NOÇÕES GERIAS SOBRE O PROCESSO CAUTELAR O processo cautelar tem a função de garantir a efetividade da sentença judicial. Pode ser ajuizada antes ou durante o processo judicial.

  1. O processo cautelar tem a função de garantir a efetividade da sentença judicial. Pode ser ajuizada antes ou durante o processo judicial.

  1. O requerente do processo cautelar precisa estar amparado pelas leis. O requerente da medida cautelar deve demonstrar os elementos jurídicos que amparam o seu pedido, ou seja, deve fundamentar nas normas jurídicas o pedido.

Só terá medida cautelar quando: o requerente da medida cautelar deve demostrar à urgência do pedido, indicando claramente que caso não seja deferido a liminar a sentença não terá efetividade.

Obs: O requerente tem que demonstrar que esta com seu direito ameaçado e não esta sendo exercido.

  1. No requerimento da medida cautelar, deve demonstrar urgência do pedido, indicando claramente que caso não seja deferido a liminar a sentença não terá efetividade.

  1. Em regra a ação cautelar garante a efetividade de outro processo, mas há as cautelares satisfativas, ações cautelares que bastam em si próprias, sem a necessidade de processo principal. Exemplo: busca de apreensão de pessoas e coisas

  1. Momento do ajuizamento: a ação cautelar pode ser proposta antes da ação principal, caso que será denominada preparatória (artigo 800 do Código de Processo Civil) e a parte terá 30 dias para propor a ação principal, o prazo será contato da efetivação da medida cautelar. A cautelar pode ser proposta durante a ação principal, sendo denominado cautelar incidental.

O PROCESSO CAUTELAR

  1. O regramento legal aplicável, artigo 796 a 889 do CPC.

Poder geral de cautela: o juiz durante o processo principal pode tomar as medidas cautelares e julgar necessárias para que a sentença a ser proferida tenha efetividade, art. 798, CPC.

  1. Condições da ação cautelar:

  •  Legitimidade das partes: autor e réu;

  •  Interesse processual: a parte autora deve demonstrar a necessidade.

  1. Procedimento

  •  Legitimidade no processo para resolver sua questão;

  •  Possibilidade jurídica do pedido: o autor deve demonstrar o amparo legal do seu pedido e que não há ofensa a nenhum dispositivo de lei. O pedido cautelar nunca pode ser autônomo nem conduzir, por si só, à satisfação da pretensão do autor. Está sempre vinculado a um processo principal, do qual é dependente e acessório e ao qual de refere, artigo 796, CPC, este dispositivo tem como função principal deixar claro que o processo cautelar pode ser iniciado antes ou durante o processo principal, classificando- se em preparatório ou incidental.

  1. Competência

O juízo competente do processo cautelar é o mesmo do processo principal, inclusive os processos tramitam em apensos, artigo 800, CPC.

Não há nenhuma dificuldade para apuração de competência, quando a cautelar é incidental. Dado ser caráter acessório será necessariamente distribuído por dependência ao juízo em que corre a ação principal, devendo os autos ser apensados, tratando-se em regra de competência absoluta.

  1. Inicial (artigo 801, CPC).

  • Autoridade judiciaria é a mesma da principal;

  • Qualificação das partes deve demonstrar os fatos que levaram a isto e mostrar o fundamento, que é a possibilidade jurídica, salvo nas medidas cautelares de procedimento preparatório;

  • Exposição sumária do direito (fumus bonis juris) ameaçado e o receio de lesão (periculum in mora);

  • Indicação das provas deve indicar quais tipos de provas quero produzir.

  1. A citação e a resposta do réu (art. 802, CPC): o réu será citado para apresentar resposta no prazo de 5 ( cinco) dias contados da juntada dos autos.

  1. Exceção de incompetência

É cabível a exceção de incompetência na cautelar, devendo ser apresenta junto com a defesa, coma finalidade de remeter o processo para outro juízo competente.

  1. Procedimentos cautelares sem resposta

A regra geral na ação cautelar é de haver defesa no prazo de 5( cinco) dias, mas há ações cautelares sem a possibilidade de réu apresentar defesa sendo ação de notificação.

  1. Prazos especiais

A regra geral é de 5 ( cinco) dias para apresentar contestação, no entanto à ação cautelares com prazo de contestação com 24 e 48 horas.

  1. Revelia (artigo 319, CPC)

Ocorre à revelia na ação cautelar quando o réu é citado e não apresenta defesa.  A revelia da ação cautelar não atinge a ação principal.

  1. Intervenção de terceiros

  • Assistência;

  • Nomeação à autoria.

Somente é cabível na ação cautelar à Assistência e a Nomeação à Autoria. Na assistência um terceiro interessado no processo ingressa na ação para juntamente com o réu promover a defesa.

Na Nomeação à Autoria o réu indica um terceiro para figurar no polo passivo como um réu legitimo.

  1. Liminar (art. 804, CPC)

  • O juiz pode conceder liminarmente ou após justificação prévia do autor;

  • O réu não poderá apresentar defesa e nem produzir provas, só contraditar testemunhas (impedidos e suspeitos);

  • O indeferimento da liminar no processo cautelar não acarreta a extinção do processo.

Obs: O juiz após a audiência de justificação abre prazo para o réu apresentar defesa. Não ferindo o principio do contraditório e ampla defesa.

  1. . Caução (art. 804, CPC)

  • Real (bem)

  • Fidejussória (titulo de credito)

Para deferir a liminar o juiz pode exigir uma caução que será real (bens) ou fidejussória (titulo de crédito). A caução tem a finalidade de reembolsar o réu de eventuais prejuízos decorrentes da liminar.

4.1. Sentença e recurso

O processo cautelar é autônomo, portanto carece de uma sentença própria, no entanto não é raro, não gera nulidades o julgador proferir uma sentença englobando a ação principal e a ação cautelar. O recurso cabível é a apelação no prazo de 15 (quinze) dias (rito comum).

4.2. Sucumbência (art. 20, CPC)

O perdedor da ação cautelar deverá pagar as custas processuais e honorários advocatícios da parte vencedora.

4.3. Coisa julgada

A sentença proferida na ação cautelar não faz coisa julgada em relação à ação principal, salvo em casos de prescrição e decadência.

Obs: Não há coisa julgada material na cautelar, dada a sua natureza provisória e sua função acessória, ainda que o juiz julgue o mérito do pedido cautelar. Salvo nos dois casos citados a cima.

  1. Principais características da tutela cautelar

  • Autonomia: o processo cautelar é distinto do processo principal e inclusive são julgados separadamente.

  • Acessoriedade: o processo cautelar é acessório do processo principal, a extinção do processo principal implica no arquivamento do cautelar, sendo que o inverso não ocorre.

  • Dupla instrumentalidade: apesar de tramitarem juntos o processo principal e o cautelar estão em autos apartados, mas apensados entre si.

  • Tutela de urgência: a tutela cautelar só será deferida em caso de urgência, havendo o periculum in mora.

  • Sumariedade de cognição: a produção de provas da tutela cautelar é sumária, devendo haver apenas o fumus boni juris, ou seja, indícios do direito.

  • Provisoriedade ou precariedade: não é definitiva, a decisão pode ser alterada a qualquer tempo no processo cautelar ou principal, a pedido das partes ou de oficio pelo juiz. Obs: Somente nas medidas cautelares pode o juiz agir de oficio nas antecipadas não.

  • Fungibilidade: o juiz deve conceder a medida cautelar mais adequada ao caso, mesmo que seja diferente do pedido dos autos.

PROCEDIMENTOS CAUTELARES ESPECIFICOS

  1. Arresto (art. 813 a 821, CPC)

  • Apreender bens penhoráveis e indeterminados do devedor;

  • É necessário que a divida exista, mas não esteja vencida;

  • O credor deve demonstrar que o devedor está utilizando de meios para não fazer o que deve;

  • O arresto será transformado em penhora e posteriormente o bem será levado a leilão para pagamento da divida;

  • Se o devedor pagar a divida o arresto será desconstituído e o bem devolvido para o devedor.

  1. Sequestro (art. 822 a 825, CPC)

  • Bens determinados do devedor;

  • Regras do arresto no que couber.

  1. Busca e apreensão (art. 839 a 843, CPC)

  • Inicial deve demonstrar as razões, a urgência e o “Fumus Boni Juris”;

  • A ciência de estar à coisa ou a pessoa no local designado;

  • A liminar poderá ser deferida de plano ou com audiência de justificação em segredo de justiça, se necessário.

  1. Exibição (art. 844 a 845, CPC)

  • Tem por finalidade a exibição de coisa móvel e documentos;

  • Pode ser proposta antes ou durante o processo principal.

  1. Produção antecipada de provas (art. 846 a 851, CPC)

  • Tem a função de que a demora processual não prejudique a prova da ação processual;

  • Pode ser proposta antes ou durante a ação principal;

  1. Arrolamento de bens ( art. 855 a 860, CPC)

  • Procede-se ao arrolamento de bens cautelar, sem que haja fundado receio de extravio ou de dissipação de bens;

  • Deferida a liminar o juiz determina depositário para os bens arrolados.

  1. Justificação (art.861 a 866, CPC)

  • É um procedimento para documentar pro meio de testemunhas, a existência de algum fato ou relação jurídica;

  • Tal documentação poderá ser utilizada administrativamente ou em processos.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria