Este breve artigo trata dos ofícios apresentados pelas associação de magistrados AMB, AJUFE e ANAMATRA à Presidência da República, solicitando, dentre outros, o veto dos parágrafos 1º e 3º do artigo 489 do novo CPC.

Há poucos dias, os meios de comunicação noticiaram que três associações de magistrados (AMB, AJUFE e ANAMATRA) apresentaram ofícios à Presidência da República, solicitando que sejam vetados os parágrafos 1º, 2º e 3º do artigo 489 do novo CPC, que possuem a seguinte redação:

Art. 489. São elementos essenciais da sentença:

[...]

§ 1º Não se considera fundamentada qualquer decisão judicial, seja ela interlocutória, sentença ou acórdão, que:

I – se limitar à indicação, à reprodução ou à paráfrase de ato normativo, sem explicar sua relação com a causa ou a questão decidida;

II – empregar conceitos jurídicos indeterminados, sem explicar o motivo concreto de sua incidência no caso;

III – invocar motivos que se prestariam a justificar qualquer outra decisão;

IV – não enfrentar todos os argumentos deduzidos no processo capazes de, em tese, infirmar a conclusão adotada pelo julgador;

V – se limitar a invocar precedente ou enunciado de súmula, sem identificar seus fundamentos determinantes nem demonstrar que o caso sob julgamento se ajusta àqueles fundamentos;

VI – deixar de seguir enunciado de súmula, jurisprudência ou precedente invocado pela parte, sem demonstrar a existência de distinção no caso em julgamento ou a superação do entendimento.

§ 2º No caso de colisão entre normas, o juiz deve justificar o objeto e os critérios gerais da ponderação efetuada, enunciando as razões que autorizam a interferência na norma afastada e as premissas fáticas que fundamentam a conclusão.

§ 3º A decisão judicial deve ser interpretada a partir da conjugação de todos os seus elementos e em conformidade com o princípio da boa-fé.

O argumento utilizado nos ofícios seria o de que analisar todos os fundamentos apontados pelas partes burocratizaria o processo, comprometendo sua celeridade.

No que concerne aos parágrafos 1º e 3º, com as vênias devidas às associações e aos bons magistrados que integram o Judiciário brasileiro, esse argumento de comprometimento da celeridade nem de longe serve para supedanear o solicitado veto.

É que, conforme lições até introdutórias de Direito Processual Civil, o processo não tem, obrigatoriamente, que ser célere, rápido. A Constituição positivou, como corolário do devido processo legal, o princípio da duração razoável do processo.

Perceba bem, não há princípio da rapidez, mas da duração razoável, de forma que, para cada demanda, deve-se aferir qual seria o prazo razoável de duração, devendo, nesse prazo, ser computado o necessário para uma boa e justa decisão.

O pedido de veto, a pretexto de garantir uma suposta celeridade, poderá, na verdade, se acolhido, ensejar vilipêndio ao princípio do acesso à jurisdição, em sua acepção substancial.

De que adianta a parte alegar teses diversas, se não será ouvida, se o magistrado pinçará o que entender melhor para sua decisão, ignorando, sumariamente, as demais alegações?

Atualmente, e tal fato é de conhecimento geral daqueles que participam do processo, há uma espécie de “decisão carimbo”, segundo a qual “O magistrado não está obrigado a enfrentar todas as alegações das partes”[1].

Esse tipo de decisão é o próprio epítome da violação ao devido processo legal substantivo.  E é exatamente esse tipo de decisão genérica, imotivada, que o novo CPC visa a combater.

Demais disso, não acreditamos ser de bom tom que magistrados – relembre-se: cuja legitimidade decorre, justamente, de suas próprias decisões – requeiram veto de dispositivos que impedem a prolação de decisões do tipo "ausentes os requisitos, indefiro a tutela", ou que, e.g., limitem-se à indicação de ato normativo, sem explicar sua relação com a causa ou a questão decidida.

É basilar que as decisões judiciais têm que ser motivadas. O magistrado não pode apor, tão somente, uma conclusão. Deve desenvolver o raciocínio que o levou àquela conclusão, inclusive o motivo que o levou a aplicar ou deixar de aplicar determinado precedente, sob pena de nulidade.

Nesse ínterim, a iniciativa do novo CPC é digna de aplausos, por expressar deveres que já deveriam ser considerados básicos da atividade jurisdicional, não sendo, pois, concebível o veto aos parágrafos 1º e 3º do artigo 489 do novo diploma processual.

Por fim, registramos que os brevíssimos apontamentos acima expostos são eminentemente jurídicos, motivo pelo qual deixamos de tratar da malfadada alegação veiculada pelo o nobre presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), João Ricardo Costa, de que “o interesse desses que criticam [o pleito de veto] é o mercado de trabalho e não o interesse de dar mais efetividade ao Judiciário”[2].

O debate jurídico, certamente, sempre é mais produtivo e salutar.

[1]{C} Por todas: STJ, AgRg-AREsp 429.195/MG, Rel. Min. Marga Tessler (Juíza Federal convocada – TRF-4), 1ª Turma, DJe 23/10/2014.

[2]{C} http://www.conjur.com.br/2015-mar-04/magistratura-celeridade-nao-reduzir-trabalho-amb. 5.mar.2015.


Autor

  • Eimar Carlos

    Advogado. Graduado em Direito pela Universidade Federal do Ceará - UFC. Pós-graduado em Direito Processual Civil pela Anhanguera/Uniderp. Pós-graduado em Direito Eleitoral pela PUC-Minas. Membro da Comissão de Direito Eleitoral da OAB Ceará. Membro do Núcleo de Estudos em Direito Eleitoral da ESA Ceará.

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso