O presente artigo versa sobre a nova concepção dos contratos no ordenamento jurídico brasileiro, haja vista, as alterações destes ao longo dos últimos anos, ressaltando-se a nova roupagem atribuída a tal instituto pelo Código de Defesa do Consumidor.

O contrato é um instituto que existe há alguns anos, e é de real importância para o mundo jurídico e para a vida em sociedade, na medida em que envolve interesses recíprocos entre as partes contratantes, estipulando uma obrigação para ambas as partes, a fim de satisfazê-las.

Sobre a importância dos contratos, acentua Gonçalves (2010, p. 21):

“O contrato é a mais comum e a mais importante fonte de obrigação, devido às suas múltiplas formas e inúmeros recursos no mundo jurídico.” [1]

Entretanto, a atual concepção dos contratos no ordenamento jurídico brasileiro, surgiu mediante mudanças ocorridas no seio da sociedade, como as transformações sociais, econômicas e políticas, que clamavam por uma nova ordem jurídica capaz de atender as novas necessidades surgidas por essas transformações.

O contrato na Idade Média tinha como escopo perfazer os interesses da nobreza, contudo, foi com a Revolução Francesa que se estabeleceu Princípios que conduziram a relação contratual durante quase dois séculos. O Liberalismo, trouxe o ideário de que todos são iguais perante a Lei, estabelecendo o modelo liberal, seguindo-se os princípios norteadores da autonomia da vontade, da liberdade de contratar e do pacta sunt servanda.

A respeito do modelo liberal, o autor Donnini (1999, p. 145) colabora:

“O liberalismo marcante do século XIX influenciou as codificações daquele período e deste século também, incluindo-se nessas legislações o nosso Código Civil. A teoria geral do contrato está fundada no pensamento dessa época, em que a autonomia privada da margem à exaltação do contrato e a rigidez do brocardo pacta sunt servanda.”[2]

Percebe-se, que o liberalismo acabou por colaborar para o modelo contratual, que ficou conhecido como modelo liberal, tendo em vista, a liberdade em que as partes detinham de discutir as cláusulas contratuais (olho por olho, cláusula por cláusula).

Ressalta-se que o Estado não intervinha nas relações contratuais, em razão da autonomia da vontade. As partes detinham da liberdade e autonomia para contratar. Já em se tratando do pacta sunt servanda, o contrato prevalecia, era a lei entre as partes, rígido, estático e intangível.

Todavia, a sociedade continuou suas mudanças que repercutiram na relação contratual e nos princípios que regiam o mesmo, em especial ao princípio da autonomia da vontade, que já não alcançava os interesses sociais.

Rodrigues (2004, p. 18), assim nos ensina:

“De fato, tanto o princípio da autonomia da vontade como o da obrigatoriedade das convenções perderam uma parte de seu prestígio, em face de anseios e preocupações novas, nem sempre atendidos no apogeu do regime capitalista".[3]

A revolução industrial contribuiu para mais transformações que repercutiram na maneira de contratar, como o desenvolvimento científico e tecnológico, o consumo e produção em massa. O capitalismo trouxe novas formas de produção, o que antes era manual, passou a ser desenvolvido por máquinas, de sorte, que a produção começou a ser massificada, bem como o consumo, que por sua vez, passou a ser em massa.

Destarte, o contrato já não conseguia acompanhar essas modificações, posto que, aplicar os ideários do liberalismo e discutir as cláusulas “olho por olho” já não se fazia mercê diante da produção e consumo em massa.

Gonçalves (2010, p.24) afirma:

“A economia de massa exige contratos impessoais e padronizados (contratos – tipo ou de massa), que não mais se coadunam com o princípio da autonomia da vontade.” [1]

Surgiram então, os contratos de adesão, que não admitia a discussão de suas cláusulas, ou o consumidor aderia ou não o contrato. Porém, como uma das partes detinha do poder de formular o contrato e a outra apenas de aderi-lo, não demorou muito, para que ocorressem práticas abusivas, que acabaram por colocar o consumidor em situação de vulnerabilidade.

Grinover (2005, p.499) acrescenta.

“Com efeito, as regras ortodoxas do Direito Positivo não mais atendem a ordem pública de proteção do consumidor, notadamente quantos aos vícios do consentimento, à noção de causa no contrato, ao regramento da cláusula penal, à teoria das nulidades e a proteção contra cláusulas abusivas.” [4]

Assim sendo, perante as inovações e transformações ocorridas na sociedade, e diante das abusividades sofridas pelos consumidores, massacrados por um modelo jurídico que não mais atendia às necessidades da coletividade, surgiu a nova concepção contratual, originada pelo Código de Defesa do Consumidor.

Insta dizer, que o Código de Defesa do consumidor foi o percursor da nova realidade contratual do sistema jurídico brasileiro, na medida em que, estabeleceu uma série de direitos a serem observados na relação de consumo, objetivando proteger o consumidor, considerado parte vulnerável e hipossuficiente dessa relação, em busca da igualdade real e não apenas legal.

Venosa (2010, p. 385), esclarece:

“No campo dos contratos que por ora nos interessa, foram trazidos para o bojo da lei, além de instrumentos eficazes em favor do consumidor no tocante à responsabilidade objetiva do fornecedor e possibilidade de inversão do ônus da prova careada para o fornecedor, princípios de direito contratual que a doutrina tradicional já adotava há muito, na exegese de proteção do mais fraco.”[5]

Sendo assim, a nova concepção contratual passou-se a observar a função social do contrato, observando-se a flexibilização do contrato ao invés da intangibilidade observada no modelo liberal (tradicional), assim sendo, o brocardo pacta sunt servanda, perdeu força diante do novo modelo. Que busca o equilíbrio contratual ao invés da rigidez do contrato.

Outra importante inovação no modelo atual foi a intervenção do Estado, que passou de Estado Liberal para Estado social. Nesse sentido o Estado passou a ser intervencionista, a fim de garantir a ordem pública de proteção dos consumidores.

Os Princípios norteadores desse novo modelo contratual estão previsto na Lei 8.078/90, que dispõe sobre o Código de Defesa do Consumidor [6], se fazendo necessário mencionar alguns deles, assim como o Princípio da boa-fé objetiva (artigo 51, inciso IV) que visa impedir que o consumidor seja colocado em situação de desvantagem exagerada.

 Em relação ao Princípio da Intangibilidade das Convenções (artigo 51, incisos X, XI e XIII), visa-se proteger o consumidor na relação contratual, para que o mesmo não seja alvo da variação do preço, do cancelamento unilateral do contrato e da modificação unilateral do conteúdo do contrato, assim sendo, resguarda-se o consumidor da arbitrariedade do fornecedor de produtos ou serviços.

Já em se tratando das lesões nos contratos e da excessiva onerosidade (artigo 51, § 1º) o Código de Defesa do Consumidor estabelece que  as multas de mora não poderão se superiores a 2% do valor da prestação, limitando o valor a ser cobrado no caso de inadimplemento.

Ante o exposto percebe-se que a nova concepção de contrato no Código de Defesa do Consumidor analisa o contrato concretamente, aplicando-se inclusive o Princípio Constitucional da Dignidade da Pessoa Humana, previsto no artigo 1º, inciso III, da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, essa aplicação se faz possível, posto que o novo modelo utiliza-se de uma abordagem voltada para a pessoa, buscando-se um contrato justo, pautado na igualdade real, com o intuito de proteger a parte vulnerável da relação.

Ressalva-se que os princípios contratuais oriundos da nova concepção contratual devem ser observados para o fim precípuo de alcançar-se equilíbrio na relação de consumo e evitar-se danos em relação ao consumidor.

Destarte, a nova concepção contratual, não trata apenas de uma igualdade formal entre as partes, e sim, busca-se uma igualdade real entre os contratantes, em virtude da vulnerabilidade do consumidor, parte mais frágil dessa relação contratual.

Assim sendo, o Código de Defesa do Consumidor inovou ao tornar o contrato mais justo, em busca da função social do contrato e do equilíbrio contratual.

______________________________

NOTAS

CAVALIERI FILHO, Sérgio. Programa de Direito do Consumidor. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

 [1] GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro, volume 3: contratos e atos unilaterais. 7. ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

[2] DONNINNI, Rogério Ferraz. A revisão dos contratos no Código Civil e no Código de Defesa do Consumidor. São Paulo: Saraiva, 1999.

[3] RODRIGUES, Silvio. Direito civil, volume 3: dos contratos e das declarações unilaterais de vontade. 30. ed. São Paulo: Saraiva, 2004.

[4] GRINOVER, Ada Pellegrini. Código de Defesa do Consumidor Comentado pelos autores do anteprojeto. 8. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

[5] VENOSA, Sylvio de Salvo. Direito civil: teoria geral das obrigações e teoria geral dos contratos. 4ed. São Paulo: Atlas, 2004.

[6] BRASIL. Lei nº. 8.078, de 11 de setembro de 1990. In: CURIA, L.R. (Org.) Vade Mecum. 12. ed. atual e ampl. São Paulo: Saraiva, 2011.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria