Como anda o seu olhar?

Um texto de Rubem Alves sobre o olhar:

“Georgia O’Keeffe foi uma pintora norte-americana. Seus quadros são assombrosos! Porque seus olhos são assombrosos! “Ninguém vê uma flor realmente”, ela observou certa vez. “A flor é tão pequena… Não temos tempo e o ato de ver exige tempo, da mesma forma como ter um amigo exige tempo. “O ver, como fenômeno físico, acontece instantaneamente. Basta abrir os olhos … A luz toca a retina e a imagem se forma nalgum lugar do cérebro. Igual ao que acontece com a máquina fotográfica. Mas há um outro ver que não é coisa dos olhos. Como quando se contempla uma criança adormecida. A visão de uma criança adormecida nos acalma. Faz-nos meditar. O olhar se detém. Acaricia vagarosamente. O olhar se torna, então, uma experiência poética de felicidade. Sentimos que a criança que vemos dormindo no berço dorme também na nossa alma. E a alma fica tranquila, como a criança. É por isso que, mesmo depois de apagada a luz, ida a imagem física, vai conosco a imagem poética como uma experiência de ternura.” Rubem Alves

O mesmo acontece com o nosso olhar profissional.

Com o tempo amadurecemos ele, compreendemos num olhar as pessoas, elas nos servem ou não, serão bons profissionais ou não.

Este aprendizado com o tempo faz algo nefasto a nossa existência: Ele categoriza pessoas, atos e atitudes.

Não importa a história das pessoas, seus porquês, suas verdades. Se elas forem parecidas ou similares com outras, suas atitudes serão também similares.

Ledo engano.

Assim como somos únicos em nossas digitais e em nossa íris, somos únicos em nosso ser.

Podemos até ter pessoas que são massa de manobra e agem como outras tantas agem, contudo, isto ainda assim é uma escolha.

E, nosso papel de líder, de pessoa madura e profissional que somos, é de identificar as pessoas pelo seu ser e não por aquilo que outros demonstraram ser.

Outros podem ser um indício. Mas, nem todo libriano é inseguro, nem todo ariano é aventureiro e nem todo virginiano é maniático. Cada um tem seu caráter, formação e escolhas de vida.

O texto do Rubem Alves nos remete a esta verdade: Vamos direcionar o nosso olhar para conhecer melhor nossos colaboradores. Vamos buscar compreender os meandros da situação que gerou o problema e não apenas demitir ou punir, ou pior ainda berrar, porque isto não muda o problema e não resolve o mesmo.

Aprendamos que o olhar nos diferencia.

É através dos olhos que podermos ver a alma, já disse o poeta.

Então, que seja com a nossa alma, com a nossa melhor, mais profunda, doce, recheada de amor e perdão que possamos ver nossos semelhantes no ambiente profissional e pessoal.

Somos um ser único, indissociável. Querer um bom profissional que pessoalmente é um bosta não irá acontecer.

Quem é bom profissional e um péssimo ser humano não é bom em nada, podes ter certeza disto.

Olhe com os olhos da sua alma e veja como o seu negócio será diferente, pois suas atitudes serão diferentes.

Escolhas. Olhos. Visão.

#PenseNisto, pois não.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria