O presente trabalho apresenta algumas vantagens e desvantagens da figura das áreas rurais consolidadas, trazida pelo novo Código Florestal.

A nova legislação florestal trouxe a figura das áreas rurais consolidadas. O que foi por muitos criticado durante sua discussão no Congresso, bem como atacado por vários juristas e ambientalistas. Vamos tratar sobre o tema.

De acordo com o Código Florestal, Lei nº 12.651/12, área rural consolidada é “área de imóvel rural com ocupação antrópica preexistente a 22 de julho de 2008, com edificações, benfeitorias ou atividades agrossilvipastoaris, admitida, neste último caso, a adoção do regime de pousio” (art. 3º, IV). Em outras palavras, área rural consolidada é aquela que, até 22/07/2008, teve sua vegetação natural modificada pela ação do homem. É preciso também que tenha edificações, benfeitorias e atividades agrícolas, silvícolas e pastoris[1].

Com isto, importante ressaltar que em 22/07/2008 nasceu o Decreto nº 6.514/08, que dispõe sobre as infrações e sanções administrativas ao meio ambiente, estabelece o processo administrativo federal para apuração destas infrações e dá outras providências.

Desta forma, admite-se a supressão da vegetação caso tenha ocorrido antes da publicação do Decreto supracitado. Motivo que gerou muitas críticas, sobretudo por parte dos ambientalistas. As críticas são no sentido de a legislação ter admitido certa hipótese de anistia a estes proprietários, isentando-os da aplicação das sanções estipuladas no art. 55 do Decreto nº 6.514/08. Principalmente pela falta de averbações legais.

Ademais, permitiu o legislador que aquele proprietário rural que inscrever seu imóvel no Cadastro Ambiental Rural (CAR) poderá aderir ao programa de regularização ambiental (PRA) estabelecido pelo Estado em que se encontra o imóvel e assinar termo de compromisso com o órgão ambiental competente. E, enquanto cumprir o compromisso, o proprietário não poderá ser autuado por infrações cometidas antes de 22/07/2008. Abaixo, conforme art. 59, § 4º do Código Florestal:

“§ 4º No período entre a publicação desta Lei e a implantação do PRA em cada Estado e no Distrito Federal, bem como após a adesão do interessado ao PRA e enquanto estiver sendo cumprido o termo de compromisso, o proprietário ou possuidor não poderá ser autuado por infrações cometidas antes de 22 de julho de 2008, relativas à supressão irregular de vegetação em Áreas de Preservação Permanente, de Reserva Legal e de uso restrito”.

O parágrafo 5º do art. 59 da legislação comentada assegura ainda que:

“§ 5º A partir da assinatura do termo de compromisso, serão suspensas as sanções decorrentes das infrações mencionadas no § 4º deste artigo e, cumpridas as obrigações estabelecidas no PRA ou no termo de compromisso para a regularização ambiental das exigências desta Lei, nos prazos e condições neles estabelecidos, as multas referidas neste artigo serão consideradas como convertidas em serviços de preservação, melhoria e recuperação da qualidade do meio ambiente, regularizando o uso de áreas rurais consolidadas conforme definido no PRA”.

De acordo com Lucas de Souza Lehfeld, Natan Castelo Branco de Carvalho e Leonardo Isper Nassif Balbim, “não há fundamento jurídico razoável para a fixação do dia 22 de julho de 2008 como limite para a regularização destas ocupações. Seria mais plausível, pelo Bem Jurídico tutelado pelo Código Florestal, a data, por exemplo, de edição do primeiro regulamento da Lei de Crimes Ambientais, qual seja, o Decreto3.179 de 21 de setembro de 1999”[2].

Também o art 61-A da legislação em análise prevê que “nas áreas de preservação permanente, é autorizada, exclusivamente, a continuidade das atividades agrossilvipastoaris, de ecoturismo e de turismo rural em áreas rurais consolidadas até 22 de julho de 2008”. A seguir, nos parágrafos do dispositivo, o legislador dispõe sobre as medidas. O que não nos importa a análise.

Resta somente analisar as críticas, positivas e negativas, que são feitas ao instituto criado, senão vejamos.

Os que consideram absurdo o instituto o fazem sobretudo pelo fato de a legislação ter anistiado os proprietários rurais, como afirmado acima. Corrobora com este entendimento o jurista Paulo Affonso Leme Machado, que afirmou que “perdoar não significa entender que tudo está certo e que se pode fazer o que quiser, ainda que cause prejuízo. O perdão admissível é o que leva a alguma reparação da falta. Legalizar uma atividade tão perigosa fere a organização do país, pois incentiva a ilegalidade e encoraja a prática de comportamentos desrespeitosos ao meio ambiente”[3].

Outro ponto negativo criticado na legislação é o prazo de 20 anos para a recomposição da reserva legal, conforme dispõe o art. 66, § 2º. A recomposição da reserva legal implica reconstituição da vegetação que ali se encontrava, com suas características físico-biológicas e função ambiental.[4]

Por outro lado, há pontos que entendemos positivos acerca das áreas rurais consolidadas, tal como ter assegurada a segurança jurídica para o produtor que até a data de 22/07/2008 estava cumprindo com a legislação vigente.

Ainda, conforme o relator do Projeto do Código Florestal, a legislação não assegura anistia a quem quer que seja. E continua:

“Isso é um princípio fundamental, separando agentes delituosos de agricultores honestos, principalmente os agricultores familiares. Respeitando situações consolidadas ao longo do tempo, procuramos buscar, de um lado, a proteção desse ativo [o patrimônio florestal do país] e, de outro, a exploração econômica racional desse ativo.”[5]

Concluindo, acredita-se aqui que a intenção do legislador foi beneficiar o pequeno agricultor, assegurando-lhe a oportunidade de regularizar sua propriedade.

REFERÊNCIAS

LEHFELD, Lucas de Souza. Código Florestal Comentado e Anotado (artigo por artigo). Rio de Janeiro: Forense; São Paulo: MÉTODO, 2013.

POLÍZIO JÚNIOR, Vladimir. Novo Código Florestal – comentado, anotado e comparado. São Paulo: Rideel, 2012.

Notícia retirada de http://www.senado.gov.br/noticias/Jornal/emdiscussao/código-florestal/aprovadas-regras-claras-polemicas-area-rural-consolidada/criticas-ao-conceito-de-area-rural-consolidada.aspx


[1] POLÍZIO JÚNIOR, 2012.

[2] LEHFELD,

[3] Retirado de http://www.senado.gov.br/noticias/Jornal/emdiscussao/código-florestal/aprovadas-regras-claras-polemicas-area-rural-consolidada/criticas-ao-conceito-de-area-rural-consolidada.aspx

[4] LEHFELD, 2013.

[5] Retirado de http://www.senado.gov.br/noticias/Jornal/emdiscussao/código-florestal/aprovadas-regras-claras-polemicas-area-rural-consolidada/criticas-ao-conceito-de-area-rural-consolidada.aspx


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria