior. Da avaliação do desenvolvimento obtido no trabalho durante a fase de execução da pena pode-se chegar a conclusões sobre as reais condições do sentenciado para prover sua subsistência e de sua família, mediante atividade lícita. A lei não determina que o apenado deve ter emprego assegurado no momento da liberação, apenas a aptidão para tal.

  1. Requisito específico: forma ou meio que se deve utilizar para constatar a probabilidade de o apenado voltar ou não a delinqüir.

Pelo livramento condicional o apenado conquista a liberdade antecipadamente, porém em caráter provisório e sob condições de caráter obrigatório e também facultativo, a seguir demonstradas:

  1. Condições obrigatórias:

- obter ocupação lícita dentro de prazo razoável

- comunicar ao juiz, periodicamente, sua ocupação

- não mudar do território da comarca sem prévia autorização judicial

  1. Condições facultativas: eleitas pelo juiz e sua imposição é facultativa, porém seu cumprimento é obrigatório.

- não mudar de residência sem comunicar ao juiz e as autoridades incumbidas da observação e proteção cautelar

- recolher-se à habitação em hora fixada

- não freqüentar determinados lugares

- abstenção de práticas delituais

As condições judiciais podem ser modificadas no transcorrer do livramento, visando sempre atender aos fins da pena e a situação do condenado. Sua eventual não-aceitação torna sem efeito o livramento condicional.

É necessário prever conseqüências efetivas ao descumprimento das condições. Logo, seu descumprimento pode levar à revogação da liberdade conquistada. Além do descumprimento das condições legais ou judiciais, outras causas podem revogar obrigatoriamente o livramento.

São causas de revogação obrigatória:

  1. Condenação irrecorrível por crime cometido durante a vigência do livramento condicional
  2. Condenação por crime cometido antes da vigência do livramento condicional

São causas de revogação facultativa:

  1. Descumprimento de qualquer das obrigações constantes na sentença
  2. Condenação, por crime ou contravenção, a pena que não seja privativa de liberdade

Pode ocorrer também a suspensão do livramento condicional, a qual não se confunde com a revogação, por seu caráter provisório. A suspensão fica no aguardo de decisão final sobre o novo crime, que, se for condenatória, aí sim, determinará a obrigatória revogação do benefício.

BIBLIOGRAFIA

Manual de Direito Penal – Cezar Roberto Bittencourt



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria